Poucas surpresas na apresentação dos novos iPhone. Os meses de rumores que antecederam o grande lançamento da Apple trouxeram à luz do dia quase todos os pormenores que havia para saber sobre os recém-anunciados iPhone 7 e iPhone 7 Plus. Por esse motivo não houve o momento ‘wow’ que muitos esperam que um dia a marca da maçã volte a trazer. Mas…

A Apple não vai revolucionar com o iPhone 7 da mesma forma que já fez noutras versões do iPhone. Muitas das características que a Apple está a trazer para os seus novos modelos já existem em smartphones rivais. Mas para quem é utilizador da Apple, é inegável que a nova parelha iPhone 7 e iPhone 7 Plus traz uma quantidade significativa de melhorias.

Os iPhone 7 e iPhone 7 Plus ficam disponíveis em pré-venda a 9 de setembro, chegam ao mercado no dia 16 de setembro





A maior diferença de todas está na área da fotografia. A Apple está a equipar os novos iPhone com novas câmaras fotográficas. O iPhone 7 ganha um sensor de 12 megapíxeis que é 60% mais rápido no disparo e processamento de imagens e até 30% mais eficiente. A abertura de f/1.8 permite captar até 50% mais luz, o que irá traduzir-se em imagens com melhor qualidade geral.

A câmara é acompanhada por um estabilizador ótico de imagem, por um novo conjunto de LEDs que constituem o sistema de flash e ainda por um processador de sinal de imagem: este elemento ‘lê’ todas as informações que definem a composição da fotografia e ajusta as definições tendo em vista o melhor disparo.

Mas a maior das novidades está do lado do iPhone 7 Plus. Esta versão do smartphone vem com dois sensores de 12 megapíxeis, mas enquanto o principal funciona em abertura ampla, o secundário funciona como uma objetiva que garante zoom ótico. O zoom ótico vai apenas até x2, sendo que a partir desta distância o zoom passa a ser digital. Ainda assim a tecnológica de Cupertino diz que também há melhorias no processamento de imagem que evitam uma grande perda de qualidade nas fotos de zoom digital.

iPhone 7 iPhone 7 Plus

Duplo sensor fotográfico do iPhone 7 Plus. #Crédito: Apple

Há ainda um outro truque na manga que está reservado para o final de outubro e vai chegar via software e em exclusivo para o iPhone 7 Plus. Graças à combinação de duas câmaras a Apple consegue produzir um efeito de profundidade de campo nas fotografias com grande qualidade – a julgar pelo que foi visto na apresentação.

A técnica de bokeh, que coloca em primeiro plano um elemento completamente focado perante um fundo desfocado, mas com qualidade, será feita digitalmente e poderá ser vista em ação em tempo real – isto é, ao contrário das DSLR não será necessário disparar para ver o efeito, o iPhone vai aplicá-lo diretamente no ecrã enquanto capta a foto.

Esta utilização acaba por ser bastante diferente daquela que já é utilizada pela Huawei nos smartphones P9 e P9 Plus e também pela LG nos modelos G5 e V20.

Jet Black é o novo preto

iPhone 7 iPhone 7 Plus

A Apple está a apostar tudo no preto brilhante. De tal forma que é difícil perceber no site da empresa qual o verdadeiro aspeto do equipamento. #Crédito: Apple

A Apple não podia deixar de imprimir algumas alterações visuais nos seus iPhone 7 e iPhone 7 Plus, mas de facto não existem diferenças abismais para os modelos anteriores do smartphone.

O design está mais refinado no sentido em que elementos como as linhas da antena estão agora integradas na lateral do equipamento. Continuam a ser produzidos em alumínio, mas parece haver agora um linguagem mais coesa entre a parte metálica e o vidro que ocupa a parte frontal – comunicam melhor entre si.

O botão Home foi redesenhado – agora não é mecânico, é uma versão estática que responde tatilmente através de vibração

Os novos smartphones vão estar disponíveis em prateado, dourado, dourado rosa, preto e… preto Jet Black. Em português será chamado de preto brilhante. Esta é uma nova adição que a Apple faz à linha do iPhone pois não só confere uma cor diferente ao equipamento, como lhe dá um acabamento que é distinto do dos restantes iPhone, muito mais brilhante diga-se.

O iPhone Jet Black acaba por posicionar-se como o elemento premium dentro da família já que só será possível comprá-lo na versões de 128GB e 256GB – a Apple decidiu duplicar as capacidades de armazenamento dos seus smartphones e que agora começam, finalmente, nos 32GB.

iPhone 7 iPhone 7 PlusOutra grande diferença a assinalar é o facto de a Apple ter construído os novos iPhone para serem resistentes ao pó e à água. A concorrência há muito que permite que os utilizadores possam usar os smartphones debaixo de chuva ou até lavá-los numa torneira, mas é a tal questão: para o mercado em geral é uma característica que não faz grande diferença, para quem segue os produtos Apple é uma adição valiosa.

Outro exemplo dentro do mesmo estilo: duas colunas na parte frontal dos novos iPhone.

Quebrar com as tradições

Muito se discutiu nos últimos dias sobre os prós e os contras de eliminar a entrada de áudio de 3,5 milímetros dos smartphones. A Apple ainda tentou justificar, dizendo por exemplo que todos os restantes componentes do smartphone estão a ganhar espaço e que por isso é preciso cortar ‘gorduras’ noutros sítios, mas tal como o diretor de marketing, Phil Schiller, disse durante a apresentação, o principal motivo é claro: avançar.

Não que não estejamos bem servidos com a entrada de áudio de 3,5 milímetros. Ma a Apple decidiu que simplesmente queria fazer algo novo, algo que, nas palavras da empresa, vai servir melhor os consumidores. Quem arrisca pode ou não petiscar. Mas para garantir uma transição suave a tecnológica de Cupertino vai incluir um adaptador de cabo Lightning para cabo áudio de 3,5 milímetros.

E por este motivo é quase como se nada mudasse. Se quiser pode ser vanguardista e adotar a nova solução da Apple. Se não quiser poderá usar os auriculares e auscultadores de sempre. Se os fabricantes rivais responderem no mesmo sentido estarão a dar razão à Apple. Se não o fizerem estarão a deixá-la relativamente isolada. Não é algo que seja impactante a curto prazo, mas a gigante norte-americana deixou bem claro que esta mudança vai ajudar a concretizar outras visões a longo prazo.

iPhone 7 iPhone 7 Plus

Os novos iPhone 7 e iPhone 7 Plus trazem ainda um ecrã com uma maior paleta de cores, são 25% mais brilhantes e continuam a ter tecnologia Force Touch. #Crédito: Apple

Mais performance

Como não podia deixar de ser há melhorias no comportamento geral do smartphone. Os novos equipamentos vêm equipados com um processador que foi batizado de A10 Fusion. São chips de quatro núcleos, núcleos estes que estão divididos em pares de núcleos.

Um par é o mais poderoso e é o que vai gerir todas as tarefas ‘pesadas’ do smartphone. O outro par é mais eficiente do ponto de vista energético e está responsável por gerir as tarefas mais básicas. No geral a Apple diz que os novos iPhone são 40% mais rápidos do que a versão anterior e 25% mais eficientes.

A unidade gráfica também sofreu uma melhoria e são esperados desempenhos 50% superiores aos dos iPhone revelados em 2015. Deverá ser suficiente para executar o novo Super Mario Run como ‘manteiga’.

One more thing

Perante o que a Apple apresentou é arrojado dizer que o iPhone é o smartphone mais avançado do mundo, tal como foi dito muitas vezes durante a apresentação. Muitas das características que foram anunciadas já os seus ‘compatriotas’ Android têm há largos meses. A câmara fotográfica é o verdadeiro elemento em destaque, mas não se pode dizer que os Android estejam mal nesse campo, bem pelo contrário.

A questão é que nos dias anteriores ao anúncio, o iPhone 7 parecia estar condenado à partida na opinião pública. Ia trazer poucos elementos novos, não ia entusiasmar. A questão do entusiasmo depende apenas das escolhas pessoais de cada consumidor e certamente haverá quem tenha ficado contente e quem comece agora a procurar uma alternativa os novos iPhone.

Mas poucos elementos novos é algo que os novos iPhone não trazem. São várias – e significativas, acima de tudo – as diferenças para os modelos anteriores. São os novos iPhone 7 e iPhone 7 Plus, bem ao estilo da Apple.