Não nos referimos a táxis voadores, a autocarros autónomos e a metros que cumprem religiosamente os seus horários. Quando dizemos que vimos o futuro, queremos dizer que vimos o futuro da interação que os utilizadores vão ter com a vasta rede de mobilidade que existe dentro das grandes cidades. Segundo o plano hoje apresentado em Lisboa pela Via Verde e pela Novabase, muito em breve não precisará de preocupar-se com as viagens, o seu smartphone vai fazê-lo por si.

Na prática a aplicação da Via Verde que existe para dispositivos iOS e Android vai permitir que o utilizador possa utilizar o telemóvel para validar e pagar a viagem, não necessitando de bilhete. Mas a forma como isto está a ser feito é que acrescenta um diferencial tecnológico.




Imagine que é do Porto e vai fazer uma viagem a Lisboa. Não tem um bilhete para o metro, não sabe como funcionam os bilhetes dos autocarros e também não faz qualquer ideia de quais são os preçários destes transportes.

Com esta aplicação basta utilizar os transportes que a aplicação depois fará as contas por si – através da associação à sua conta da Via Verde. Ao entrar num autocarro o sistema vai detetar isso mesmo e vai convidar o utilizador a encostar o smartphone a um módulo de reconhecimento para validar a viagem. Se estiver no metro, então será convidado a encostar o smartphone ao terminal que está localizado nas cancelas de passagem.

Transportes públicos Via Verde Nova Base

Exemplo da utilização da aplicação da Via Verde na Carris. #Crédito: Future Behind

Dependendo do transporte que usar e da forma como o usar, a aplicação depois fará a cobrança aos valores atuais de cada título de transporte. Mas a aplicação da Via Verde tem algoritmos que podem até ajudar a poupar algum dinheiro.

Imaginando que faz cinco viagens de metro num dia, a aplicação vai detetar automaticamente que esse valor é superior ao valor de um bilhete de 24 horas para esse transporte – pelo que acabará por cobrar automaticamente apenas o valor do bilhete diário. Mesmo sem o utilizador necessitar de saber que a possibilidade de bilhete diário existe – se detetar um potencial de poupança, a aplicação vai executá-la.

Este sistema de cobrança inteligente, chamemos-lhe assim, é designado pela Novabase como uma tecnologia de smart-pay-as-you-go.

Atualmente a Via Verde tem 3,3 milhões de clientes nos seus diferentes serviços

Quando estiver nas suas capacidades máximas de utilização, a aplicação vai permitir ainda definir previamente qual o percurso que pretende fazer e vai permitir fazer uma gestão mais alargada das despesas de mobilidade – pode incluir na sua aplicação as despesas dos seus filhos, por exemplo.

Desde setembro que o sistema está a ser testado por um pequeno grupo de pessoas na Fertagus, mas o anúncio de hoje traz também a Carris, Transtejo e o Metro para este ecossistema. De acordo com as previsões da Novabase, o sistema deverá estar disponível no pleno do seu potencial durante o último trimestre do ano.

Transportes públicos Via Verde NovaBase

O sistema tem atualmente 50 utilizadores na fase de testes. Durante a manhã de hoje foi possível experimentar o smartphone como forma de pagamentos na Carris, no Metro e na Transtejo. #Crédito: Future Behind

“No caso da Carris, do Metro e da Transtejo, é a fase seguinte. Vamos com estes três operadores discutir a forma como vamos entrar em testes com os clientes. Não consigo responder ainda quantos vão ser nem como vai ser, porque isso vai fazer parte agora das conversas que vamos ter com estes operadores”, explicou o responsável da Novabase pela implementação deste sistema, Manuel Garcia, em declarações à imprensa no final do evento.

Além do algoritmo que rege o sistema inteligente de pagamentos, há também inovação relacionada com o hardware. Para poder usar a aplicação terá de encostar o smartphone a um leitor próprio que estará junto dos validadores tradicionais de cada meio de transporte.

Esta pequena caixa de hardware utiliza a tecnologia beacon Bluetooth para fazer um reconhecimento do perfil do utilizador. Depois de saber ‘quem’ está a entrar, a caixa comunica com o sistema de abertura de portas – isto no caso do metro e dos transportes fluviais.

“Aquela caixinha que parece simples, tem uma grande sofisticação do ponto de vista da interação com as portas. Portanto, há ali logo dois problemas para resolver: a interação com as gates é diferente de operador para operador; e a comunicação com o telemóvel, algo que ainda estamos a aperfeiçoar, porque esta comunicação parece simples, mas estamos com duas portas que estão com um metro de distância uma da outra”.

“Estamos a transformar o telemóvel num título universal de transporte”, Manuel Garcia, da Novabase

Apesar da implementação do sistema estar ainda a mais de meio ano de distância, a Novabase criou o conceito tendo em mente a ideia de exportação. “Este projeto tem uma ambição maior, Portugal é extremamente interessante porque é um país que pode ser um exemplo para muitas aplicações, para muitos serviços e é a forma como nós olhamos. Mas a lógica é depois internacionalizar esta app, essa é a lógica desta plataforma”, salientou Manuel Garcia.

O porta-voz da Novabase não revelou os valores do investimento que estão relacionados com a implementação deste sistema intermodal de transportes.

Se no caso de Lisboa o conceito reúne por agora o apoio de quatro das principais transportadoras da cidade, a verdade é que a área metropolitana de Lisboa é muito mais abrangente. Um facto que alimenta as ambições da Novabase, como detalhou Manuel Garcia.

“A ideia, permitam-nos a ambição, é que esta seja ‘a’ plataforma de transporte, de mobilidade. A ideia é que todos os operadores venham a aderir. O desafio que temos para connosco é que os operadores sintam que há valor acrescentado. O cliente tem que sentir, pela facilidade e pela simplicidade, e o operador também tem que sentir que isto permite ter inovação junto do cliente e vamos ser realistas, redução dos custos também. Não há bilhetes, não há máquinas de venda de bilhetes, não há dinheiro a ser manipulado, há um conjunto de facilidades também para o lado do operador”.

A prova de conceito apresentada mereceu a aprovação do secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes. “O utente espera que o sistema antecipe as suas necessidades de mobilidade – qual o melhor percurso, o horário, quanto custa. Hoje é um passo importante nesta prova de conceito”, saludou o membro do Governo.

Transportes públicos Via Verde NovaBase

O secretário de Estado adjunto e do ambiente, José Mendes, no evento de apresentação das novas funcionalidades da aplicação da Via Verde. #Crédito: Future Behind

 

José Mendes aproveitou a oportunidade para dizer que é importante o Governo definir uma meta a partir da qual todos os transportes públicos serão descarbonizados – isto é, movidos a energias limpas – e totalmente desmaterializados no que diz respeito à experiência de utilização. O secretário de Estado projetou mesmo um futuro onde “acedemos aos serviços de mobilidade sem termos de andar com moedas no bolso”.

“O Governo está absolutamente disponível para trabalhar num plano para dizer que a partir do ano X isto vai acontecer. E temos toda a obrigação de o fazer”.

Já o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, acredita que esta simplificação na forma como as pessoas interagem com a validação e o pagamento dos títulos de transporte é o começo de um futuro onde a mobilidade estará totalmente integrada. “Creio que a questão da bilhética e dos meios de pagamento pode ser o ponto de partida para a agregação de uma realidade intermodal muito diferente. (…) A grande dificuldade hoje não está na tecnologia, está na dimensão organizacional”, defendeu.