O mundo está para acabar. Sabemos disso. É uma questão de sabermos como e quando. Efeitos dos maus tratos dados ao planeta pelo ignóbil ser humano? Bem possível. Um asteróide que nos vai destruir numa quentinha bola de fogo? Quem sabe. Radioatividade espalhada por todo o lado, fazendo de nós versões de nós mesmos com mais braços e pernas? Uma possibilidade.

O mais importante é que a mente humana não para de pensar no pior cenário que crê cada vez com mais força ser uma realidade adiada por pouco tempo. E como a mente é imaginativa. Double Kick Heroes apresenta uma versão de um possível fim já visto e revisto no mundo do cinema e até dos próprios videojogos, mas desta vez aparece ligado ao elemento dos rythm-based games e a um estilo musical que não é comum neste universo... Mistura invulgar.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Será esta obra do Headbang Club digna de uma ovação ou a mistura de estilos tornar-se-á num moshpit incontrolável? Metalheads, venham abanar a cabeça com a música ou com a desilusão…

Bonito apocalipse!

No mundo alternativo de uma América diferente em Double Kick Heroes, o apocalipse zombiechegou inevitavelmente. Os outrora humanos e animais agora sedentos de cérebros perseguem um grupo de desajustados musicais que formam uma banda de música pesada que dá o seu nome ao jogo. As vibrações do jogo remetem imediatamente para uma miscelânea entre Mad Max e The Walking Dead. A forma de acabar com as hordes de inimigos é extremamente original neste título: o Gundillac, o carro que é partilhado por todos os membros desta banda está equipado com diversas armas para destruir quem os persegue, enquanto tocam as notas que lhe permitem disparar. É assim que é introduzido o conceito principal deste jogo rítmico. Na parte inferior do ecrã, vão aparecendo as notas para tocar, que podem ser de diferentes tipos utilizando também diferentes botões, pois essa escolha terá que ser tida em consideração tendo em conta a posição dos inimigos nesta perseguição eterna.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Assim sendo, para além da concentração que é essencial, olhando para as notas que têm de ser tocadas na perfeição, aumentando a potência das armas apresentadas, o jogador tem também que olhar para a parte superior, onde a ação parece acontecer, para poder ter noção de onde vêm os inimigos, escolhendo a arma correta. É muito para assimilar, mas o jogador com alguma experiência no género vai adaptar-se facilmente. Pena que com tanto para fazer e prestar atenção, a própria música acabe por se diluir no foco que o jogo exige, bem como os lindíssimos cenários que mereciam certamente algumas pausas para apreciar esta América do Armagedão.

This slideshow requires JavaScript.

Sinfonia da destruição

Double Kick Heroes é o sonho de qualquer metalhead que se preze. Através de todos os níveis que vamos ultrapassando a bordo do nosso carro aniquilador de zombies, as baterias a rasgar e as guitarras em dedilhares furiosos são uma constante. A biblioteca aqui apresentada é enorme e acaba ainda por se dividir em muitos dos subgéneros da música mais pesada, desde as “rockalhadas” mais tranquilas e apreciadas pelos ouvidos mais experientes, até ao death metal mais abrasivo, cheio de sons guturais.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

É uma verdadeira alegria ver um género musical muitas vezes apelidado de imoral e ligado por vezes a um lado religioso mais alternativo e menos apreciado pelo comum mortal a reinar num jogo deste género. Apesar da dificuldade elevadíssima de Double Kick Heroes, que pode por vezes distrair o jogador de tudo o que se pode ver e ouvir, há modos de jogo que permitem uma experiência menos imersiva, podendo concentrar-se no elemento mais positivo desta obra.

Ninguém disse que ia ser fácil, mas f***-se!

Desde os primórdios dos jogos rítmicos, como, por exemplo, PaRappa the Rapper e Guitar Hero,que a combinação entre toques ou movimentos nos diversos comandos das diferentes plataformas e gerações de consolas que foram albergando estes títulos e a música foram sendo aprimoradas, permitindo que as experiências sejam sempre diferentes e que consigam proporcionar diversão e desafio. Estas duas palavras, estando juntas, conseguem extrair dos jogadores a melhor combinação de usufruto do jogo.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Em Double Kick Heroes, fica complicado manter esta dicotomia. O jogo é extremamente exigente e não perdoa o mínimo erro. Há níveis de dificuldade para todos, sendo possível abordar o jogo com uma velocidade demoníaca, imprópria para cardíacos e pessoal com dedos hesitantes. O nível de dificuldade mais baixo apresenta uma acentuadíssima curva de aprendizagem. O jogo parece por vezes querer concentrar-se em ser difícil de superar somente, o que retira muitas das vezes o seu lado divertido. Talvez os mais competitivos e experientes nesta franja de jogos tenham aqui um novo desafio para superar através de repetições incessantes, mas vai afastar o jogador mais casual que pode pretender apenas apreciar o jogo bela sua beleza estética e auditiva, ambas muito atrativas. Uma pena.

Considerações finais

Double Kick Heroes equipara-se a uma banda cheia de talento, desejosa de mostrar que é capaz de ombrear com outros monstros sagrados do género, mas que talvez tente demais. Com o seu estilo musical completamente fora da caixa do que estamos habituados a ver nestes jogos de ritmo e com a sua arte cheia de sprites de beleza inegável, marca claramente a diferença.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Mas com a sua dificuldade claramente exagerada e um foco tão grande na ação central de carregar nos botões certos, algo que não está claramente otimizado para a consola da Nintendo, tira grandiosidade a este título e acaba por se estranhar mais do que se entranha. Ainda assim, Double Kick Heroes é uma pedrada forte no pequeno charco dos jogos de ritmo baseados na venda de periféricos e onde uma figura de anime é rainha. Double Kick Heroes, I salute you!

nota 3

Clica na imagem para mais informação sobre as nossas classificações

Double Kick Heroes vale pelos seus visuais incríveis e por uma banda sonora que é capaz de transformar qualquer menino de coro num metalhead, se conseguir dar conta dos controlos e da curva de dificuldade muito acentuada.

+ Banda sonora incrível

+ Sprites e animações

+ Muitos modos de jogo

Dificuldade que não perdoa

Controlos pouco adaptados

Já vos falei da dificuldade??

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

N.R.: A análise a Double Kick Heroes foi realizada numa Nintendo Switch com uma cópia do jogo, gentilmente disponibilizada pela PR Hound.

Sem mais artigos