De acordo com o Enabling Digitalization Index [EDI], que mostra a capacidade de cada país para garantir o ambiente necessário para que as empresas possam ter sucesso numa economia digital, os Estados Unidos da América é o país que melhores condições apresenta. Já Portugal encontra-se num modesto 32° lugar mas com melhorias apresentadas em comparação com 2017.

O estudo que procura perceber o quão preparados estão os países para criar condições para que a sua economia evolua num mundo cada vez mais digital analisou dados como a regulamentação (flexibilidade para a digitalização), o conhecimento (aposta na formação e educação superior), conectividade (redes seguras e acessíveis), infraestruturas (rede de internet e servidores seguros) e também a dimensão do mercado (número de utilizadores de internet) de cada um dos 115 países analisados.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Enabling Digitalization Index [EDI] – Top 30

Portugal no ranking

Portugal, que em 2017 ocupava o 33° lugar do ranking, encontra-se agora em 32°. Os motivos para esta subida são principalmente a regulamentação existente em Portugal, bem como o nível de conhecimento e de conectividade do nosso país.

Relativamente à regulamentação o documento anual da Euler Hermes indica que “um ambiente de negócios propício é um forte impulsionador para o financiamento, o investimento e o empreendedorismo”, Portugal consegue uma pontuação de 82.6 (numa escala de 0 a 100) ficando à frente de países como Luxemburgo, China ou mesmo Holanda que no ranking geral ficou na terceira posição.

Portugal consegue ainda destacar-se no campo do conhecimento, onde o nível de formação nas empresas e as parcerias das mesmas com as universidades fazem com que Portugal consiga 61.6 pontos, ficando assim à frente de Espanha que ocupa a 27ª posição do ranking global e ainda da Lituânia que se encontra imediatamente acima de Portugal na 31ª posição.  

A pior pontuação de Portugal foi precisamente no tamanho de mercado, no índice que refere que “uma base de clientes ampla e digital é essencial para as empresas” e mede o número de utilizadores de internet e a seus rendimentos, a pontuação conseguida por Portugal não foi aquém dos 1.3 pontos. No entanto, este valor acaba por ser um valor normal num país com uma população pouco acima dos 10 milhões de habitantes, envelhecida e com rendimentos inferiores à média europeia.

Enabling Digitalization Index [EDI] – Lugares 31 a 40

O que fazer para subir no ranking?

O estudo da Euler Hermes deixa ainda algumas estratégias que podem ser adotadas por todos os países para que possam subir no ranking. Aqui importa reter que é importante para cada um dos países criar legislação para os novos produtos e serviços da era digital em que vivemos, como é o caso de serviços como a Uber ou a Cabify ou das criptomoedas, que ainda estão um pouco longe de ter legislação própria em portugal.

É também especificado que é importante criar condições para que grande parte da população tenha acesso a este novo mundo digital, é ainda referido que a alfabetização digital é um fator de grande importância para que as empresas encontrem mais clientes e novos colaboradores e que assim possam crescer.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Diferenças continentais

O ranking liderado pelos EUA, Alemanha e Holanda é fechado pela Libéria, Mauritânia e Chade, países africanos que ajudam assim a perceber as acentuadas diferenças entre o continente europeu e africano. Neste último, o país mais bem situado no ranking é a África do Sul que ocupa a 46ª posição, esta classificação deve-se à qualidade das suas infraestruturas, seguindo-se do Quénia na 70ª posição.  

A Euler Hermes menciona ainda as causas para a fraca representação dos países da américa-latina, apontando o dedo a fatores como as fracas infraestruturas e conectividade.

Cada um destes países têm agora que arranjar formas para melhorar a sua ligação ao mundo digital para que possam evoluir e apresentar mais e melhores condições para que as suas empresas possam vingar numa economia global cada vez mais ligada ao digital.

Sem mais artigos