Há casos em que a influência das empresas cresce tanto pela própria qualidade dos serviços que há um ponto em que todo esse poderio começa a ser questionado. O caso que o The Wall Street Journal apresenta este fim de semana coloca a Google como uma empresa que usa a sua posição dominante na área das pesquisas e dos anúncios online para promover outros produtos seus. A questão é: não é a Google a empresa que mais percebe do seu próprio algoritmo? Não é a Google a entidade que melhor sabe tirar partido do seu próprio motor de busca? Seria de alguma forma justo proibir a Google de usar o Google para promover outros serviços proprietários? A tecnológica norte-americana diz que o seu sistema está criado por forma a ser equilibrado para os outros anunciantes. Mas quais os limites éticos para aquilo que a gigante norte-americana está a fazer? Uma situação interessante para ser ‘digerida’ no que resta deste fim de semana.

Bom domingo.

Serviço de email Lavabit está de regresso: Ficou conhecido por ser o serviço de email utilizado pelo delator norte-americano Edward Snowden. Mas o Lavabit acabou por saltar para as manchetes internacionais quando foi alvo de forte pressão por parte das autoridades dos EUA para que fosse entregue a chave de segurança SSL do serviço. O Lavabit encerrou em 2013, mas agora está de regresso. Nesta primeira fase apenas para os antigos utilizadores. A nova versão destaca-se pelo facto de utilizar uma metodologia de chaves SSL à qual nem a própria Lavabit tem acesso.
Fonte: The Intercept




Troca de presidente nos EUA provoca confusão no Twitter: Um dos aspetos mais seguidos na tomada de posse do novo presidente dos EUA foi a troca de domínios no Twitter. O processo esteve longe de ser imaculado pois cerca de 560 mil pessoas foram afetadas por bugs que ou fazia seguir a seguir a conta presidencial @POTUS mesmo que não o tivessem feito ou não permitia fazer unfollow. A situação já foi corrigida pelo Twitter.
Fonte: Engadget

Franquia Micro Machines vai ter um novo jogo: É já em abril que fica disponível o jogo Micro Machines: World Series. O anúncio foi feito pela Codemasters, estando confirmado que o jogo chegará à PlayStation 4, Xbox One e também à Steam. As primeiras imagens promocionais mostram um jogo fiel às suas origens: corridas de carros minúsculos em pistas inspiradas em cenários bem conhecidos do quotidiano, como uma cozinha ou uma mesa de bilhar.
Fonte: VG247

Apple poderá reforçar sistemas biométricos no iPhone: Ming-Chi Kuo é conhecido por ser um dos analistas que tem melhor registo de antecipação de funcionalidades nos novos iPhone. Para o modelo de 2017 o analista acredita que a Apple vai fazer grandes alterações, sobretudo na área da segurança. A tecnologia Touch ID vai ser reformulada para acomodar um novo painel que a Apple estará a preparar. A marca da maçã estará ainda a considerar integrar reconhecimento facial na próxima versão do iOS.
Fonte: MacRumors

Google estará a usar posição dominante nas pesquisas para promover outros produtos próprios: A empresa SEMrush fez 25 mil pesquisas para um total de 25 palavras no Google e concluiu que em 91% dos casos o primeiro anúncio mostrado era relativo a um produto da Google. Em 43% dos casos os dois primeiros lugares dos anúncios eram ocupados por produtos Google. A análise levanta suspeitas de que a tecnológica poderá estar a usar a sua posição dominante no segmento das pesquisas online para promover outros dos seus produtos. A Google diz que o seu sistema de pesquisas tem um programa de marketing para não prejudicar os outros anunciantes.
Fonte: The Wall Street Journal