Fomos convidados pela Playstation Portugal a testar o jogo que vem pré-instalado na PlayStation 5 de forma gratuita para todos os seus utilizadores, Astro’s Playroom. Uma mascote que ganhou imensa fama após Astro Bot: Rescue Mission e o seu sucesso no PSVR.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Astro’s Playroom é um jogo de plataformas 3D que não impressiona nos gráficos, mas sim no seu charme e na maneira que usa o novo comando da Sony, o Dual Sense. Podemos dizer até que este jogo serve para mostrar todas as qualidades do comando da PlayStation 5 e mostrar que a nova geração é mais que gráficos e desempenho.

Nesta antevisão apenas pudemos jogar um nível de seu nome Cooling Springs e tem muitos clichés relacionados com o género de jogo como o começarmos numa praia, apanhar moedas e algum combate à mistura, mas o Dual Sense é, sem dúvida, a estrela que a Sony quer evidenciar com Astro’s Playroom, já que não esperávamos este tipo de interação entre o que sentimos nas nossas mãos e o que acontece no ecrã. Ter um jogo grátis é bom, mas ter algo que nos consiga “explicar” o que é um comando de nova geração e ainda nos divertirmos a fazê-lo, é ainda melhor. Não é como jogamos Astro’s Playroom, mas como o sentimos na PlayStation 5.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

O Dual Sense é robusto e os seus gatilhos com feedback háptico com tensão variável fazem com que se sinta vibração de várias maneiras, das mais subtis às mais fortes. Notamos a diferença no motor de vibração quase imediatamente e a sua variedade é impressionante. Sentimos as pisadas de Astro na areia da praia ou quando saltamos para dentro de água. Sentimos ainda tensão quando puxamos um elástico, por exemplo.

This slideshow requires JavaScript.

Normalmente os gatilhos L2 e R2 são botões normais, mas aqui, em algumas situações, sentimos a tensão tal e qual estamos a fazer no jogo. Num dos segmentos que podemos experimentar de Astro’s Playroom controlamos um pequeno robô que em vez de pernas tem uma mola gigante para ir pulando de plataforma em plataforma, para o fazer progredir carregamos no gatilho até meio e ele salta um pouco. Se carregarmos até abaixo, ele dá um salto enorme e a diferença é que sentimos isso na jogabilidade. Tudo com uma naturalidade que não é habitual para quem pega no Dual Sense pela primeira vez.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Este nível também nos leva a usar outras qualidades do comando. Podemos soprar para o microfone para fazer girar uma ventoinha, usar o touchpad para outras ações e usar o giroscópio… tudo sem grande esforço. O mais interessante é que com cada ação que fazemos, existe um feedback também da coluna do Dual Sense, pequenos sons e interações que fazem que a experiência seja bastante imersiva.

Não conseguimos explicar o quão especial é o Dual Sense nas mãos, é algo que se sente. Juntar a sensação a um produto como o Astro’s Playroom, que acaba por funcionar como tutorial para o hardware é maravilhoso. No fim, é um jogo interessante por si próprio, criado com carinho para quem gosta da marca Playstation, tem imensos easter eggs e é divertido até mais não. Definitivamente um dos jogos a testar de lançamento face às qualidades que tem ao nos apresentar o comando que certamente vai definir uma geração.

Sem mais artigos