Quem conhece George Hotz, conhece-o das suas vidas passadas: foi a primeira pessoa a fazer publicamente um jailbreak ao iPhone e também foi a pessoa responsável por permitir jogos pirateados na PlayStation 3, o que deixou a Sony perto de um ataque de nervos. O polémico e efusivo hacker norte-americano ainda não perdeu o jeito, simplesmente tem outras prioridades.

“Queremos ser o Android dos carros autonómos”.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

É assim que George Hotz descreve a missão da sua empresa, a Comma.ai. Criada no final de 2015 a partir da garagem de sua casa, ao bom estilo de Silicon Valley, a startup pretende desenvolver um sistema de condução autónoma através de uma plataforma aberta e colaborativa.

Desde o primeiro momento que as ambições da Comma.ai são gigantes – muito por influência da sempre inesgotável ambição do seu fundador. O primeiro grande objetivo da Comma.ai era conseguir colocar no mercado um equipamento que custava mil dólares e que quando ligado a determinados carros, tornava-os em veículos autónomos.

O projeto estava a correr bem, até ao momento em que as autoridades norte-americanas entraram em ação: através de uma carta na qual ameaçava a Comma.ai, o regulador para a segurança rodoviária conseguiu de certa forma assustar a empresa e os planos de Hotz.

Muitos meios de comunicação disseram que o projeto de desenvolver um kit de condução autónoma estava cancelado. “Isso são notícias falsas”, disse George Hotz durante uma breve passagem por Lisboa, durante o Web Summit, a propósito do tema.

George Hotz Comma.ai

“Não podes programar as regras da condução, conduzir é como uma dança. Tens de olhar para a condução, tens de olhar para milhares de quilómetros de condução”, disse sobre a forma como deve ser abordada a questão dos veículos autónomos.

Até ao momento a Comma.ai já angariou informação de 3,41 milhões de quilómetros percorridos por pessoas que usam o software open source para registar os seus métodos de condução. O número que por si só já é impressionante, ganha outra escala sobretudo quando comparado com aquilo que já foi feito por aquelas que são as grandes rivais da Comma.ai.

Neste momento há três nomes a ter em consideração relativamente aos veículos autónomos: a Uber, cujos veículos autónomos já angariaram dados de um milhão de quilómetros de viagens; a Waymo, cujos veículos já conduziram 5,5 milhões de quilómetros em estradas públicas e quatro mil milhões de quilómetros em estradas virtuais; e a Tesla, que através dos seus carros elétricos equipados com Autopilot já absorveu a 1,3 mil milhões de quilómetros de informação.

O facto de a Tesla ser um fabricante automóvel no sentido mais tradicional da palavra ajuda: neste momento existem milhares de Tesla que mesmo não sendo conduzidos ‘sem mãos’, têm sensores que estão a recolher informação preciosa. A Waymo e a Uber dependem de um número muito menor de veículos conseguidos em parceria com a Chrysler e com a Volvo, respetivamente, enquanto a Comma.ai nem parceria para veículos tem.

De que forma é que a empresa de George Hotz pretende ganhar esta guerra que à partida é tão desequilibrada? Usando um sistema de colaboração semelhante àquele que já é aplicado pela Waze e que tornou tão popular a sua ferramenta de geolocalização.

A construção de um ecossistema

O primeiro passo da Comma.ai foi lançar uma aplicação para dispositivos móveis chamada Chffr, que na prática utiliza os sensores de imagem dos smartphones para fazer a captação de imagens relativas à condução.

Esta informação está a ser utilizada no desenvolvimento do OpenPilot, o grande projeto da Comma.ai. Esta é uma plataforma de código aberto que dá aos veículos funcionalidades de assistência de condução e de assistência de trajetória, algo que neste momento faz com que vários veículos possam ter um comportamento semelhante ao de um Tesla no modo Autopilot.

Mas é o lado aberto da plataforma que diferencia a estratégia da Comma.ai da estratégia da Tesla. Algo que George Hotz pretende deixar bem explícito.

“O Autopilot da Tesla é como o iOS, tudo está integrado. A Comma.ai é como o Android dos carros”, disse para depois dar umas bicadas aos fabricantes mais tradicionais de automóveis. “A Tesla percebe o software, a General Motors não. (…) Não seria bom se o vosso carro tivesse software novo todos os meses? É por isso que nós vamos ganhar: eles [fabricantes tradicionais] não atualizam, eles não percebem o software”, disse perante uma plateia de centenas de pessoas.

George Hotz Comma.ai

Hotz deu os exemplos da Nokia e da BlackBerry como o de duas marcas que pareciam inquebráveis no segmento dos telemóveis e que entretanto quase desapareceram. “Abaixo a Ford, abaixo a Mercedes, olhem para a Kia e para a Hyundai a crescerem”, alertou.

O facto de não ter veículos próprios como a Tesla é de facto uma grande desvantagem na recolha de dados – pelo menos nesta fase inicial. A médio e longo termo, a estratégia seguida pela Comma.ai pode revelar-se mais eficaz na acumulação de dados – enquanto a Tesla apenas consegue vender um número limitado de veículos, o software da Comma.ai poderá ser usado por todos os que tiverem um smartphone e estejam disponíveis para participar no seu programa.

Quantos mais dados o OpenPilot tiver, mais inteligente o OpenPilot será. “Sempre que os utilizadores corrigem o carro, estão a ensinar o sistema de condução. Estamos a usar tecnologias de machine learning topo de gama”, disse o hacker norte-americano a propósito do seu projeto.

“Três milhões e meio de quilómetros são anos e anos de condução. Depois não é só os dados da condução, é os erros que são cometidos”, acrescentou.

George Hotz deu importância a esta questão dos erros, pois são estes que ajudam a afinar o sistema de inteligência artificial. Se os carros apenas conduzissem nas mesmas estradas e sob as mesmas condições, então a evolução da aprendizagem seria quase nula. Cada erro cometido é uma oportunidade para mostrar ao sistema aquilo que não deve ser feito, o que por sua vez faz com que a máquina perceba melhor o que deve ser feito e em que circunstâncias.

George Hotz percebeu no entanto que o hardware é uma parte fundamental do seu projeto a médio prazo. Como construir carros está fora de questão, então a Comma.ai decidiu construir alguns gadgets que vão ajudar nesta missão de acumulação de dados.

Um destes gadgets chama-se Panda e é um interface universal para carros, ou seja, ajudam o interface do carro a comunicar com outros interfaces tecnológicos, seja por via USB ou através de Wi-Fi. O Panda foi desenhado para emparelhar com a aplicação Chffr, com o objetivo de recolher mais informações e dados mais precisos sobre os hábitos de condução de cada um. “Pensem nisto como um Fitbit todo janota para o vosso carro”.

Cada unidade do Panda custa cem dólares e a Comma.ai já vendeu dois mil kits, sendo que outros dez mil vão estar disponíveis para venda no curto prazo.

Para quem tiver outras possibilidades de investimento, então o mais recente projeto da Comma.ai, o EON, pode ser a escolha mais indicada. Custa 700 dólares e funciona como um faz-tudo: vem equipado com a aplicação Chffr na sua versão Plus, funciona como uma câmara de bordo e também como um sistema de infoentretenimento, estando instaladas de origem aplicações como o Spotify e o Waze.

George Hotz Comma.ai

O fundador da Comma.ai mostra o mais recente produto da empresa, o EON.

“É um smartphone numa caixa”, disse George Hotz relativamente ao EON. Para sermos mais rigorosos, é um OnePlus 3T numa caixa. Além de ser uma solução mais completa, tem a vantagem de funcionar também como um kit de desenvolvimento, pelo que quem tiver conhecimentos de programação poderá tentar fazer uma ligação direta entre o sistema e o seu veículo.

“Suportamos seis dos dez carros mais populares nos EUA. Também há projetos em código aberto para veículos Tesla e da Chevrolet”, afirmou o empreendedor norte-americano quando esteve em Lisboa. “Este sistema é real”, disse mais tarde, aconselhando os mais descrentes a pesquisarem por vídeos que estão a ser carregados no YouTube por utilizadores da Comma.ai de diferentes partes do mundo.

Atualmente 90% dos participantes do programa da Comma.ai vivem nos EUA ou no Canadá, estando os outros 10% espalhados pelo resto do mundo. “Temos alguns utilizadores na Europa”, adiantou.

“Todos os utilizadores estão a usar uma tecnologia que nos vai ensinar a conduzir melhor. (…) Se estás contente com o cruise control, nem sequer entendes o que é possível”.

O desafio técnico

George Hotz está no tema da condução autónoma de corpo e alma. Isso é um indicador positivo, pois ‘geohot’, como é conhecido no mundo da internet, tem fama de ser intenso e de certa forma genial nos projetos nos quais se envolve.

A grande questão que muitos colocam é: como é que um hacker que gostava de crackar gadgets que pareciam inacessíveis acaba a tentar concorrer com três das maiores empresas da atualidade?

“Não tenho a certeza do que querem os fabricantes. Eu quero ganhar, quero resolver este problema, os carros autónomos são dos puzzles mais porreiros da atualidade e quero resolvê-lo”, disse na sua passagem por Portugal.

Nos 20 minutos que esteve em palco durante o Web Summit, George Hotz cumpriu o seu papel: mostrou o produto, prometeu um futuro melhor e deixou o público a sonhar com aquele cenário. Mas pelo meio também teve duas ou três tiradas comerciais, lembrando a audiência que os seus produtos estavam disponíveis para venda.

Pelo perfil que já demonstrou noutras ocasiões – os sistemas que crackou não foi pelo dinheiro, mas de certa forma pela fama; deixou um emprego na Google para controlar o seu próprio futuro -, ‘geohot’ não parece estar nesta luta simplesmente pelo dinheiro. Sim, claro que a empresa que se transformar no Android dos carros autónomos vai tornar-se extremamente valiosa e o norte-americano não nega essa faceta. Ainda assim, parece ser acima de tudo o desafio tecnológico aquilo que faz George Hotz nadar no meio dos tubarões.“É poderoso resolver este problema”, considerou.

Depois, qual pai babado, mostrou-se completamente entusiasmado por ver que o seu projeto já está a ser aplicado a carros que a Comma.ai nem sequer suporta oficialmente. “Pegaram no OpenPilot e conseguiram aplicar aos seus próprios carros não suportados”.

Provavelmente o momento mais emocional aconteceu depois de reproduzir um vídeo no qual mostrava o potencial do OpenPilot em ação nas estradas. No final a plateia deu um grande aplauso e George Hotz esboçou durante centésimos de segundo um sorriso ao estilo ‘eu sei, é fixe não é?’.

E não deixa de ser curioso que foi em Lisboa que George Hotz fez uma das suas proclamações mais audazes de sempre: “Nós vamos ganhar os carros autónomos!”. Conseguirá concretizar a sua visão?

Banner Patreon Future Behind

Sem mais artigos