O mais provável é que a resposta seja ‘não’. Porquê? Porque são poucos os computadores que neste momento estão preparados para esta nova vaga tecnológica. E não somos nós a dizê-lo, são as empresas do sector.

A NVIDIA, uma das tecnológicas com maior peso no segmento das placas gráficas, revelou à Bloomberg que apenas existiriam 13 milhões de computadores em todo o mundo – ! – capazes de suportar as principais experiências de realidade virtual quando fossem lançadas no mercado. O valor é realmente baixo pois representa menos de 1% do total de computadores ativos.

Isto acontece pois tanto para os Oculus Rift como para os HTC Vive o utilizador deve garantir computadores com especificações topo de gama. Os conteúdos desenvolvidos em realidade virtual são tecnologicamente exigentes para que consigam manter altas resoluções e também altas taxas de atualização, caso contrário os utilizadores podem sentir náuseas ou tonturas.

Para ter uma ideia basta pensar que os muitas produtoras de videojogos têm dificuldade em assegurar os 60 frames por segundo nos seus títulos, quando na realidade virtual para PC essas taxas de atualização devem ser sempre equivalentes a 90 fps.

E não se trata apenas de exigência gráfica e de processamento. Os computadores devem garantir outras condições básicas como múltiplas portas multimédia, algo que também pode colocar logo de parte muitos computadores. Tudo isto sem considerar outro factor ‘desmotivador’: os preços.

Os Oculus Rift estão a ser comercializados na Europa por 699 euros e os HTC Vive por 899 euros. Quem compra não está só a garantir os head-mounted displays (HDM), estará também a comprar sensores de reconhecimento de imagem, comandos e videojogos. Mas juntando o investimento dos óculos ao possível investimento num computador novo e terá de desembolsar 1.500 ou mais euros para poder ter as melhores experiências em jogos e filmes.

Agora que os dois dispositivos de realidade virtual estão a chegar às mãos dos consumidores, conheça as listas de componentes recomendados: 

oculus2 - Cópia1htc vive1Mas se quer mesmo saber se o seu computador está ou não preparado para receber a realidade virtual de ‘portas’ abertas então só tem de experimentar duas ferramentas. Uma é disponibilizada pela Oculus VR, subsidiária do Facebook. A outra foi preparada pela Steam, empresa parceira da HTC no seu periférico de realidade virtual.

Na prática são analisadores de componentes do computador. Depois de feito o teste as ferramentas vão indicar se o seu computador está ou não apto para suportar os dois dispositivos de realidade aumentada.

Estas ferramentas são também bons indicadores para perceber o que deve mudar na sua máquina para estar ‘VR Ready’: por exemplo, pode ter todos os componentes necessários, menos o processador que pode estar uns furos abaixo do desejado.

Oculus_VR_Logo 1426448_737153949748017_526922300920215545_n
É ainda de referir que neste momento apenas os equipamentos com o sistema operativo Windows vão suportar os dois principais equipamentos de VR pensados para computadores. O Mac OS da Apple e o open-source Linux estão por agora de parte já que tanto a Oculus VR como a HTC estão a concentrar os seus esforços na plataforma da Microsoft – atualmente representa mais de 85% do mercado de computadores em todo o mundo.
O que pensa das ‘exigências’ da realidade virtual topo de gama? O seu computador está preparado para suportar os Oculus Rift ou os HTC Vive? Está a pensar atualizar a sua máquina para que seja VR ready? Partilhe a sua opinião na caixa de comentários.
Sem mais artigos