Existem 120 milhões de telefones de secretária à espera de uma transformação tecnológica e em Portugal serão cerca de 2,4 milhões. Este é um dos principais pontos de interesse da Nfon no mercado português. A tecnológica alemã tem a partir de agora o seu serviço de telefonia cloud disponível em Portugal.

A telefonia cloud é um serviço de telecomunicações over the top, ou seja, funciona através da ligação à internet. Na prática permite fazer chamadas a partir de um telefone fixo, através de uma aplicação móvel ou através de um serviço web, usando para isso a tecnologia de voz sobre IP (VoIP na sigla em inglês). O que a Nfon quer é sobretudo trazer os telefones fixos para a era digital, permitindo às empresas explorar as vantagens de um serviço cloud na área das telecomunicações.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Um dos principais chamarizes é sem dúvida a flexibilidade que existe ao nível da escalabilidade do serviço. Uma empresa pode subscrever dez extensões num mês, subscrever cem extensões no mês seguinte e nos mês posterior voltar às dez extensões. Dependendo do perfil de trabalho de cada empresa, este é um modelo que pode render poupanças com as despesas de telecomunicações, poupanças essas que podem oscilar entre os 35% e os 50%, segundo a Nfon.

De acordo com o diretor executivo da tecnológica, Hans Szymanski, Portugal é o 13º mercado onde a empresa está a lançar o seu serviço e a aposta em Portugal tem como objetivo manter uma posição de liderança no segmento da telefonia cloud na Europa.

A Nfon já tem 15 mil clientes no continente europeu

“Portugal é um país muito atrativo, importantíssimo, porque tem mais de dois milhões de extensões telefónicas que todas vão ser convertidas à telefonia digital e se as coisas correrem bem, grande parte dessas extensões vão ser clientes da Nfon”, disse o CEO em conferência de imprensa.

Hans Szymanski Nfon

Ao centro, Hans Szymanski na apresentação da Nfon em Portugal. #Crédito: Future Behind

A Nfon tem um plano para investir entre três a cinco milhões de euros em Portugal nos próximos três a cinco anos. O investimento será feito em infraestrutura, em marketing e também na contratação de pessoas. No caso português a empresa Wisdon será o único parceiro de revenda das soluções da Nfon, tendo já contratado 15 pessoas para o efeito – a estimativa é que outras quinze poderão ser contratadas até 2020.

Hotelaria e contact centers são duas áreas que a Nfon pretende atacar em Portugal. O foco da empresa serão as PME

“Somos oportunistas no sentido positivo da palavra, se realmente virmos que o crescimento em Portugal desenvolve, temos a oportunidade de aumentar o investimento para dar a possibilidade de continuar a crescer”, acrescentou depois Hans Szymanski a propósito do investimento.

Em Portugal o serviço da Nfon vai estar disponível em duas modalidades: 4,90 euros por mês por extensão para ser usada num único dispositivo; 7,80 euros por mês por extensão para ser usado em telefone fixo, no smartphone e em computador.

O CEO da Nfon garantiu ainda que a empresa está registada junto da Autoridade Nacional das Comunicações (ANACOM) e autorizada a operar em todo o país, havendo também um acordo de distribuição que garante o funcionamento da Nfon em todos os operadores de internet disponíveis em Portugal.

Sem mais artigos