Há semanas aqui no FUTURE BEHIND foi publicada uma opinião minha que falava da possibilidade de misturar humanos com tecnologia para criar os tão falados ciborgues. Mas até hoje esta ideia dos ciborgues foca-se mais na parte física da tecnologia e dos seres humanos, e não tanto nos sentidos.

Mas dentro em breve vamos ver a emergência – em massa – da parte referente à visão humana que tem tardado em chegar. Falo pois da realidade misturada.

A realidade é que hoje há tantas realidades que é fácil nos perdermos. Por isso antes de entrarmos pela realidade misturada dentro, vamos rapidamente falar das outras.

Primeiro a realidade aumentada. Esta refere-se à tecnologia que ‘aumenta’ a realidade. Através de uns óculos especiais o utilizador não tem a visão bloqueada e consegue vislumbrar o mundo real; ao mesmo tempo, os óculos sobrepõem informação sobre a realidade real. Por exemplo, um turista a passear na baixa de Coimbra ao usar um destes óculos, se olhar para a Sé vai ver informação sobre o monumento diante dos seus olhos.

Ao mesmo tempo, ao caminhar pelas ruas verá ofertas e outros anúncios (para além de notificações das suas redes sociais, etc). Com o desenvolvimento da Internet das Coisas e um aumento na confiança por parte do consumidor para com o comerciante no que toca à troca de dados, estes descontos serão feitos à medida.

Por exemplo, o roupeiro aí de casa poderá enviar um alerta sobre uma camisa azul que está a precisar de ser trocada.  As lojas que vendem camisas azuis similares poderão apresentar um anúncio nos óculos de realidade aumentada para esse produto, atraindo novos clientes.

Depois da realidade aumentada, temos a realidade virtual. Nesta realidade o utilizador também usa uns óculos, mas esses óculos bloqueiam a visão completamente no que toca ao mundo real. No entanto, o utilizador pode entrar em qualquer cenário, desde ‘nadar’ no fundo do oceano Atlântico e até visitar o Museu dos Coches em Lisboa. Isto tudo em 360º, com sons reais e sem sair de casa.

Isto pode soar estranho, mas assim que uma pessoa tem na sua posse um destes aparelhos é fácil tornar-se um consumidor ávido. Isso aconteceu-me e a experiência de ver notícias ou mesmo um filme de terror nunca mais será a mesma. Só tenha cuidado para manter o controlo por onde anda enquanto usam os óculos, para não partir nada… acredite, eu sei do que falo.

Essa será possivelmente uma razão pela qual a realidade virtual não vingará assim tão bem como a realidade misturada.

A realidade mistura essencialmente é a combinação das realidades reais, aumentadas e virtuais numa só realidade com hologramas e cenários virtuais.

Nesta realidade podemos ver o mundo real e combinar este com um mundo virtual, trazer objetos virtuais para um espaço real. Outra grande vantagem desta tecnologia é que permite controlar objetos virtuais com as mãos e a voz.

A lista de aplicações no campo da realidade misturada é extensa e ainda estamos a tentar perceber tudo o que esta tecnologia tem para oferecer.

Por exemplo, treinos militares feitos à base de realidade misturada darão ao exército capacidades além das que o ser humano possui hoje. Eles poderão ver informação em tempo real, partilhá-la com outros camaradas, se necessário partilhar o seu campo de visão, adicionar objetos virtuais ao campo de combate de treino, etc.

Num cenário mais consumidor, idas a uma loja de mobiliário serão muito mais fáceis. Antes de ir à loja, com um par de óculos de realidade misturada, qualquer pessoa pode literalmente pegar num sofá virtual, numa mesa, cortinados, e por aí fora, e movê-los pela sala para perceber se a decoração é a desejada e se os tamanhos são os corretos.

Isto depois também pode ser aplicado em muitos outros cenários como montar exposições, fazer a remodelação de uma loja, etc. Educação, saúde, artes e entretenimento, arquitetura e design, segurança. são outras áreas que também irão beneficiar desta tecnologia.

Em termos de empresas a apostar neste campo, a Microsoft é um peso-pesado (senão mesmo o mais pesado atualmente) no que toca à realidade misturada. A empresa lançou para o mercado os HoloLens, uns óculos de realidade misturada que fazem tudo o que foi descrito acima.

Mais recentemente a Microsoft combinou o Autodesk com a sua tecnologia para a criação de objectos 3D para os campos da engenharia e ambientes industriais. A dona do Windows também abriu o software por trás das aplicações do HoloLens, o Windows Holographic VR software, a todos os seus parceiros para acelerarem o desenvolvimento de conteúdos relacionados com a realidade misturada.

A Magic Leap é outra empresa que também está num bom caminho para dentro em breve lançar-se ao mercado em força.

Com os desenvolvimentos no campo da realidade virtual também eles bastante avançados, não levará muito tempo até que outros gigantes como a Google, a Samsung e quem sabe a Apple, entrem na corrida da realidade misturada.

Pessoalmente, das três realidades que existem hoje, acredito que a misturada tem maior capacidade de sucesso e será muito mais usada do que as outras duas devido à sua praticabilidade.

A realidade virtual é muito interessante, mas em termos práticos não permite uma grande flexibilidade enquanto os olhos estão tapados. É uma excelente fonte de entretenimento e tem boas aplicações (como por exemplo a bebé que foi operada através de um Google Cardboard ou levar estudantes portugueses à Grande Muralha da China sem saírem da sala de aula), mas o facto de o utilizador ficar completamente ‘cego’ no que toca à realidade real não me parece que vá levar a tecnologia tão longe quanto a realidade misturada. Isto claro, pode ser resolvido com a adição de câmaras nos óculos que permitam ao utilizador manter um olho no que se passa à sua volta.

Quanto à realidade aumentada, isso será um pouco como os relógios inteligentes. Terá uma boa adesão, mas não será para todos. O simples facto de ter de usar óculos retrai muita gente de aderir à tecnologia. Agora quando lentes de contacto inteligentes forem desenvolvidas, talvez a história seja outra (mas depois podemos argumentar que muita gente possivelmente recusará usar lentes de contacto).

No conjunto, esta história da realidade misturada vai aparecer em massa de um dia para o outro, quase como o que aconteceu com os drones comerciais. E acredito que isto vá acontecer até ao final de 2018. Se a realidade virtual deu que falar por esse mundo fora, a realidade misturada vai mudar a forma como o ser humano vê o mundo. Literalmente.

Quem sabe se no futuro os humanos não terão capacidades de realidade mistura implementadas nos seus olhos ou cérebro logo à nascença?

Sem mais artigos