As primeiras análises dos iPhone 8 e iPhone 8 Plus já estão disponíveis e o iPhone X continua a dominar por completo a atenção mediática – seja pela questão do preço, seja pelo debate relativamente à opção de design de colocar a câmara TrueDepth a meio do ecrã na parte superior.

Com estes três equipamentos a Apple tem claramente duas gerações distintas de smartphones: a do iPhone 8, que parece estar a entrar na sua fase final; e a do iPhone X, a visão que a marca da maçã tem para o futuro dos smartphones.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Apesar de pertencerem a categorias de produtos diferentes, a verdade é que o rumo que o iPhone tomou nos últimos anos acabou por influenciar de forma muito significativa o rumo que o iPad seguiu. A grande questão que se coloca neste momento é: depois da apresentação do iPhone X, o que reserva a Apple para o iPad?

Um histórico de partilhas

Algumas das características e funcionalidades que mais se destacaram no iPhone acabaram por num curto espaço de tempo talhar o seu caminho até ao iPad. Ao longo das várias gerações dos equipamentos regista-se um histórico de partilhas tecnológicas consideráveis.

Um exemplo é a tecnologia Touch ID, aquela que trouxe um leitor de impressões digitais para os dispositivos Apple. Em setembro de 2013 a tecnológica de Cupertino estreou o Touch ID no iPhone 5s, tecnologia que seria depois implementada no iPad Air 2 em outubro de 2014.

A Siri é outro bom exemplo desta evolução. Em outubro de 2011 a assistente digital era apresentada pela primeira vez como parte integrante do iPhone 4s, mas não foram precisos muitos meses até que a Apple decidisse levar a Siri até ao iPad. O anúncio aconteceu em junho de 2012, na altura como uma nova funcionalidade do iOS para o tablet.

Também o famoso ecrã Retina Display começou por fazer carreira no iPhone 4 em 2010, tendo depois sido implementado no iPad em março de 2012. O conector Lightning fez um percurso semelhante, mas em datas distintas: em setembro de 2012 era apresentado no iPhone, um mês depois era apresentado no iPad de 4ª geração.

Também é verdade que algumas das grandes alterações que a Apple executou no seu smartphone não chegaram ainda ao iPad. Uma das mais gritantes é a entrada de áudio de 3,5 milímetros – como já vimos aqui, aqui e aqui, desapareceu do smartphone, mas ainda está bem viva no iPad.

Há depois outros grandes lançamentos da Apple que estão mais associados a software e não tanto a hardware, significando isso que a estreia é feita ao mesmo tempo no iPhone e no iPad. É o caso das experiências de realidade aumentada possibilitadas pelo ARKit e que esta semana começaram a ‘invadir’ a App Store dos dois equipamentos.

Qual o futuro do iPad?

Com o iPhone X a Apple quis definir aquela que será a sua próxima década no campo dos smartphones. No décimo aniversário do telemóvel, a gigante de Cupertino operou a maior transformação de sempre ao iPhone desde que o modelo original foi apresentado em 2007.

Para isto contribui muito a escolha de um ecrã edge-to-edge, um painel que ocupa quase toda a parte frontal do iPhone X, fazendo inclusive com que a Apple deixasse de lado o já tão famoso Touch ID. Para compensar a falta do Touch ID a marca da maçã desenvolveu a câmara TrueDepth, um módulo composto por vários sensores de imagem e que conseguem reconhecer a cara do utilizador, usando o reconhecimento facial como principal método de autenticação.

Estas são, em linhas curtas, as duas grandes novidades do iPhone X. Vão estas novidades chegar ao iPad? Talvez sim, talvez não.

Leia também | iPhone 8 ou iPhone X: Qual é o mais indicado para si?

Em primeiro lugar a Apple fez as alterações que fez ao iPhone por estar muito pressionada pela qualidade dos dispositivos da concorrência – Samsung Galaxy S8, LG G6, OnePlus 5, – e por este ano coincidir com o décimo aniversário do equipamento. Ora, o décimo aniversário do iPad só acontece em 2020 e o mercado dos tablets é um no qual a Apple tem reinado desde o primeiro dia.

Nenhuma empresa arriscou até agora desenvolver um tablet que tivesse um ecrã edge-to-edge, muito provavelmente porque o tamanho já generoso dos ecrãs nos tablets não crie essa necessidade e esse desejo nos consumidores. A evolução tecnológica dos últimos anos permitiu à Apple colocar um ecrã de 10,5 polegadas onde até aqui só existiam 9,7 polegadas – a diferença pode parecer mínima, mas na prática resulta num ecrã 20% maior.

Além disso, quanto maior é o ecrã, mais caro se torna o equipamento. Os iPad Pro já não são propriamente baratos tendo em conta que são tablets – poderosos, é verdade, mas não deixam de ser tablets e com todas as limitações que lhes estão associadas. A Apple já está a sofrer na pele fortes críticas por ter colocado o preço de entrada do iPhone X nos mil euros, se fizesse o mesmo para o iPad o resultado poderia ser semelhante.

Leia também | Análise Surface Pro: Incoerência genial

Se perante estes pontos de análise parece improvável que a Apple coloque um ecrã edge-to-edge no iPad, poderá pelo menos tentar elevar a fasquia no que diz respeito à qualidade. Num tablet um ecrã OLED Super Retina Display com suporte para conteúdos HDR podia fazer todo o sentido, mesmo sabendo que a qualidade atual de ecrã dos iPad já é muito boa.

Então e a câmara TrueDepth, poderá ser essa a próxima grande funcionalidade a migrar do iPhone para o iPad? Sim, pode ser. Há espaço de manobra suficiente num tablet para acomodar melhor o sensor TrueDepth do que num smartphone e poderá ser uma forma de a Apple imprimir alguma inovação a um equipamento que tem assistido acima de tudo a melhorias de desempenho em processamento e performance gráfica.

A câmara TrueDepth significaria que um futuro iPad ficaria equipado com tecnologia de reconhecimento facial, Animoji e ainda com uma câmara que permite captar selfies com profundidade de campo. Num tablet a câmara frontal acaba por ser tão importante como a câmara traseira, sobretudo para efeitos de videoconferência e outras plataformas sociais. Resumindo, não parecem existir grandes entraves para que o TrueDepth chegue às gerações futuras do iPad.

Há depois outras características novas no iPhone que podem ou não fazer muito sentido num iPad. O carregamento wireless, por exemplo, obrigaria a produzir o iPad com uma traseira em vidro, algo que nunca aconteceu na história do equipamento e que provavelmente o tornaria bastante pesado.

Deve a próxima geração do iPad ter um processador da família Bionic, integrando funcionalidades de inteligência artificial e machine learning? Mal não lhe faria e até poderia elevar as capacidades do tablet – mas sabemos que no iPhone essas características estão acima de tudo reservadas para a área da fotografia, uma que não brilha muito nos tablets. Não é no entanto uma evolução a descartar por completo no próximo iPad.

Voltando à questão inicial: o que vai a Apple fazer ao iPad? Provavelmente o mesmo que tem feito até aqui – imprimir algumas melhorias no tablet, algumas delas inspiradas nas novidades do mais recente iPhone. Vai o iPad transformar-se num iPhone X gigante? Isso já parece menos provável.

Sem mais artigos