A Platinum Games é um dos poucos nomes que a maioria dos jogadores automaticamente associa a qualidade. Os jogos desenvolvidos por esta equipa podem ter mais ou menos sucesso, mas têm sempre uma qualidade praticamente inquestionável.

Por esse motivo, quando Astral Chain foi inicialmente apresentado para a Nintendo Switch sabia-se que seria um jogo de qualidade. No entanto, sendo uma nova série, nada se sabia sobre se seria ou não um bom jogo.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Contudo, essa dúvida é rapidamente eliminada nos primeiros minutos do jogo, mostrando que estamos perante um fantástico jogo, ideia que é reforçada nas horas seguintes.

A história

A história de Astral Chain passa-se no ano de 2078, num mundo onde o planeta se encontra ameaçado por misteriosos seres interdimensionais que ameaçam destruir tudo o que existe. O jogador tem a hipótese de escolher um dos gêmeos que acabaram de entrar para uma força policial especial, Neuron, onde o capitão é o seu pai adotivo.

Após uma breve introdução, o jogador é colocado imediatamente no meio da ação, estando a cidade a ser atacada pelas misteriosas criaturas chamadas de Chimeras. Durante esta primeira missão, os gêmeos recebem um equipamento especial que contém uma criatura, chamada Legion, que lhes permite fazer frente à ameaça das Chimera.

Com o desenrolar da história o jogador terá a oportunidade de capturar diferentes Legion, cada uma delas com características e habilidades diferentes. A Sword Legion é mais orientada para o ataque, não oferecendo grandes capacidades defensivas. A Arrow Legion é orientada a ataques à distância através do uso de um arco energético. A Beast Legion favorece a mobilidade, permitindo que o jogador a monte para percorrer distâncias mais rapidamente. A Arm Legion é mais orientada para combate próximo, oferecendo boas capacidades defensivas. E finalmente a Axe Legion é orientada a ataques bastante poderosos, mas também mais lentos que os restantes.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Cada uma das Legion tem um conjunto de habilidades que podem ser desbloqueadas num sistema de árvore à semelhança de muitos jogos RPG. Esse desbloqueio é feito utilizando pontos que são adquiridos durante as missões. Além disso é ainda possível equipar cores especiais que dão outras características aos Legion. Essas características podem ser tão simples como aumentar o ataque ou criar uma explosão de cada vez que chamamos o Legion para combate. Este sistema permite moldar as Legion ao gosto do jogador permitindo que este crie as suas combinações de ataques e o seu estilo de combate.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

E que posso eu fazer?

Mesmo que, na sua essência, Astral Chain seja um jogo de ação, existe muito mais a fazer durante o jogo que simplesmente combate, tornando-se um verdadeiro desafio definir o tipo de jogo com uma única palavra.

A história está dividida em capítulos e, normalmente, o seu início é uma fase de livre acesso onde o jogador tem a hipótese de explorar partes do mapa e de interagir com os diferentes personagens através de diálogos e missões secundárias. Estes momentos são ainda úteis para se treinar diferentes formas de combate, fazer upgrade aos diferentes equipamentos ou mudar o aspeto do personagem das Legion.

Quando o jogador decidir que já fez tudo o que pretendia, é iniciada a segunda parte onde acontece o desenrolar da história para esse capítulo. Aqui o jogador terá de fazer a sua investigação, questionando personagens ou resolvendo pequenos puzzles, capturando personagens suspeitos ou concluindo missões secundárias para ajudar outros personagem e descobrir qual o próximo passo a seguir. Para além disso, existem também bastantes momentos de combate que, dependendo do ponto da história, podem ser bastante emocionais, mas sempre cheios de grandes momentos de ação. Adicionalmente, existem segmentos onde o jogador é transportado para o plano Astral, uma dimensão paralela onde habitam as Chimeras. Aqui, para além de se combater com diferentes criaturas, o jogador terá de fazer algum trabalho de plataforma com a ajuda das suas Legion.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No entanto, dado ao aspeto bizarro do ambiente, é possível que o jogador se sinta um pouco confuso e que tenha alguma dificuldade em se movimentar. Apesar de ser bastante raro acontecer, isto poderá criar alguma frustração ao jogador.

Esta variedade de ações, apesar de ser bom para a primeira vez que são concluídas, podem tornar-se numa grande desvantagem para aqueles que gostam de completar o jogo na sua totalidade.

Cada capítulo tem um conjunto de segredos que só podem ser descobertos após se adquirir certas Legion que estão disponíveis em capítulos futuros, sendo necessário a sua repetição. Adicionalmente, nas dificuldades mais avançadas, o desempenho tem uma classificação atribuída que, para os mais competitivos, aumenta a necessidade de repetição para se conseguir ter a melhor classificação possível. Dado que a repetição do capítulo tem de ser feita na sua íntegra, o jogador é obrigado a repetir todas as ações e trabalhos de investigação podendo tornar-se num processo bastante tedioso.

Apesar de na sua maioria a história ter um tom sério, existem momentos bastante divertidos e até absurdos. O jogador poderá ter de salvar vários gatos que se encontrem escondidos pelo mapa, sendo uns mais fáceis de apanhar que outros ou então, terá de encontrar vários tipos de papel para dar à fada do WC a fim de conseguir salvar uma sanita de ficar amaldiçoada para sempre (sim, leram bem). Outras tarefas também passam por vestirem-se da mascote da polícia, um cão chamado Lappy, para animar os colegas seja via conversa ou através de combate.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Estes momentos cómicos são elementos bastante bem-vindos e adaptam-se incrivelmente bem ao universo de Astral Chain.

Mas então, e o combate?

Mesmo com a variedade de atividades com que o jogador se pode ocupar no jogo o combate continua a ser o foco principal.

O jogador tem disponível uma arma que tem a possibilidade de se transformar em três armas diferentes, uma pistola para ataques de longa distância, um bastão para ataques rápidos e uma espada para ataques mais lentos e poderosos. Ao longo do jogo é ainda possível melhorar as capacidades das armas, desbloqueando novos ataques e tornando-as mais poderosas.

Além disso, durante o combate é possível chamar um Legion para lutar ao lado do jogador. A posição do Legion pode ser controlada pelo jogador, sendo possível aproximar ou afastar o mesmo de um determinado inimigo ou usar a corrente que o liga ao jogador de forma ofensiva. Quando essa corrente é enrolada à volta de um ou mais inimigos esses ficam imobilizados durante um curto período de tempo. É ainda possível usar a mesma corrente para travar inimigos que vão a correr contra o jogador, impulsionando-os para trás e criando novas oportunidades de ataque.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Conforme mais Legion vão sendo adicionados à equipa maior são as combinações de ataques, sendo possível criar verdadeiros momentos cinemáticos durante os combates. No entanto, caso o jogador não se sinta à vontade ou não queira aprender a complexidade do combate, o modo Unchained permite que o combate funcione de uma forma praticamente automática, aliviando a dificuldade e permitindo que o jogador aprecie mais a história do jogo. Existe ainda um modo cooperativo onde, através da partilha de joy-cons, um jogador terá o controlo do personagem principal e o outro do Legion. Apesar de não ser um modo para os jogadores mais hardcore, é algo que permite alguns momentos relaxados com um amigo.

Em termos gráficos, o aspecto do jogo, bastante estilizado, associado aos grandes momentos de ação dão a sensação de se estar a ver um anime de alta qualidade. Mas um dos aspectos mais fortes do jogo é claramente a banda sonora, tendo sido feito um trabalho excelente nesta área. Para além da excelente composição musical, a adaptação dinâmica da música a cada situação do jogo torna a experiência bastante imersiva para o jogador.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Amarrando a corrente

Astral Chain foi esperado com alguma expectativa e claramente que não desiludiu. A Platinum Games pegou em tudo o que os seus jogos anteriores tinham de bom e colocaram bastante alma neste jogo, tendo resultado uma verdadeira obra de arte.

Para além de gráficos interessantes e uma banda sonora totalmente incrível, este jogo está cheio de ação épica com alguns momentos bizarros e divertidos espalhados ao longo das várias horas de jogo.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Astral Chain é seguramente um dos melhores jogos de ação deste ano e um dos melhores jogos da Platinum Games, sendo uma compra obrigatória para qualquer amante de jogos de ação.

Astral Chain foi lançado a 30 de agosto de 2019 para a Nintendo Switch.

 

N.R.: A análise a Astral Chain foi realizada com acesso a uma cópia do jogo, gentilmente cedida pela Nintendo Portugal.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Banner Patreon Future Behind

 

Astral Chain - Acorrentados a um excelente jogo!
Excelente sistema de combateMomentos cheios de açãoFantástica banda sonoraMuitos gatos
Partes do mapa com controlo difícilNecessidade de repetir capítulo inteiro para aceder a novas áreas
4.5Valor Total
Votação do Leitor 1 Voto
Sem mais artigos