Num mundo dominado por smartphones, tablets e computadores híbridos, a Amazon continua a acreditar que há espaço para os E-readers. Sobretudo para os que são topo de gama.

Em setembro de 2014 a Amazon apresentava ao mundo o Kindle Voyage, um leitor dedicado de livros eletrónicos e o que apresentava melhores características técnicas até à data: ecrã com resolução de 300 píxeis por polegada e adaptativo à luz ambiente, fino, leve e com autonomia para várias semanas de leitura. O preço acima dos 200 euros e o baixo número de mercados onde é vendido podem não tê-lo transformado num grande sucesso de vendas. Ou será que tornou?

É que durante o dia de ontem o diretor executivo da gigante do comércio eletrónico, Jeff Bezos, usou o Twitter para dizer que uma nova geração do leitor Kindle estava a caminho. A apresentação vai decorrer na próxima semana, não sendo certo se o novo E-reader será disponibilizado num curto espaço de tempo.

O CEO da Amazon fala num equipamento topo de gama, pelo que será de esperar um sucessor direto do Kindle Voyage.

Em alguns comentários deixados na imprensa especializada alguns utilizadores revelam características que gostavam de ver em futuras versões do Kindle: ecrã de tinta eletrónica com algumas cores, para ser possível a reprodução de bandas desenhadas, por exemplo; ou resistência à água, o que tornaria o Kindle um companheiro a tempo inteiro sobretudo nas férias de verão.

Mas numa altura em que os tablets estão a crescer de tamanho – como o iPad Pro de 12,9 polegadas, o Surface Pro 4 de 12 polegadas ou o Samsung Galaxy Tab Pro também com 12 polegadas -, talvez a Amazon recupere o conceito do Kindle DX, um equipamento com um tamanho próximo das 10 polegadas. Certezas, certezas só na semana que vem.