O HP Spectre 13 faz-nos sentir diferentes, como se fizessemos parte de uma elite – quase como se fossemos membros de uma família real. A HP quis espantar o mundo com o seu melhor portátil e conseguiu fazê-lo.

Não há como não respeitar o trabalho feito pela HP com este computador. Aqui os pormenores fazem de facto toda a diferença e a empresa fez questão de construir um dispositivo que fosse premium no maior sentido possível da palavra.




Duas semanas de testes com o HP Spectre 13 e estamos também nós rendidos às evidências. Não é o portátil perfeito. Talvez essa máquina nem exista. Mas o Spectre 13 está muito perto desse patamar no que diz respeito ao segmento dos ultrabooks pois não há muito mais que se possa pedir de um dispositivo desta gama.

O aspeto e a qualidade de construção são os elementos em clara evidência nesta máquina. O HP Spectre 13 apresenta-se com uma construção de alumínio em toda a linha – exceto na parte inferior da base que é de fibra de carbono -, tem extremidades de linhas recortadas e vários acabamentos em dourado.

Torna-se difícil não olhar para o portátil e ficar a contemplar o friso dourado no qual estão fixadas as dobradiças do computador. A conjugação da cor dourado com o perfil acastanhado do portátil trazem-lhe um semblante que consegue ser ao mesmo tempo sóbrio, mas bastante luxuoso.

A cor dourado também é aplicada no renovado logótipo da marca tanto na tampa do computador, como no símbolo que surge logo abaixo do ecrã.  Foi ainda aplicada ao rebordo de todas as teclas – quando projetado o efeito de retroiluminação cria-se um jogo de luz muito interessante e visualmente apelativo.

O HP Spectre é um dos portáteis mais finos da atualidade – tem apenas 10,4 milímetros de espessura – e por este motivo consegue ser uma máquina bastante versátil no que diz respeito à sua mobilidade. Coloque-o na mochila e nem vai reparar que lá está: o perfil delgado e o baixo peso fazem do Spectre 13 um portátil de baixo impacto no que diz respeito à sua estrutura.

Em termos de design e ergonomia o maior defeito do portátil é o facto de estar limitado no grau de inclinação. Este é um aspeto que me desagrada pessoalmente pois gosto de usar um ultrabook em qualquer situação, seja sentado no chão, sentado num sofá ou sentado numa secretária.

O facto de o ecrã não poder ser ajustado nos ângulos que mais convém ao utilizador é sempre um problema. Por exemplo, neste aspeto o Elitebook Folio G1 foi muito melhor pensado.

Além da linguagem visual, o segundo aspeto que mais agradou no HP Spectre 13 foi o seu teclado. As teclas ocupam uma boa parte da base do computador, estão bem distribuídas e cada caracter em si é bastante espaçoso. Gostei bastante da resposta tátil que as teclas dão durante a escrita, gostei do som e também da distância de viagem aplicada. Mesmo em situações onde é preciso escrever de forma bastante veloz o Spectre 13 esteve completamente à altura.Análise Review HP Spectre 13Ainda que seja um elemento interessante, já não tenho tantos elogios rasgados para o trackpad. Podia ser mais generoso no tamanho e apesar de a construção em vidro ser excelente para o tato – mais uma vez transmitindo uma sensação premium -, a verdade é que o nível de resposta não é o melhor.

O trackpad não é muito flexível, é rígido e estático. Isto significa, por exemplo, que se der um clique mais ou menos a meio do trackpad, algumas ações não vão ser reconhecidas ou vão ser mal interpretadas. Aconteceu por mais do que uma vez querer carregar no ‘botão esquerdo’ e assumir o ‘direito’, e vice-versa.

Se a HP estiver a ponderar fazer uma nova versão do HP Spectre em 2017 então este é o ponto que precisa de corrigir: é possivelmente o único elemento que não está ao nível das restantes componentes do computador.

Em termos de desempenho nada a apontar. É um portátil com processador Intel Core i7 de sexta-geração (modelo 6500U), 8GB de RAM e 512GB de memória em SSD, o que lhe vai garantir fluidez e rapidez durante as diferentes utilizações que der ao equipamento, incluindo suites de produtividade mais exigentes como o Photoshop.Análise Review HP Spectre 13O HP Spectre 13 não tem um grande poder gráfico, mas isso já se sabe à partida que é algo impossível de concretizar num portátil com estas características de portabilidade. Ainda assim tem os requisitos mínimos para alguns jogos como, por exemplo, Talewind em configurações médias.

Olhando para outras características, o ecrã está muito em linha com os que existem noutros dispositivos premium da HP: são 13 polegadas de boa definição, bons recortes, bons brilhos, tons sem grande saturação, mas ainda assim realistas, tudo numa cobertura reflexiva. Esta cobertura ajuda a dar outro ‘brilho’, mas dependendo do ambiente de luminosidade – por exemplo, se tiver muitas luzes artificiais – então vai acabar por ser bastante reflexivo.

O sistema de som neste computador fica a cargo da Bang & Olufsen, e consegue atingir níveis muito bons de volume sem perder controlo dos agudos. No entanto sente-se claramente a falta de algum corpo neste sistema de som, faltam-lhe graves que ajudariam a tornar mais completa a experiência sonora.

Um outro elemento sobre o qual tinha grande curiosidade era o sistema de arrefecimento hiperbárico. Na prática é um sistema que consegue manter o computador arrefecido graças à pressão interna que é exercida. Não há propriamente uma forma de testar este sistema, mas fiquei surpreendido – pela negativa – pela facilidade com que a ventoinha dispara. É verdade que por ser um dispositivo tão fino há uma maior necessidade de arrefecimento, mas esperava um portátil mais silencioso.

É verdade que o sistema funcionou sempre bem pois manteve o computador arrefecido. Mas também é verdade que este calor dissipado rapidamente passa para as pernas do utilizador se estiver a usar o portátil no colo.

Por fim destacava a inclusão de três portas USB-C no dispositivo, o que lhe garante um nível de conectividade aceitável tendo em conta o seu perfil reduzido e a vontade de algumas marcas em quererem reduzir ao máximo o número de entradas num equipamento – basta olhar para o Macbook da Apple que está limitado a uma única entrada USB-C.

Considerações finais

O HP Spectre 13 não é um portátil como os outros. Está claramente acima da esmagadora maioria das máquinas em termos de perfil, qualidade de construção, estilo e requinte. Só não dizemos já que é o mais belo computador da atualidade pois existem mais dois candidatos a essa posição: o Asus Zenbook 3 e o Acer Swift 7. Tanto o dispositivo da Asus como o da Acer também apostam em argumentos semelhantes: qualidade de construção topo de gama, especificações das melhores que o mercado tem para oferecer e pormenores em dourado.

É uma tendência que os portáteis premium estão a assumir. Não tendo experimentado os outros dois computadores, tenho de lhes dar o benefício da dúvida. Mas quanto a este HP não existem dúvidas: é um autêntico vencedor.

A grande questão, como é habitual, resume-se ao preço. O modelo testado pelo FUTURE BEHIND está disponível no mercado por 1.500 euros. É um valor sempre debatível, sobretudo num mercado como o português. Mas a resposta a essa questão também depende muito de quem pergunta.

Se está à procura da melhor relação qualidade-preço, então este não é o portátil indicado. Existem muitas outras máquinas no mercado, da própria HP e de outras marcas, que conseguem ter características técnicas tão ou mais ambiciosas, sobretudo na componente gráfica, e por um preço semelhante ou até um pouco inferior.




Agora se está à procura de um dos melhores ultrabooks que já foram construídos e daquele que vai de facto afirmá-lo em termos de estilo, então sem dúvida que este é um investimento a considerar. É um dos computadores portáteis mais bonitos já feitos até à data, tem um apelo visual único e consegue ser usado perfeitamente como uma ferramenta de trabalho se desejar rentabilizar ainda mais o investimento.

A HP está de parabéns pelo computador que conseguiu construir. São computadores como o Spectre 13 que fazem o mercado andar para a frente. Mas como já referimos este não é espécime único no segmento premium dentro do universo Windows. Certo é que daqui para a frente mais computadores terão de saber acompanhar estas tendências pois é neste sentido que os consumidores estão a olhar cada vez mais.

Com o HP Spectre 13 a HP quer assumir-se como um líder nesse nicho. Missão cumprida e de forma majestosa.

HP Spectre 13
Aspeto luxuosoTeclado de categoriaEspessura reduzida
Dobradiça limitadaImprecisões do trackpadSom com poucos graves
8.6EM 10
Design e construção10
Ecrã8
Teclado9
Performance9
Autonomia8
Conectividade9
Som7
Votação do Leitor 2 Votos
9.8
Sem mais artigos