HWAoC 00

Análise Hyrule Warriors: Age of Calamity

Breath of the Wild, lançado no início de 2017, foi um dos jogos mais aguardados e revolucionários que a série The Legend of Zelda alguma vez teve. Além de trazer um mundo aberto no universo de Hyrule, apresentou também uma nova forma de storytelling, com uma história épica que coloca o nosso herói Link 100 anos após uma grande calamidade. O jogador é colocado no mundo sem saber o que se passou mas terá a hipótese de desvendar a história se assim o pretender. Contudo, apesar de ficar explicada a maioria da história, nunca é apresentada de uma forma mais cinemática ou detalhada. Temos então Hyrule Warriors: Age of Calamity com a promessa de nos apresentar essa história com o detalhe e cinematografia merecidos.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Hyrule Warriors: Age of Calamity junta vários elementos de Breath of the Wild com a jogabilidade hack-and-slash da popular série Dynasty Warriors da Koei Tecmo. No entanto, ao contrário do que pode ser assumido pelo nome, o mundo de Age of Calamity não está ligado ao mundo do primeiro Hyrule Warriors, um universo alternativo onde várias personagens da série se juntaram para combater um mal comum. O universo de Age of Calamity é o mesmo de Breath of the Wild, ou pelo menos, estará relacionado. Mas será que Hyrule Warriors conseguirá saciar a curiosidade dos amantes de Breath of the Wild, enquanto aguardam por um Breath of the Wild 2?

A história do passado

O conceito de Hyrule Warriors: Age of Calamity não é algo de novo nas franquias da Nintendo. A primeira iteração de Hyrule Warriors, lançada em 2014, foi o início da experiência apresentando aos jogadores um universo alternativo onde várias personagens de The Legend of Zelda lutam contra enormes quantidades de inimigos, com ataques devastadores e bastante vistosos. Em 2017 foi-nos apresentado o Fire Emblem Warriors, o mesmo conceito mas num outro universo alternativo, desta vez com a franquia de Fire Emblem. Ambos os jogos ocorrem em universos alternativos, nunca associados de forma alguma a qualquer história oficial dessas séries. No entanto, Hyrule Warriors: Age of Calamity segue uma estratégia diferente, pretendendo apresentar aos jogadores os eventos que ocorreram 100 anos antes do início de Breath of the Wild, com algumas alterações que irão dar algum trabalho aos teoristas da linha temporal do mundo de Legend of Zelda. Sem revelar demasiado da história, é claro desde início que existe uma ligeira divergência para o universo original mas, ao que tudo indica, a sua base continua fiel ao mesmo universo.

A aventura começa com a guarda real de Hyrule a defender o reino de um ataque de Bokoblins. Link, controlado pelo jogador, pertence a essa guarda, combatendo uma enorme quantidades de inimigos. Durante o combate os personagens encontram um misterioso guardião, importante para esta história, que irá acompanhar os aventureiros durante a história e irá permitir que estes utilizem as diferentes runas sem a necessidade de um tablet Sheika. Com o decorrer da história, a fim de proteger Hyrule da calamidade, Zelda, Link e Impa terão de procurar campeões que os possam ajudar. Para tal, irão visitar diferentes povos a fim de recrutar os seus aliados: Daruk, o campeão dos Goron, Mipha, a campeã dos Zora, Revali o campeão dos Rito e Urbosa, a campeã dos Gerudo. Com o decorrer das suas aventuras os nossos heróis terão a possibilidade de recrutar outros aliados, alguns deles bastante inesperados.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

A interação com o mundo acontece num terminal numa torre Sheika. Aqui o jogador terá acesso ao mapa de Hyrule onde diversos marcadores vão aparecendo com o desenrolar da história, apresentando não só as missões principais que avançam a história, mas também missões secundárias que consistem em mais combates ou na simples entrega de materiais recolhidos noutros mapas. Os combates geralmente apresentam condições específicas a ser cumpridas, como a obrigatoriedade de usar certos personagens e armas ou vencer um certo número de inimigos num período de tempo. As missões de entrega de materiais funcionam como pontos de desbloqueio que podem permitir a aquisição de melhorias como corações extra ou ataques ou locais úteis como lojas ou postos de treino.

A espada que sela a escuridão!

Age of Calamity é um hack-and-slash baseado na série Dynasty Warriors, o que significa que o jogador pode contar com um elevado número de inimigos que terá de enfrentar nos diversos campos de batalha. Contudo, o facto de ser um hack-and-slash não significa que seja desprovido de algum tipo de estratégia, algo vital para aqueles que decidam aventurar-se nas dificuldades mais elevadas.

Os ataques dividem-se em duas categorias, ataques fracos e ataques fortes. Geralmente, uma combinação baseia-se numa cadeia de ataques fracos terminando num ou dois ataques fortes. Cada uma dessas combinações terá diferentes efeitos, sendo que terão de ser bem combinados para iniciar a cadeia seguinte. Por exemplo, a personagem Impa pode usar uma combinação de um ataque fraco seguido de um forte para pairar no ar a fim de poder atacar o inimigo por cima, com a finalidade de o atordoar e poder seguir com uma combinação mais demorada mas mais poderosa.

Para além das combinações de ataques, cada personagem conta com uma ação especial, que poderá ser algo mais utilitário ou um ataque adicional, e que varia não só com o personagem mas também com a arma equipada. No caso do Link, caso esteja a utilizar a tradicional espada e escudo, a sua ação especial é utilizar o arco para enviar um grupo de inimigos ao ar. No entanto, se a sua arma for um martelo, terá a oportunidade de trocar corações por ataques incrivelmente poderosos. No caso do Revali, a sua ação é entrar em modo de voo, dando-lhe uma vantagem a nível de mobilidade e das combinações que pode fazer. Outros personagens como a Urbosa utilizam a sua ação especial para carregar uma barra de energia que poderá ser utilizada para ataques mais poderosos.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Existem ainda duas ações de combate que os personagens podem utilizar, runas e rods. As runas são as quatro habilidades que conhecemos de Breath of the Wild com diferentes finalidades. As bombas são as mais simples de explicar, explodindo e sendo eficientes para inimigos com escudos. Stasis é a habilidade ideal para paralisar o movimento dos adversários permitindo que sejam atingidos com um conjunto de ataques. Magnesis é eficiente para movimentar objectos metálicos, sejam eles caixas ou mesmo as armas dos oponentes. Finalmente Cryonis permite criar blocos de gelo que podem congelar os oponentes ou servir como uma parede. Cada uma destas runas, apesar de terem a mesma base, apresentam comportamentos diferentes com base nos personagens que as usam, garantindo que cada personagem tem conjuntos diferentes de combinações de ataques únicos. Por exemplo, quando o Link utiliza a runa de bombas, ele arremessa-as em direção aos inimigos, no entanto, no caso da Zelda, ela cria uma bomba gigante que conforme vai andando no mapa vai atirando bombas aleatoriamente por onde passa.

O comportamento das rods já é mais uniforme entre os personagens, existindo em três variações elementares, fogo, gelo e eléctrico. A sua utilização, no entanto, é limitada sendo possível recarregar as rods com materiais recebidos conforme se derrotam personagens específicas. As propriedades elementares de cada uma delas tem efeitos diferentes com base nos elementos de certos inimigos. Utilizando uma rod de fogo num inimigo de gelo vai garantir que este fique num estado mais frágil, dando vantagem ao jogador.

Cada personagem tem também disponível um conjunto de armas que estão de acordo com o seu estilo de combate, sendo o Link um caso especial onde a arma equipada afeta também o seu estilo de luta. Conforme o jogador for desbloqueando o mapa, um dos locais disponíveis permite fundir armas de modo a criar versões mais fortes, seja aumentando o seu poder base, seja pelo facto de conferir às mesmas diversas habilidades que vão desde aumentar o ataque até garantir um maior número de drops. Com o excedente de armas que se vai colecionando ao longo do jogo, é ainda possível fundir as mesmas para criar versões ainda mais fortes das mesmas armas e, em certos casos, adicionar as habilidades extra.

Uma das novas adições a Hyrule Warriors é a possibilidade de controlar cada uma das quatro Divine Beasts. Nesses níveis especiais os jogadores poderão pilotar cada uma delas, tendo à sua disposição um conjunto de ações que permitem atacar e defender assim como libertar um poderoso ataque capaz de derrotar centenas de inimigos de uma só vez. Estes níveis são divertidos pela sua novidade mas podem não agradar a todos os jogadores devido à sua divergência da jogabilidade normal.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Como se fosse o mesmo jogo

A nível de aspecto gráfico, Hyrule Warriors utiliza o mesmo de Breath of the Wild com resultados muito interessantes. Apesar dos jogos serem bastante diferentes a nível de jogabilidade, o facto de terem o mesmo aspecto faz com que às vezes nos esqueçamos que estamos a jogar um título diferente do lançado em 2017. Isso é principalmente notório quando nos encontramos num combate individual. No momento que o jogador que se encontra a combater um Lynnel irá questionar se não terá trocado de jogo sem se aperceber. Além da parte da jogabilidade, o aspecto gráfico faz maravilhas a nível das cutscenes, tornando ainda mais ténue a linha de história que separa este jogo do original.

A nível de áudio, Hyrule Warriors não conta tanto com músicas calmas como as de Breath of the Wild, mas sim músicas cheias de energia que se adaptam ao estilo de jogo. No entanto, todas elas contêm sempre a essência que estamos habituados com os jogos de The Legend of Zelda.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Contudo, apesar de todos os pontos bem executados, Hyrule Warriors: Age of Calamity continua a sofrer dos mesmos problemas de performance que eram notórios nos anteriores jogos do mesmo género. É principalmente notório quanto mais elementos estão presentes no ecrã, seja a quantidade de inimigos ou os efeitos dos ataques especiais. Não sendo algo que estrague a experiência do jogo e durando muito pouco tempo, é algo que poderá não agradar a uma parte dos jogadores mais sensíveis com estes elementos.

Patreon

Considerações Finais

O estilo de jogo de Hyrule Warriors: Age of Calamity é significativamente diferente do de The Legend of Zelda: Breath of the Wild. Contudo, isso não lhe tira o valor que está presente neste jogo, sendo incrivelmente divertido derrotar centenas de inimigos ao mesmo tempo. Pelo caminho, mesmo que ligeiramente divergido, conta-nos mais sobre a história dos personagens cujos espíritos foram acompanhando Link em Breath of the Wild.

O estilo de jogo hack-and-slash pode não ser o predilecto de muitos jogadores, mas a forma como está implementado aqui, para além das muitas horas de diversão, torna-se bastante natural para o universo de Hyrule.

nota 4
Clica na imagem para mais informação sobre as nossas classificações

 

+ Grafismo como Breath of the Wild.

+ Jogabilidade divertida e energética.

+ História bem apresentada.

– Baixa performance ocasional.

– Alguns níveis repetitivos.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

N.R.: A análise a Hyrule Warriors: Age of Calamity foi realizada numa Nintendo Switch com acesso a uma cópia do jogo, gentilmente cedida pela Nintendo Portugal.