Como portátil o Acer Predator 21 X é péssimo: pesa oito quilogramas, o equivalente a um garrafão e meio de água, e mesmo não havendo números oficiais sobre o seu tamanho, as imagens comprovam que é grosso, muito grosso. Mas depois começamos a olhar para a lista das especificações técnicas e estes dois elementos até parecem toleráveis.

Estamos perante um dos portáteis mais extravagantes de sempre. Difícil é escolher por onde começar a descrição.



O Acer Predator 21 X tem um ecrã curvo de 21 polegadas com uma resolução de 2.560×1.080 píxeis – é o primeiro computador portátil do mundo a apresentar-se com um painel curvo. O objetivo é garantir uma experiência mais imersiva já que os olhos dos jogadores terão de percorrer uma menor distância entre as extremidades do ecrã. O formato curvo também provoca, em teoria, uma maior sensação de envolvência.

Os processadores vão pertencer à série Intel Core de sétima geração, a mais recente de todas, e a componente gráfica fica a cargo de duas Nvidia GTX 1080 em SLI – leu bem, duas unidades da placa gráfica mais poderosa do momento a trabalharem juntas como se fossem uma só.

Escusado será de dizer que perante tamanha exigência visual, de processamento e também gráfica, o Acer Predator 21 X tem duas portas de alimentação energética. Já o sistema de arrefecimento fica a cargo de cinco ventoinhas e de oito tubos dissipadores.

Acer Predator 21 X

Surpreendido? E esta é a parte do portátil que raramente vai ver. #Crédito: Acer

Os números ‘loucos’ continuam na possibilidade de o utilizador ter uma configuração máxima com 64GB de memória RAM e de poder ter até 4 terabytes de armazenamento em memória flash.

Há ainda teclado mecânico com sistema Cherry MX – o mais comum do mercado – e retroiluminação independente para cada tecla, o teclado numérico lateral pode ser virado do avesso para se transformar num trackpad e existe um sensor de movimento ocular da Tobii para ajudar o jogador durante as sessões de gaming.

Quatro colunas e dois subwoofers, já tínhamos referido?

Visualmente o equipamento apresenta-se ainda com linhas bastante vincadas, construção em metal e plástico e também com um grande painel luminoso na parte superior do teclado.

Como máquina de jogo pode atirar qualquer título, tradicional ou de realidade virtual, ao Predator 21 X, que para o computador não será desafio. Olhando bem para toda a composição técnica que o equipamento apresenta parece claro que esta é uma máquina construída para marcar uma posição – de engenharia e de alguma destreza – e quem sabe conseguir atrair alguns entusiastas mais abastados pelo meio.

Ainda não existem resultados de desempenho para o Acer Predator 21 X pois as unidades em demonstração na IFA 2016 eram apenas mockups, mas não tardará até que a tecnológica tenha de vir a público revelar o que consegue afinal fazer este portátil.

De acordo com a publicação CNet o portátil topo de gama da Acer vai estar disponível no início do próximo ano e deverá custar 5.000 dólares, o equivalente a 4.480 euros [e a 89.600 garrafões de água].

Por tudo o que referimos – e parece-nos suficiente – é totalmente justo apelidar este computador portátil de ‘assombro’.

Sem mais artigos