Nasceu como forma de eliminar um problema de estudo de um jovem de 17 anos que nunca gostou de usar lápis para tirar apontamentos porque “não desliza bem nas folhas”. Este problema é de fácil resolução, e quase toda a gente vai pensar ou dizer – “tira os apontamentos com caneta”. Então e como é que apagamos algo se nos enganarmos? Riscar o erro não é a melhor solução e o corretor não é lá muito prático.

Pedro Lopes, o tal jovem de 17 anos, começou por eliminar este problema com a utilização de um daqueles quadros brancos que tinha no quarto, contou ao FUTURE BEHIND. Mas mesmo assim não estava satisfeito devido a falta de espaço útil no quadro e o facto de esta solução não resolver o problema dos apontamentos em aulas pois, como diz o próprio, não podemos arrancar o quadro da parede e levá-lo connosco, por isso o próximo passo foi “tornar esse quadro portátil”.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Foi assim que Pedro Lopes, o jovem natural de Viseu, criou o caderno Made in Portugal que hoje é top de vendas no Amazon. O InfiniteBook é um caderno sustentável que nos permite escrever e apagar quantas vezes quisermos, ideal para aqueles apontamentos que precisamos de tirar durante o dia mas que não necessitamos de guardar por muito tempo. Caso precise? Simples, tire uma simples fotografia à pagina que quer guardar ou use uma app como a OfficeLens para fazer a digitalização da página pretendida.

“Onde se escreve exatamente como num quadro-branco”

Começamos a nossa conversa com o Pedro com uma pergunta cliché que acreditamos que já deve ter respondido umas quantas vezes. Perguntamos ao agora jovem de 22 anos, que apresentação faria caso tivesse que ir vender o InfiniteBook de porta a porta. A resposta resume na perfeição o que é este caderno, o porquê de ser necessário e qual a sua missão…. Knock Knock, gostava de lhe falar sobre este caderno, “o InfiniteBook é um caderno, com várias folhas 100% reutilizáveis onde se escreve exatamente como num quadro-branco. Com um marcador podemos escrever, apagar e reutilizar. Além dessa valência o tornar extremamente prático, existe o lado ecológico. Num Mundo que cada vez mais precisa de adotar práticas sustentáveis, é a solução ideal.”

Pedro Lopes achou esta solução perfeita para ajudar com os métodos de estudo ao mesmo tempo que reduz drasticamente a quantidade de papel utilizado no decorrer de uma semana de trabalho ou escola quando ainda estava no 12º ano. Em conjunto com o seu amigo Matheus Gerken, também natural de Viseu, recorreu  a plataforma portuguesa PPL para conseguir o investimento inicial através de crowdfunding. O caderno que começou como EcoBook conseguiu alcançar 185% do montante pedido, valor mais que suficiente para os amigos de Viseu perceberem que o público estava interessado no produto que tinham para oferecer.

 

 

O InfiniteBook está disponível em três tamanhos diferentes, A6; A5 e A4, e conta também com modelos com diferentes tipos de folha, pode adquirir o caderno com folhas lisas, quadriculadas, pautadas ou até pontilhadas. Com preços que começam nos €7.99 para o caderno A6 todos os cadernos são acompanhados por uma caneta própria para que possa começar logo a escrever, apagar e a reutilizar.

Pode ainda escolher entre algumas cores ou mesmo optar por uma das edições especiais como é o caso da Genius Edition que traz na capa verdadeiros génios que marcaram, para sempre, o mundo onde vivemos. Albert Einstein caso queira um caderno quadriculado, Frida Kahlo para um caderno Liso, Fernando Pessoa para o caderno pautado ou Mahatma Gandhi para o caderno com folhas pontilhadas.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

No FUTURE BEHIND já trocamos alguns dos nossos cadernos tradicionais por InfiniteBooks e estamos em condições de dizer o trabalho do dia-a-dia melhorou significativamente. Isto porque como já explicamos anteriormente, basta ter o auxílio de uma simples aplicação para conseguirmos transformar as nossas notas em imagens digitais que podemos depois partilhar se necessário ou mesmo guardar para futura consulta.

Mas não foi só aqui que o nosso trabalho ficou mais facilitado [até porque se formos honestos este tipo de coisa poderíamos fazer com um caderno tradicional no entanto dado que era mais fácil comprar um caderno novo nunca nos passou pela cabeça digitalizar as nossas notas], foi também facto de podermos usar sempre o mesmo caderno que nos ajudou no processo de organização.

Num dia normal de trabalho vamos tomando notas ao longo do dia, apagamos caso seja necessário e voltamos a escrever. Ao fim do dia digitalizamos o que for necessário e apagamos o restante de forma fácil com o kit de limpeza disponível no starter pack do InfiniteBook, depois basta arrumar o caderno e esperar para começar outro dia de trabalho. Acabaram aqueles momentos de procurar o caderno correto, aquele com as notas necessárias para o trabalho que estamos a fazer, o caderno é sempre o mesmo e nunca acaba!

E as vendas, Pedro?

Sabemos que o InfiniteBook é top de vendas na Amazon. Mas um produto orgulhosamente português certamente quer dar-se bem no mercado nacional, por isso continuamos a conversa  com a mente por detrás do InfinteBook e perguntamos como estava o mercado nacional a reagir a algo diferente e que está disponível para compra unicamente em plataformas online. Segundo Pedro Lopes, “o mercado nacional está a reagir muito bem e percebe as vantagens do produto.” Pedro disse-nos ainda que conseguiram fazer “com que muitos clientes experimentem pela primeira vez a compra online e troquem os cadernos normais pelo Infinitebook.”

Para as gerações mais jovens o ato de fazer compras online é algo cada vez mais normal e para nós no FUTURE BEHIND também o é, por isso neste campo não iríamos encontrar qualquer tipo de obstáculo ao fazer a evolução de um caderno tradicional para o InfiniteBook. No entanto, temos que ser sinceros, quando o caderno nos foi apresentado ficamos fascinados pela ideia mas um pouco apreensivos e tínhamos várias questões.

– Como seria escrever num caderno com uma textura tão diferente?

– E escrevemos só a preto? Como é que fazemos uma chamada de atenção?

– E será que é mesmo como nos dizem? É só escrever e apagar? Vai deixar manchas de certeza.

Depois de duas semanas a escrever constantemente no mesmo InfiniteBook o nosso caderno ainda não tem mancha alguma e que apagar é tão simples quanto virar a caneta ao contrário e usar a borracha especial incorporada no topo da caneta.

Caso seja tinta mais antiga basta usar água e um guardanapo ou, caso não queira gastar papel, pode usar o pano e esponja disponíveis no starter pack que referimos anteriormente.

Começar a escrever no InfiniteBook pode ser um pouco estranho. Pois, como é normal, a textura das folhas é bastante diferente e temos que ter um certo cuidado e esperar uns segundos (6 para ser exato) para a tinta secar, caso contrário acabamos por “apagar” o que não queremos e para além de limpar a página temos também que lavar as mãos. No nosso caso em particular nunca nos aconteceu e depois de algumas palavras escritas já estávamos habituados a forma de escrever deste caderno. Agora, semanas depois, podemos dizer que não o trocamos por nada.

Ainda a crescer…

Com empresas como a Galp e a Uber, o InfiniteBook abre as portas a novas parcerias e a novas empresas, não só pelo volume de vendas que a parcerias com empresas multinacionais podem representar mas também pelo impacto que essas vendas tem no ambiente e na sustentabilidade do nosso planeta. Pedro Lopes diz ainda que “não há nada que nos deixe mais contentes do que perceber que, de alguma forma, estamos a ter um impacto positivo. É tudo o que podemos pedir.”

Caso esteja só agora a conhecer este caderno e ache que é a alternativa ideal para reduzir os gastos que a sua empresa tem todos os anos neste tipo de material, ou porque simplesmente quer ser mais ecofriendly, fique a saber que em http://custominfinitebook.com pode pedir, de forma gratuita, um orçamento para criar um caderno personalizado para a sua empresa.  

Segundo  Pedro Lopes os principais mercados para caderno infinito são o Português, o Britânico e o Alemão. Para além de um website próprio o caderno está ainda disponível no Amazon podendo ser adquirido um pouco por toda a Europa. Mas o InfiniteBook não quer ficar por aqui, quer chegar a toda a Europa e em curto prazo também aos Estados Unidos.

Na nossa opinião, este caderno é o exemplo perfeito de sustentabilidade, um valor cada vez mais importante de transmitir às novas gerações. Com o início de um novo ano letivo, e numa altura em que cada vez mais se começam a usar novas tecnologias no ensino, não há como não pensar no quão bom seria ver um caderno que pode durar todo um ano letivo a ser usado por alunos nas escolas portuguesas, para que os jovens percebam cada vez mais o quão importante é limitar o uso de recursos naturais. Quando questionado sobre um possível parceria com escolas ou mesmo numa escala maior com o Ministério da educação para a distribuição do InfiniteBook pelas escolas portuguesas Pedro Lopes disse que “este tipo de parcerias seria efetivamente algo interessante” e que da parte da empresa “estão totalmente abertos para contatos”… Fica a dica.

Mas este artigo não é uma análise mas sim a apresentação de um produto que nos surpreendeu pela positiva. Caso no fim deste artigo surjam algumas questões sobre o caderno não hesite em deixá-las nos comentários ou mesmo em visitar a página de perguntas e respostas no site do InfiniteBook.

N.R.: O FUTURE BEHIND, em parceria com o InfiniteBook, vai oferecer um Starter Kit InfiniteBook Genius Edition A5 (à escolha do vencedor) a um dos nossos leitores. Descobre aqui como participar.

 

Sem mais artigos