A partir de amanhã, 25 de fevereiro, o mundo tecnológico vai ser invadido por notícias e análises ligadas ao segmento dos dispositivos móveis. As primeiras apresentações do Mobile World Congress acontecem já durante o fim de semana, ainda que o evento só comece ‘oficialmente’ no dia 27 de fevereiro.

São esperadas mais de 100 mil pessoas em Barcelona, muitos smartphones novos e também algumas novas tendências ligadas ao segmento mobile. Inteligência artificial, redes gigabit e tecnologia 5G prometem ser três dos grandes temas da edição deste ano, além do hardware propriamente dito.




O FUTURE BEHIND vai fazer um acompanhamento detalhado do Mobile World Congress ao longo dos próximos dias [N.R.: o FUTURE BEHIND marcará presença no MWC17 com o apoio da Alcatel].

Mas antes de arrancarmos para Barcelona, queremos deixar aqui algumas ideias que podem ajudá-lo a ver o Mobile World Congress de forma diferente.

O maior evento de não-surpresas do mundo

Não deixa de ser curioso que é um dos eventos mais aguardados do ano pelas suas ‘novidades’, mas quando chega a hora de conhecer essas novidades já não há propriamente novidade alguma.

É tal a vontade de se saber o que vai ser revelado no Mobile World Congress que o evento acaba por ser, na esmagadora maioria dos casos, uma simples confirmação daquilo que há já largas semanas tem sido noticiado. Eis alguns exemplos.

A LG vai apresentar o G6, um smartphone não-modular, com construção premium, design arredondado e ecrã edge-to-edge. A Huawei vai revelar o P10 e se não quiser saber ainda como será o telemóvel feche os olhos e salte para o parágrafo seguinte.

O grande anúncio da Samsung deverá ser o tablet Tab S3. A HMD Global vai ao que tudo indica lançar uma remasterização do icónico Nokia 3310. A Lenovo deverá apostar as fichas em novos módulos para o Moto Z e em três novos elementos da família Moto G5. A Alcatel pode apostar num smartphone modular. A Sony deverá atualizar o seu smartphone topo de gama, o XZ. A BlackBerry vai apresentar a outra metade do smartphone que já revelou no CES 2017. Já do lado da HTC esperamos a típica atualização de especificações do One (11).

Já existem muitos trabalhos de antevisão que são dedicados apenas à questão do hardware: aconselhamos este, este e este. Mas atenção, depois de os ler poderá já não ter tanta vontade de ficar ‘agarrado’ às apresentações que serão feitas em Barcelona.

No Galaxy, no iPhone

A maior feira de dispositivos móveis do mundo não vai ter… os dois mais importantes dispositivos móveis do ano. Já aconteceu mais vezes e o Mobile World Congress soube ‘sobreviver’ a este facto – há muitos outros equipamentos na feira aos quais prestar a atenção.

A Apple nunca marca presença nem nesta, nem noutras feiras de tecnologia. Já a Samsung criou uma tradição de apresentar os seus Galaxy S em Barcelona, mas nem sempre os planos da empresa bateram certo com o certame tecnológico.

Mas não nos deixemos enganar: o Galaxy S8 e o próximo iPhone vão ser os smartphones mais badalados do ano. Este ano, aliás, cada um deles tem até motivos de interesse extra, além do facto dos seus antecessores serem considerados como os dois grandes topo de gama do mercado.

O Galaxy S8 vai ser o primeiro smartphone topo de gama que a Samsung vai apresentar depois do escândalo do Note 7. Os olhos estão postos na fabricante sul-coreana e qualquer erro na execução do Galaxy S8 pode ser um desastre para a Samsung.

Samsung Galaxy S8 Rumores

Quando chegar a vez de apresentar o Galaxy S8, a Samsung também já poderá não ter muitas surpresas na manga. #Crédito: @UniverseIce, Twitter

Já o iPhone celebra em 2017 o seu décimo aniversário, pelo que há uma grande expectativa sobretudo no que diz respeito a uma evolução visual do dispositivo.

O facto de estes dois ‘gigantes’ ficarem fora do radar do Mobile World Congress significa que a atenção estará focada noutras empresas – o que em termos de diversidade e competição acaba por ser positivo. A ausência da Samsung será uma oportunidade de ouro para a LG e para a Huawei mostrarem o seu potencial no segmento topo de gama.

Aqui há outro factor interessante a considerar: quando o objetivo é adiantar-se à concorrência não importa só a apresentação do dispositivo, importa também chegar antecipadamente ao mercado. Veremos a vantagem que a LG e a Huawei vão conseguir garantir com as suas revelações.

Vamos procurar pelo Windows ou por outra alternativa qualquer

O Mobile World Congress também pode ser visto como uma grande celebração do ecossistema Android – o domínio do sistema operativo móvel da Google é avassalador e todos os grandes anúncios estarão relacionados com o Android.

Mas a esperança é a última a morrer e se há sítio que pode trazer alguma surpresa é o Mobile World Congress. Haverá marcas a apostar no Windows? Haverá marcas a apostar noutros sistemas operativos móveis? Seria bom que sim, pois o mercado está totalmente dominado por um duopólio e a diversidade é sempre positiva.

Assumimos esta como uma missão pessoal: encontrar algo que fuja deste duopólio para percebermos se ainda há quem esteja a disposto a lutar por uma fatia, pequena que seja, no mercado dos smartphones.

Olhos na Oppo

Se lhe perguntarem o nome de uma marca chinesa de smartphones, o mais provável é que pense na Huawei, na Xiaomi ou até na OnePlus. Mas convém ficar especialmente atento àquilo que a Oppo terá para apresentar.

A marca já está no mercado há vários anos, mas foi em 2016 que deu um verdadeiro salto de gigante, tendo sido uma das marcas sensação na China – o que lhe valeu o quarto lugar na lista das empresas que mais smartphones venderam a nível global, tendo vendido mais de 90 milhões de unidades dos seus equipamentos.

O Oppo R9 foi mesmo o modelo de smartphone mais vendido em 2016 na China, de acordo com dados da Counterpoint Research, tirando o título que pertencia ao iPhone desde 2012.

Oppo R9

Qualquer semelhança entre o Oppo R9 e o iPhone 6s poderá não ser pura coincidência. #Crédito: Oppo

No Mobile World Congress a Oppo vai revelar o 5x Project, algo que parece apontar para um dispositivo cujo sensor fotográfico conseguirá fazer um zoom ótico até 5x.

Espaço para relógios e tablets

O Mobile World Congress sempre foi mais virado para os telemóveis e smartphones, mas nos últimos anos acabou por ser ‘invadido’ por algumas tendências no que diz respeito a dispositivos móveis. Primeiro foi a vez dos tablets, depois foi a vez dos relógios inteligentes.

Na edição do ano passado já se viram poucos exemplares destes dois segmentos tecnológicos. O ano de 2016 voltou a ser mais um ano de interesse morno para tablets e smartphones, algo que deverá repercutir-se na estratégia das empresas para o que vão revelar em 2017.

Não temos dúvidas de que veremos novos tablets e relógios inteligentes em Barcelona, a grande questão é: que atenção vão conseguir conquistar? Conseguirão os tablets e os smartwatches ganhar um pouco de força em Barcelona? Ou veremos uma ‘desistência’ quase completa por parte dos fabricantes?

Lá estaremos para lhe contar.