É um dos maiores mistérios da atualidade: quem é o criador da moeda digital Bitcoin? Apesar do grande sucesso que a divisa já atingiu, o seu criador continua sem dar sinais de vida. Tem havido rumores, alguns nomes apontados, mas nada certeiro. A grande revelação pode finalmente acontecer nos próximos dias.

O relato é feito pela Wired e diz que Craig Wright, a última pessoa a ser apontada como o criador do Bitcoin e nome que foi apontado após uma investigação da própria publicação, está a preparar uma demonstração em Londres. Nesse evento Wright vai ao que tudo indica assumir-se como o fundador da moeda digital.

Apesar de indicações anteriores apontarem no seu sentido e mesmo que faça essa assunção, o especialista australiano em criptografia vai ter de dar muitas provas para que a comunidade acredite nele. E os especialistas serão exigentes, como apurou a Wired.

O criptografo Matthew Green acredita que só o verdadeiro criador da Bitcoin pode ter acesso a um conjunto de moedas já mineradas e que foram criadas há sete anos. Caso Craig Wright consiga mexer parte do dinheiro para um novo endereço, este será um sinal de que pode ser quem alegadamente vai afirmar ser.

Mas outros especialistas querem mais provas. O investigador do projeto Coin Center, Jerry Brito, diz que só o verdadeiro criador da Bitcoin pode ter as chaves de acesso ao Genesis Block, o berço de nascimento do Blockchain, a base de dados das transações feitas com bitcoins. Craig Whright teria assim de assinar uma mensagem com esta chave única e ir mexendo parte das moedas originais até que não houvesse dúvidas de quem era.

Até aqui sabe-se apenas que o criador da Bitcoin é Satoshi Nakamoto. Mas este é um nome fictício, não se sabe quem pode estar por trás do mesmo.

Acredita-se que o criador da Bitcoin possa ter o equivalente a 350 milhões de euros na divisa digital e esta mega-fortuna já chegou a valer perto de mil milhões de euros, na altura em que a moeda esteve no máximo da sua força, valendo quase mil euros cada.

Atualmente cada Bitcoin equivale a 360 euros.

Saber quem é o pai da criança

Conhecer finalmente a cara da pessoa que inventou o Bitcoin é importante por vários motivos. Em primeiro lugar por ter sido uma das criações tecnológicas que mais impacto teve na sociedade. Não ao ponto de ser popular como o iPhone, mas ao ponto de suster o submundo do crime online, ao ponto de ser uma opção para um país em crise bancária como o Chipre e ao ponto de ter posto algumas das maiores entidades do mundo, como o Banco Central Europeu, a ponderar os seus prós e contras.

O Bitcoin só não tem mais aceitação pois está sempre associado a uma imagem de criminalidade. A moeda pode ser usada para transações online. Ponto. O uso que lhe dão é que varia de pessoa para pessoa. A Microsoft, por exemplo, já aceita bitcoins em algumas das suas vendas. E não há nada de maléfico nisto, antes pelo contrário.

Se do ponto de vista histórico e também da simples curiosidade a revelação de ‘Satoshi Nakamoto’ é interessante, o aparecimento do pai do Bitcoin pode ter outras consequências.

Pode, por um lado, trazer maior instabilidade à moeda se o seu criador decidir mexer na grande quantidade de moedas ‘reservadas’ que tem. Além de assustar o mercado, pode trazer algum nervosismo a quem tem investido no Bitcoin. É de recordar que a moeda nesta fase, como não tem regulação, acaba por ter o seu valor baseado na utilização, mas também é muito suscetível a especulação, tal como acontece com as ações nas bolsas de valores.

O simples facto de o seu criador poder aparecer, mas no final de contas não aparecer, pode ter um impacto negativo no valor da moeda.

Por outra perspetiva ter o criador associado ao seu projeto pode fazer com que o mesmo comece a ganhar maior credibilidade e por consequência maior aceitação.

Após o aparecimento do Bitcoin já surgiram muitas outras moedas que têm por base um sistema de peer to peer, isto é, uma troca direta de infomação entre os utilizadores que estão ligados a esta mesma rede. Litecoin, Peercoin, Auroracoin e Cryptoescudo são alguns dos projetos que se seguiram.

Sem mais artigos