O Raspberry Pi não é o único microcomputador de baixo custo que existe no mercado – ainda que possivelmente seja o mais popular de todos com mais de cinco milhões de unidades comercializadas. Existem várias alternativas como o Intel Curie, o Arduino Uno, o BB Micro Bit e o CHIP. Agora deve considerar uma outra hipótese, o Omega2.

Este é um microcomputador pensado para a comunidade maker que precisa de dar uma componente eletrónica simples e barata aos seus projetos. O Omega2 é uma placa de desenvolvimento que suporta Linux e que por isso pode ser programada à medida de projetos de diferentes áreas.



Destaca-se logo à partida pelo tamanho bastante reduzido. Colocado por cima de um cartão multibanco apenas ocuparia 25% da sua superfície. Também a título de comparação é quatro vezes mais pequeno que o Raspberry Pi original

O Omega2 está em campanha no Kickstarter e os apoiantes apenas precisam de dar cinco dólares para garantirem o seu exemplar deste microcomputador. A versão base traz Wi-Fi, um processador de 580MHz, 64MB de memória RAM e 16MB de armazenamento. Existe uma outra versão, o Omega2 Plus, que tem 128MB de RAM, 32MB de armazenamento e custa nove dólares, o equivalente a oito euros.

A Onion, empresa responsável por este projeto, desenvolveu o Omega2 de forma modular, isto é, podem ser acrescentados diferentes módulos à placa principal. Isto permite não só alargar o espectro de ação do microcomputador, tornando-o um claro pretendente ao trono deste segmento, como também acaba por ser uma forma de gerar receitas – já que do próprio Omega2 não deve haver grande retorno.

É possível acrescentar unidades de GPS, Bluetooth e de telecomunicações ao Omega2 graças ao ecossistema de hardware que está a ser desenvolvido em torno da placa eletrónica.

Com mais de 385 mil dólares reunidos as primeiras unidades cheguem às mãos dos apoiantes ainda este ano, durante o mês de novembro.

O Omega2 tem ainda a vantagem de poder ser ligado a um monitor a partir do momento em que o tira da caixa, escreve a Onion na página do projeto. Vem com uma versão própria de um sistema operativo que funciona à base de aplicações, com a startup a garantir uma loja de apps compatíveis. Ou seja, mesmo que não seja um programador experiente, pode recorrer à loja oficial de aplicações para experimentar os projetos que estão a ser desenvolvidos pela restante comunidade.

Interface Omega2

Interface que permite controlar o Omega2 #Crédito: Onion

Apesar das vantagens que promete relativamente ao Raspberry Pi original, a verdade é que a Raspberry Pi Foundation tem um outro microcomputador, o Raspberry Pi Zero, que apresenta especificações técnicas superiores às do Omega2 – processador de 1Ghz e 512MB de RAM – e custa os mesmos cinco dólares. Mas enquanto o Pi Zero está posicionado para os hackers do hardware, o Omega2 pretende ser o núcleo central de vários projetos da Internet das Coisas que venham a surgir.

Sem mais artigos