hTzyHXVkct8

Quando vemos o sinal intermitente nos semáforos ou a bandeira amarela na praia, sabemos que podemos avançar, mas devemos ir com precaução. É este o nosso conselho para todos os que tencionam comprar os PlayStation VR: sim, avancem para a aquisição do equipamento se tiverem essa disponibilidade, mas atenção pois existem vários elementos a ter em conta.

Para experimentar os PlayStation VR estivemos no VR Portal, o espaço dedicado da PlayStation Portugal para a experimentação dos seus óculos de realidade virtual. Experimentámos um total de quatro jogos – Robinson: The Journey, Driveclub VR, RIGS: Mechanized Combat League e Until Dawn: Rush of Blood – e contamos-lhe quais as nossas primeiras impressões sobre o equipamento.




Sobre os PlayStation VR em si podemos dizer que a Sony Interactive Entertainment fez um bom trabalho de desenvolvimento. O dispositivo de realidade virtual é visualmente apelativo, tem uma boa ergonomia e também um bom equilíbrio.

Isto é importante pois faz com que o jogador não sinta muito o capacete na sua cabeça, o que é vital para a ideia de imersão. Se estivermos constantemente a pensar que temos algo a cobrir-nos a cara, então nunca nos focamos verdadeiramente no que está a acontecer no mundo virtual.

Todas as luzes que vemos em torno dos óculos são na realidade sensores de posicionamento que permitem à consola saber para onde o jogador está a olhar ou de que forma está a mexer-se. Foi um ‘truque’ bem jogado por parte da PlayStation já que estas luzes dão um aspeto futurista aos PS VR e fazem-nos distanciar-se dos Oculus Rift e dos HTC Vive – mais sóbrios, mais ‘pesados’ em termos de aspeto.O equipamento é facilmente ajustável – tanto na cabeça, como na distância de visualização – e este é outro aspeto positivo que vale a pena referir.

Mas o que nos fez realmente ir até ao VR Portal foram os jogos, as experiências de realidade virtual que só vão estar disponíveis na plataforma da Sony Interactive Entertainment e não nos restantes sistemas de realidade virtual.

Começámos da melhor forma pois a primeira demo a ser testada foi Robinson: The Journey. Dizemos da melhor forma pois agora já sabemos que de todas as experiências esta foi a mais impressionante. O nível de imersão do jogo é muito bom.

Apesar de a demonstração ser linear – há um caminho predefinido que o jogador tem de percorrer -, existem vários momentos no jogo que nos fazem ‘tremer’ das pernas. Dinossauros gigantes atravessam-se à nossa frente e por momentos parece de facto que estamos prestes a ser engolidos por estas criaturas extintas.

Os cenários do jogo também são bastante belos e fazem-nos sentir que estamos num mundo diferente, com vida própria e que a qualquer momento pode virar-se contra nós.

Os PlayStation VR chegam a Portugal no dia 13 de outubro

Apesar da beleza e ‘imersividade’ do título, o facto de o jogo não utilizar os PlayStation Move como comandos principais é claramente um ponto negativo. No jogo existem sempre duas mãos virtuais em movimento, mas esse movimento não é correspondido no mundo físico, o que corta a sensação de imersão.

Mesmo tendo sido a nossa experiência preferida, reparámos logo em Robinson que os gráficos que vemos nos vídeos relativamente aos jogos PlayStation VR não correspondem àquilo que vemos dentro dos óculos. Não que o nível de resolução e detalhe seja mau, porque não é, mas também não é polido. Ainda existe pixelização, apesar dos ecrã OLED utilizados pela Sony.

Este é o primeiro senão: se está à espera que o jogo seja na realidade virtual como é no formato de vídeo tradicional, isso não vai acontecer.

Neste jogo descobrimos também um outro problema que não está associado ao título em si ou à plataforma PlayStation VR, mas ao desenvolvimento de experiências de realidade virtual no geral. Robinson utiliza um sistema de movimentação de ‘saltos de 30º’ – isto quer dizer que se carregar no analógico para mudar de direção, automaticamente existe um salto de 30º no campo de visualização.

Pessoalmente não gostei deste método. É desorientador, mexe verdadeiramente com a cabeça da pessoa e pode provocar alguma sensação de desequilíbrio. Estes movimentos bruscos aos quais o cérebro não está habituado fizeram-me suar e sei que não fui o único a ter sensações semelhantes.

O grau de imersão das experiências é de tal forma grande que o cérebro das pessoas pode não estar totalmente preparado e responde de forma diferente de utilizador para utilizador. Haverá quem se sinta bem ao fim de meia hora de jogo, haverá aqueles que podem não aguentar 15 minutos.

A realidade virtual é mais desgastante. Este é um facto importante que deve ter em conta antes de comprar o equipamento.

Neste aspeto é de louvar o projeto VR Portal da PlayStation. Ainda que tenha um fim comercial – mostrar a tecnologia na expectativa que o utilizador fique convencido com o produto -, também tem um lado informativo. Depois de experimentar os PlayStation VR vai perceber de imediato se esta é uma plataforma com a qual não terá estes problemas secundários de realidade virtual.

Estes problemas não são transversais a todos os jogos. Por exemplo, Driveclub VR foi uma experiência super agradável e que passou num abrir e fechar de olhos – e sem ‘contraindicações’.

No dia de lançamento vão estar disponíveis mais de 50 jogos de realidade virtual para os PS VR

Neste jogo um dos aspetos em destaque é o reconhecimento do posicionamento do utilizador. Isto significa que se se inclinar para a frente, vai de facto aproximar o campo de visão do tablier do veículo. Pode olhar em toda a sua volta dentro do carro e apreciar os detalhes gráficos que foram colocados nas viaturas. Os amantes de automobilismo vão certamente render-se a este novo formato de simuladores. E são pormenores como estes que tornam ricas e únicas as experiências VR.

O único jogo que acabamos por testar com os comandos PlayStation Move foi Until Dawn: Rush of Blood e podemos dizer que fazem de facto uma grande diferença.

Por exemplo, até aqui os HTC Vive parecem levar alguma vantagem sobre os Oculus Rift e em parte isso deve-se ao facto de os Vive terem comandos dedicados para ambiente de realidade virtual – os Oculus Touch só chegam em dezembro.

Nos PlayStation VR sentimos o mesmo. Os comandos Move dão-nos outra liberdade de movimentos e outro grau de imersão. Podemos esbraçar para todo o lado que é justamente isso que acontece no mundo virtual. Rush of Blood é um shooter, um estilo de jogo que funciona muito bem em VR, e vai dar aos jogadores alguns momentos de diversão.

Aqui mais uma chamada de atenção. Se vai comprar os PlayStation VR e não tem ainda os PlayStation Move, saiba que não vai tirar total partido de toda a potencialidade do sistema. O que distingue a realidade virtual de outros formatos é o grau de imersão, por isso devemos tentar garantir sempre que essa imersão é atingida e respeitada ao máximo.

PlayStation VR Portugal

Um jogador testa Until Dawn: Rush of Blood no espaço VR Portal. #Crédito: Future Behind

Mas isso tem implicações ao nível do preço. E o valor dos PlayStation VR é algo que envolve outras ‘matemáticas’.

Os óculos de realidade virtual em si custam 399 euros e trazem os elementos básicos para garantir a experiência ‘básica’. Mas para poder utilizador os PlayStation VR terá de ter obrigatoriamente, além da PlayStation 4, a PlayStation Camera. Se não tiver pode já considerar um investimento extra de mais 60 euros.

Se também não tiver os PlayStation Move, então vai precisar de dois. Os preços podem variar entre os 80 e os 100 euros. Isto coloca o valor global dos PlayStation VR próximo dos 550 euros.

Continua a ser uma diferença significativa para os 900 euros dos Oculus Rift e HTC Vive, mas os PlayStation VR também não apresentam a mesma qualidade gráfica que estes sistemas de jogo concorrentes.

Na prática ao comprar os PlayStation VR é como se não estivesse a comprar um complemento para a sua consola, mas antes uma consola totalmente nova – preço de 399 euros é o mesmo preço de uma PlayStation 4 Pro, por exemplo, ou de uma Xbox One S.

A questão é que se quer de facto ter acesso a experiências de jogabilidade únicas – Batman: Arkham VR, Thumper, Battlezone-, então os PlayStation VR neste momento estão entre os dispositivos com melhor relação qualidade-preço.




Em forma de resumo, podemos dizer que gostamos dos PlayStation VR. É um produto bem concebido, com grande potencial e que tem facilidade em deslumbrar pela qualidade das suas experiências. Acredito, aliás, que a grande vantagem da Sony sobre os rivais Oculus e HTC não está no equipamento – porque não está de facto -, mas está antes na força do seu ecossistema.

A PlayStation já anda no mundo dos videojogos há mais de duas décadas e essa experiência será fulcral para impulsionar o sistema de jogo.

Estas foram as nossas primeiras impressões relativamente aos PlayStation VR, mas só uma análise mais detalhada ao equipamento é que poderá tirar as restantes dúvidas que existem relativamente ao sistema de jogo.

Enquanto essas dúvidas persistirem o conselho continua a ser o mesmo: avance, se tiver condições e vontade para isso, mas não deixe de avançar com precaução e de ter em conta factores como importantes como os enjoos e a falta dos Move, que podem condicionar a experiência com os PlayStation VR.