Vivem-se dias muito positivos no mundo das criptomoedas. O momento ascendente das divisas digitais continua e o valor de diferentes moedas tem subido de forma constante ao longo das últimas semanas. Se no dia 22 de maio todo o mercado das criptomoedas valia 53,9 mil milhões de dólares, à hora de publicação deste artigo valia 81,4 mil milhões de dólares – cerca de 72,6 mil milhões de euros.

É um aumento de 51% em 11 dias, um valor que espelha bem a confiança que se vive neste momento. Há quem defenda que está a ser vivida uma bolha neste mercado, mas também há quem o esteja a dizer desde os tempos em que o Bitcoin estava prestes a chegar aos 500 dólares [novembro de 2013].

Muita desta euforia que se tem vivido deve-se de facto ao Bitcoin, a primeira criptomoeda que a afirmar-se no mundo online e que acabou por ser a base de lançamento para outras divisas digitais. Acontece que o Bitcoin, que sempre dominou a valorização de mercado das criptomoedas, e apesar de já valer mais de 2.200 dólares por unidade, está a perder peso no mercado global.

Neste momento o Bitcoin ‘só’ representa 45,9% dos 81,4 mil milhões de dólares, segundo o site Coinmarketcap. O Bitcoin está a perder força pois outras criptomoedas estão a ganhar força. Sabendo que muita da atenção está concentrada apenas no Bitcoin, decidimos dar atenção às outras moedas que também têm feito furor.

Seja de um ponto de vista de curiosidade, seja por interesse em investir, ficar a conhecer moedas alternativas – conhecidas como altcoins – é um conhecimento que pode ser valioso para os próximos tempos. Nesta fase parece claro que o mundo das criptomoedas não vai gravitar apenas em torno de um grande produto e que existe espaço para mais alternativas.

A procura de espaço é justamente um dos motivos apontados – mas não só – para o interesse crescente nas altcoins. Atualmente a mineração de bitcoins já está num grau elevado de exigência e já é preciso fazer um grande investimento para conseguir retirar ‘lucro’ desta atividade. A propósito deste tema recomendamos um documentário da Motherboard que mesmo tendo dois anos, dá uma boa ideia de como escalou rapidamente a mineração de bitcoins.

Caso esteja à procura de divisas alternativas, estas são as cinco moedas digitais com maior valorização de mercado de momento, além do Bitcoin.

Ethereum

Valor de mercado: 16,60 mil milhões de dólares
Preço unitário: 180,81 dólares

Ethereum

É a segunda criptomoeda mais valiosa da atualidade. Tem recebido diferentes sinais de confiança – por exemplo, ainda ontem a Enterprise Ethereum Alliance ganhou 86 novos membros, incluindo o Banco do Canadá – e por isso tem escalado bastante no preço.

O projeto Ethereum apresenta-se como uma ferramenta de blockchain que pode ser usada em diferentes soluções tecnológicas e áreas de negócio. As aplicações que têm por base o Ethereum são extremamente robustas contra censura, fraude e interferências externas, devido ao sistema de verificação que tem por base a tecnologia blockchain.

Quem faz a verificação das diferentes transações de dados – e que não precisam de ser apenas dinheiro, reforçamos! – é premiado com o Ether, o elemento que representa o ‘dinheiro’ dentro do universo Ethereum. É acima de tudo devido à sua aplicabilidade abrangente que o projeto está tão bem cotado e pode mesmo vir a destronar o Bitcoin em valorização global.

Ripple

Valor de mercado: 12,85 mil milhões de dólares
Preço unitário: 0,33 dólares

Ripple

Os bancos nunca gostaram muito do Bitcoin por ser uma moeda ‘sem lei’, isto é, por não ter qualquer regulação oficial que permita manter a balança do seu valor equilibrada e resistente a factores externos.

Mas isso não quer dizer que os bancos não estejam interessados na tecnologia basilar do Bitcoin, o blockchain. Os criadores do Ripple foram rápidos a perceber isso e criaram um sistema que permite verificar processos de transações bancárias de forma rápida e segura, mesmo a nível internacional.

Uma vez mais, os computadores que fazem a validação destas transações são recompensados com uma moeda digital – a XRP. Atualmente 15 dos 50 maiores bancos a nível mundial já estão a trabalhar com a Ripple, muito por causa da velocidade que consegue garantir nas transações verificadas.

Os bancos podem depois construir diferentes aplicações tendo por base esta tecnologia. Sabendo que atualmente é a banca quem tem um grande poder sobre o dinheiro ‘tradicional’, não seria de estranhar que a médio prazo o Ripple acabasse por se posicionar como uma das altcoins mais fortes.

A Ripple foi originalmente criada em 2012.

NEM

Valor de mercado: 2,32 mil milhões de dólares
Preço unitário: 0,25 dólares

NEM

O projeto NEM segue um pouco a linha do Ethereum, isto é, apresenta-se como uma tecnologia de blockchain que é direcionada para vários fins, incluindo pagamentos, serviços de messaging e nomeação de sistemas.

A moeda deste ecossistema dá pelo nome de XEM e, tal como nos projetos anteriores, é dado como recompensa a todos aqueles que ajudam a validar as operações que são realizadas através desta tecnologia.

A NEM faz uma grande aposta na questão da segurança e está também a apostar no desenvolvimento de um interface de programação para que a tecnologia possa ser integrada de forma mais simples noutros sistemas externos – como aplicações móveis ou sites.

Pelas informações disponíveis o projeto está ainda a maturar e dado o apetite que tem existido por estes sistemas, pode muito bem ser uma das plataformas do futuro.

Litecoin

Valor de mercado: 1,56 mil milhões de dólares
Preço unitário: 30,64 dólares

Litecoin

A seguir ao Bitcoin, o Litecoin é muito provavelmente uma das criptomoedas mais conhecidas. Isto acontece pois o Litecoin posicionou-se logo como uma das principais alternativas ao Bitcoin e isso fez rapidamente com que conseguisse juntar uma comunidade de programadores considerável.

Na prática, o Litecoin também só está focado na questão de ser uma divisa digital alternativa. Mas o que diferencia o Litecoin do Bitcoin é o facto de conseguir processar a verificação de transações de forma muito mais célere.

Como tempo é dinheiro, o Litecoin tem vindo a ganhar muitos adeptos, sobretudo porque a sua tecnologia de blockchain tem vindo a sofrer melhorias, enquanto o Bitcoin original mantém-se bastante estanque a esse nível – o valor do preço não permite grandes riscos que possam trazer desconfiança e desvalorização.

Outro elemento que está a favor do Litecoin é o facto de poderem ser criadas 84 milhões de litecoins no total, um valor que é o quádruplo dos bitcoins que podem ser minerados.

Ethereum Classic

Valor de mercado: 1,01 mil milhões de dólares
Preço unitário: 11,04 dólares

Ethereum Classic A evolução tecnológica que existe ao nível do blockchain dos diferentes projetos nem sempre tem o apoio de toda a comunidade. Quando a divisão é muito grande, existem os chamados forks, isto é, divisões dentro do mesmo ecossistema.

Foi o que aconteceu com o Ethereum. Neste caso o Ethereum Classic diz respeito a todos os que acharam que os valores iniciais do Ethereum deviam ser mantidos e não concordaram com as alterações que o sistema recebeu.

Pelo facto de partilharem o mesmo conceito e de permitirem realizar a mesma tipologia de operações, o Ethereum Classic tem sido ‘puxado’ pelo sucesso da Ethereum.

Sem mais artigos