Os HTC Vive são neste momento um dos equipamentos topo de gama no segmento de realidade virtual: pela qualidade do equipamento em si, por ser o único que desde o início permite experiências de larga escala e por ter um dos mais fortes ecossistemas de conteúdos VR.

Nos últimos dois meses assistimos a uma tendência nos equipamentos de realidade virtual. Foram apresentadas várias propostas de dispositivos unthetered, isto é, que não precisam de estar ligados por fios a equipamentos externos.




Snapdragon, Alcatel, Intel e até a própria Oculus – todos apresentaram uma proposta de óculos de realidade virtual independentes e sem fios.

A HTC ainda não se juntou a este grupo, mas anunciou uma solução temporária interessante: a partir do próximo ano será possível utilizar os HTC Vive sem que óculos estejam ligados a um computador através de fios.

Isso é possível graças ao periférico TPCAST. O equipamento é colocado nos óculos de realidade virtual e faz uma transmissão de imagem a partir do computador sem que exista uma perda de performance e de latência.

Este periférico não está a ser desenvolvido diretamente pela HTC, mas por uma empresa que tem o mesmo nome do kit de atualização, a TPCAST. A empresa faz parte da incubadora de startups de realidade virtual que é suportada pela HTC.

O acessório já foi colocado em pré-venda e a primeira ‘fornada’ esgotou, com a HTC a dizer à publicação Upload VR que uma segunda janela de pré-venda estará disponível no próximo mês.

O TPCAST custa aproximadamente 200 euros e incorpora a sua própria bateria que garante perto de hora e meia de experiências VR. A TPCAST – empresa – tenciona desenvolver uma bateria maior e que os utilizadores possam manter junto ao corpo, num bolso por exemplo.

Com este periférico o grau de imersão dos HTC Vive melhora. Os óculos de realidade virtual já permitem que os utilizadores possam vaguear por uma sala, dando uma maior sensação de integração no espaço virtual. Junte-se a isto o facto de agora não ter cabos de ligação ao computador e o grau de liberdade fica ainda maior.

Recorda-se que Portugal foi recentemente colocado na lista de países onde os HTC Vive são comercializados.