O Apple Watch está diferente: não por fora, por dentro

Foi chegar, ver e vencer. O Apple Watch não teve o impacto que o iPhone e o iPad tiveram nos seus respetivos segmentos. Mas isso não significa que a aposta nos wearables esteja a correr mal à Apple. Os números parecem revelar justamente o contrário.

De acordo com o diretor executivo da empresa, Tim Cook, em 2015 só uma marca faturou mais na venda de relógios do que a Apple: a icónica Rolex. E quando a análise recai apenas sobre o segmento dos relógios inteligentes, então nesse campo a Apple é a número um em vendas.



Mas durante a apresentação de hoje ficou mais claro o que a Apple pretende atingir com o seu Watch: houve um menor foco na parte estética para haver um maior foco em novidades práticas. Ou seja, o Apple Watch está a posicionar-se cada vez mais com um equipamento de saúde e não tanto como um relógio premium.

São várias as pistas que apontam neste sentido. A primeira é o facto de o design do Apple Watch não ter sido alterado nesta segunda versão, que está a ser apelidada de Series 2. A segunda pista é o facto de o Apple Watch Edition – aquele de ouro que chegava a custar 19 mil euros – já não estar disponível.

Agora o mais ‘luxuoso’ que os utilizadores vão conseguir é uma versão do Apple Watch construída em cerâmica, que de acordo com a tecnológica norte-americana, consegue ser quatro vezes mais resistente do que a versão em aço inoxidável.

O preço do Apple Watch Edition agora começa nos 1.479 euros

Apple Watch Series 2Depois as restantes pistas vêm do sentido evolutivo do relógio. As novas versões do Apple Watch são resistentes à água – não apenas a salpicos, é mesmo possível ir nadar com o relógio. A marca da maçã desenvolveu inclusive um algoritmo que permite ao relógio monitorizar de forma precisa o número de piscinas feitas e as calorias perdidas durante a prática da natação. A resistência à água é ainda traduzida na possibilidade de submergir o relógio até 50 metros de profundidade.

O Apple Watch Series 2 destaca-se também pelo facto de ter um módulo GPS. Isto permite que o utilizador vá correr sem necessitar de levar o smartphone para saber o percurso que foi feito. Esta funcionalidade vai permitir explorar outras atividades físicas de forma mais precisa e independente, como a escalada.

apple-watch-nikeO Apple Watch Nike+ começa nos 449 euros

O quarto elemento que mostra que o Apple Watch é agora um wearable companheiro para a vida saudável é o facto de a Apple ter anunciado uma versão especial desenvolvida em parceria com a Nike. O relógio é semelhante no design, mas difere no aspeto geral e nos materiais de construção.

Por fim e não menos importante, o facto de tanto Tim Cook como Jeff Williams, diretor de operações da Apple, terem dito mais do que uma vez que o Apple Watch é o companheiro ideal para um estilo de vida mais ativo e saudável.

Não deixa de ser interessante que a Apple tenha tomado um sentido justamente oposto ao de outras tecnológicas no campo dos smartwatches: tanto a Samsung como a Asus, por exemplo, deram um grande ênfase à componente visual dos seus relógios inteligentes.

Uma outra novidade mais ‘agnóstica’ é o processador de dois núcleos que tanto vai ser incluído no Apple Watch Series 2, como nos Apple Watch originais vendidos daqui para a frente – a versão de 2015 passa a designar-se como Apple Watch Series 1.

Há ainda a registar melhorias gráficas – que permitem executar algumas aplicações a uma taxa de atualização de 60 frames por segundo – e um ecrã mais brilhante, conseguindo atingir os 1.000 NITS de luminosidade.

À semelhança dos novos iPhone 7 e iPhone 7 Plus, os novos Apple Watch Series 2 ficam disponíveis para reserva já a 9 de setembro, com a sua comercialização em loja a estar prevista para o dia 16 de setembro.