O ano em pesquisas, um ranking que a Google elabora todos os anos, é interessante pois dá-nos indicações daquilo que despertou o interesse das pessoas durante o ano. Quando queremos saber algo mais sobre um determinado produto, serviço ou tema, recorremos aos motores de busca. Não é um espelho 100% representativo, mas dá-nos um contexto diferente.

Não é com surpresa que vemos o Euro 2016 no topo das pesquisas realizadas em Portugal – além de ter sido um dos eventos desportivos do ano, a seleção portuguesa de futebol teve uma caminhada duradoura e vitoriosa. Maria Leal como personalidade mais pesquisada? Também não espanta tendo em conta que foi o vídeo do ano em Portugal.




Por outro lado há elementos que acabam por ser uma surpresa, como o facto de haver um grande número de portugueses que quer saber “Como ser motorista Uber em Portugal”. Ou melhor, será que é mesmo uma surpresa tendo em conta a exposição que a plataforma teve devido aos protestos dos taxistas?

Mas dentro dos resultados de pesquisa do Google obtidos em Portugal, há uma secção que nos diz especial respeito: gadgets. Estes foram os gadgets mais pesquisados em Portugal durante o ano de 2016.


Conclusão número um? Os portugueses ainda estão acima de tudo interessados em smartphones. Este não é um choque pois acaba por ser a tendência global – nas pesquisas de todo o mundo o único gadget que integrou o top e não era um smartphone foi a consola Nintendo Switch.

Entre os dez gadgets mais pesquisados do ano em Portugal, as atenções são dominadas pelos telefones inteligentes. Não há lugar para um computador, para um relógio inteligente, nem para uma consola.

Comparando os resultados portugueses com os resultados do Reino Unido, por exemplo, nota-se que os britânicos têm uma curiosidade mais abrangente.


Seria interessante comparar os hábitos de pesquisa dos portugueses sobretudo com os de outros países da Europa do Sul, mas o ranking dos gadgets não aparece em todas as listas nacionais elaboradas pela Google.

Passemos para a conclusão número 2: o iPhone continua a ser o rei das pesquisas em Portugal. O que acontece pelo terceiro ano consecutivo. Em 2014 o iPhone 6 liderou a pesquisa da categoria de gadgets, em 2015 foi o iPhone 6s e em 2016 foi o iPhone 7.

Ou seja, quase dez anos depois do lançamento original e apesar de haver concorrentes igualmente bons ou até melhores do que o iPhone, continua a ser o dispositivo da Apple aquele que mexe mais com a curiosidade e interesse dos consumidores.

A Samsung que em 2014 e 2015 tinha conseguido segurar a segunda posição com os seus topos de gama – Galaxy S5 e Galaxy S6, respetivamente -, este ano não conseguiu chegar sequer ao top 3. O Samsung Galaxy S7, o líder da ‘matilha’ da Samsung, surge apenas na quarta posição das pesquisas.

O segundo e terceiro posto foram tomados por dois equipamentos da Huawei: P8 Lite e P9. A forte aposta que a tecnológica chinesa tem feito no segmento mobile está a ter resultados práticos em vários mercados – é a terceira maior vendedora a nível mundial -, com Portugal a ser um dos países onde o interesse pelos equipamentos da Huawei tem aumentado.

No ano passado a Huawei só tinha conseguido colocar um smartphone na lista, o Huawei P8 Lite, e ocupava a terceira posição.

Este acaba por ser outro detalhe interessante: o Huawei P8 Lite consegue figurar no top 3 das pesquisas feitas pelos portugueses na categoria de gadgets em dois anos consecutivos. Algo que nem os próprios modelos do iPhone conseguiram ter.

Há outros elementos que se destacam nesta análise: a LG consegue garantir uma posição nos gadgets mais pesquisados nos últimos três anos graças à sua linha topo de gama. Em 2014 o LG G3 surgiu na quarta posição, em 2015 o LG G4 surgiu na nona posição e em 2016 o LG G5 surge na sexta.

Ainda na análise a 2016, nomeação de honra para o Google Pixel que mesmo sendo apresentado no final de outubro e não estando à venda em Portugal, consegue ficar no nono lugar das pesquisas.

Outra surpresa é o Samsung Galaxy Note 7. O smartphone da tecnológica sul-coreana – a mais representada neste top, com três entradas – surge no décimo lugar, algo que podemos considerar como discreto tendo em conta que preparava-se para ser um dos melhores smartphones do ano e que acabou por ser um dos maiores flops dos últimos anos.

O caso dos Galaxy Note 7 defeituosos gerou uma grande parte das pesquisas, mas não parece ter levado os utilizadores constantemente ao Google.

A lista de 2016 apresenta ainda dois ‘outsiders’: o OnePlus 3 e o Vodafone Smart Ultra 6. O que é que isto nos diz? Que os utilizadores portugueses procuram equipamentos com uma boa relação qualidade-preço, mesmo que isso implique olhar para marcas de smartphones além dos típicos nomes grandes.

No final não podemos deixar de indicar um segmento que nos parece ‘derrotado’: o do gaming. Num ano que ficou marcado por grandes anúncios e lançamentos – PlayStation 4 Pro, Xbox One S, Project Scorpio, Nintendo Classic Mini, Nintendo Switch, PlayStation VR, HTC Vive, Oculus Rift -, falta claramente um representante do gaming nos tops de pesquisas feitas em Portugal.

Sem mais artigos