A frase é de Elon Musk e não podia ser mais clara: os combustíveis fósseis são limitados, então quanto tempo mais vamos estar a alimentar uma realidade que não tem futuro? É o argumento mais básico na defesa dos veículos elétricos e para muitos é o único argumento necessário. O mundo está a mudar, aos poucos, com os veículos elétricos a garantirem maior autonomia e a tornarem-se mais apelativos para os consumidores. Mas não chega o esforço das empresas, é preciso ‘incentivo’ das mais altas instâncias – leia-se, é preciso impor regras. Essa revolução começa agora a ganhar forma.

Bom domingo.

Já arrancou a terceira temporada da Fórmula E: Até podemos dizer que os motores dos carros já roncam outra vez nas pistas, mas nos carros elétricos o ruído é muito menor quando comparado com o barulho dos carros da Fórmula 1 tradicional. A competição teve hoje a sua primeira prova em Hong Kong e cada vez existe atenção em torno do formato, à medida que marcas conhecidas se vão juntando à lista de participantes. Na edição 2016/2017 estão confirmadas 12 corridas e a última realiza-se a 30 de julho.
Fonte: The Verge




Situação do Samsung Galaxy Note 7 ganha contornos mais graves: Ao que tudo indica já existem três casos de Note 7 substituídos que continuam com problemas nas baterias. O mais recente caso aconteceu na cidade de Nicholasville, nos EUA, onde o smartphone terá começado a emanar fumo que chegou a levar o seu dono até ao hospital. A Samsung não comentou diretamente o caso.
Fonte: WKYT

Alemanha quer banir veículos de combustão a partir de 2030: O Concelho Federal alemão aprovou um apelo que obrigaria todas as pessoas a comprarem veículos elétricos ou com células de hidrogénio a partir de 2030. O mesmo órgão estará a tentar fazer com que o apelo para o fim dos veículos de combustão seja transversal a toda a União Europeia.
Fonte: Forbes

Investigadores encontram provas de mais um buraco negro ‘ambulante’: Foi apelidado de XJ1417+52 e é mais um buraco negro que foge ao estereótipo de estar no centro das galáxias. Este corpo celeste tem 100 mil vezes a massa do Sol e encontra-se a 4,5 mil milhões de anos luz da Terra. Os cientistas acreditam que o XJ1417+52, situado na extremidade de uma galáxia, é o resultado da fusão de duas galáxias.
Fonte: EarthSky

Sem mais artigos