Quando estivemos na apresentação dos novos smartphones da BQ dissemos logo que o modelo a manter debaixo de olho era o Aquaris U Plus. Depois de duas semanas de testes com o equipamento confirmamos algumas das boas indicações que o dispositivo tinha deixado e ficamos seguros de que a marca espanhola tem aqui um smartphone interessante.

Por 240 euros os consumidores levam para casa um dispositivo bastante regular. O BQ Aquaris U Plus não tem qualquer elemento fora de série, mas também não precisa: a empresa conseguiu juntar neste dispositivo elementos que além de combinarem bem entre si, vão satisfazer a maior parte das utilizações dos consumidores.




Este BQ não é para utilizadores intensivos ou que procuram um smartphone para os próximos três anos. Este BQ é um smartphone para quem tem um orçamento limitado, mas que nem por isso deixa de ter alguma exigência com o desempenho da máquina.BQ Aquaris U PlusO campo do desempenho foi justamente aquele que deixou melhores indicações durante o período de testes. Esperávamos algumas quebras de performance no quotidiano, algo comum ver nos smartphones deste segmento de preço, quebras essas que nunca chegaram a acontecer de forma notória.

Para isto contribui aqui uma combinação interessante: processador de oito núcleos, 3GB de RAM e uma versão quase pura do sistema operativo Android. Ficámos com a sensação de que a otimização entre sistema operativo e hardware é melhor nesta máquina da BQ do que noutras já testadas.

O resultado final é um dispositivo com transições suaves, que lida bem com a troca rápida de aplicações e que não deixa o utilizador muito tempo pendurado na abertura das apps. Também não é um turbo nestas tarefas, mas parece-nos que o desempenho está bastante adequado para o preço pedido.

Mesmo nos jogos não sentimos grandes entraves nos títulos mais comuns, como um King of Thieves. Sendo um dispositivo mediano no gaming vai dar-lhe acesso à maior parte dos jogos que estão disponíveis na loja de aplicações do Android sem ‘engasgos’. Se por acaso está à procura de um dispositivo que faça as vezes de uma consola portátil, então terá de olhar para um segmento de preço duas a três vezes superior.

Outro elemento positivo é o leitor de impressões digitais. Longe vão os tempos em que os sensores biométricos de qualidade estavam reservados apenas para os smartphones de gama alta. Já há outras marcas com leitores de impressão digital no segmento de gama média-baixa, como a Wiko, mas gostámos bastante do desempenho no BQ Aquaris U Plus.

O leitor de impressões digitais está colocado na parte traseira e apesar de não ser 100% preciso na leitura do dedo,  apresenta uma taxa de erro relativamente baixa. Já a velocidade de reconhecimento é boa e é sem dúvida uma adição de grande valor para o BQ.BQ Aquaris U PlusO terceiro elemento em destaque no smartphone espanhol é o ecrã. Mas esta acaba por não ser uma surpresa, já que os dispositivos da BQ sempre se destacaram por ter ecrãs com boa qualidade, ainda que a resolução não seja das mais elevadas.

A boa representação de cores, sem grandes saturações, mas ainda assim com vivacidade, é o elemento que ajuda a trazer alguma alma ao ecrã e aos conteúdos. A resolução HD é a esperada para um smartphone deste segmento, portanto o Aquaris U Plus acaba por também corresponder ao investimento no que diz respeito ao consumo de conteúdos multimédia.

Agora os elementos mais medianos. Um deles claramente é o design do dispositivo. Na prática tem pouca personalidade, apresentando linhas muito genéricas. O design é arredondado o que acaba por dar ao utilizador uma boa experiência no manuseamento do dispositivo, sendo que o ecrã de cinco polegadas permite que o smartphone mantenha um tamanho aceitável mesmo para as mãos mais pequenas.

Apesar da utilização de uma capa traseira em metal, a verdade é que nem este elemento nos faz vibrar com a aparência global do Aquaris U Plus. Talvez isto seja resultado de a tecnológica ter nos últimos tempos apostado num segmento de preço superior, o que por consequência trouxe equipamentos visualmente mais agradáveis.

O metal, que por norma está associado a uma construção premium, aqui acaba por não conseguir grande destaque.

O perfil acentuado da câmara na parte traseira, tanto na saliência como na cor preta, ajuda a criar um contraste no tal aspeto mais genérico, mas não é suficiente para salvar este dispositivo das críticas.

A análise do design acaba no entanto por ser sempre um ponto em aberto: talvez o que nós não gostamos seja justamente aquilo que algum consumidor está à procura.

Outro aspeto onde não ficámos totalmente convencidos foi no sensor fotográfico. Apesar de apresentar uns faustosos 16 megapíxeis na descrição técnica, a verdade é que o BQ Aquaris U Plus está longe de apresentar a qualidade demonstrada por um ‘verdadeiro’ sensor de 16 megapíxeis, como o do Alcatel Idol 4S.

Em luz natural os utilizadores vão conseguir fotos aceitáveis, com uma definição interessante, mas sem grandes contrastes, nem grande nitidez. Em períodos noturnos a câmara até consegue captar uma quantidade de luz interessante, ainda que os resultados também não sejam espantosos.

A possibilidade de fotografar em HDR+ deve ser visto como uma mais-valia nesta gama, pois ajuda a captar fotografias visualmente mais interessantes.

É justo dizer que o Aquaris U Plus tem uma câmara fotográfica cumpridora. Será suficiente para captar com relativa qualidade os momentos do dia-a-dia para depois poder partilhar nas redes sociais.

Por outro lado gostamos do interface de utilização da câmara fotográfica. É simples, fácil de manusear – basta fazer swipe para os lados para termos acesso a diferentes modos de captação de imagem – e é bastante responsivo. Mais uma vez o software a fazer a diferença para o Aquaris U Plus, o que também parece ter uma consequência positiva na velocidade de disparo – não sendo instantânea, é veloz o suficiente para não perder os principais momentos.

Outro elemento ‘morno’ no smartphone foi a autonomia. A bateria consegue aguentar um dia de utilização não muito intensiva, caso contrário talvez nas horas finais da sua rotina já vai precisar de procurar uma tomada elétrica para devolver energia ao smartphone.

Ainda que não seja algo diretamente relacionado com a autonomia, foi um elemento no qual acabámos por reparar mais devido à necessidade de carregamento. Não concordamos com o posicionamento da entrada microUSB na parte superior do dispositivo. É pouco natural e traz algumas dificuldades de utilização ao smartphone quando o queremos usar e carregar ao mesmo tempo.

Considerações finais

Acima de tudo gostamos de ver a BQ a voltar a um segmento de mercado onde já foi feliz. Nos últimos tempos a tecnológica apostou num segmento claramente mais alto e isso teve obviamente uma repercussão nos preços.

No entanto a BQ fez nome em Portugal com a boa relação qualidade-preço dos seus dispositivos. Não que os smartphones superiores não apresentam esta relação, mas existem mais smartphones interessantes a disputar a atenção do consumidor nesses níveis de preço.

Apesar de termos testado a versão com melhores especificações do Aquaris U Plus [3GB/32GB], talvez apontássemos a versão de 2GB/16GB como a mais interessante. É verdade que ter o dobro do armazenamento e mais memória RAM por mais 30 euros é um bom negócio, mas também é verdade que é o modelo de 2GB aquele que apresenta a melhor relação qualidade-preço.

Para este nível de preço e para os utilizadores expectáveis, o BQ Aquaris U Plus parece ter tudo no sítio. Talvez fosse desejável ter uma capa removível que permitisse substituir a bateria e que ajudasse a trazer uma maior dinâmica visual ao equipamento. Mas já são mais pormenores técnicos do que grandes defeitos do dispositivo.




A BQ também precisa de ajustar a sua aposta nos sensores fotográficos. Não são maus, mas é um elemento cada vez mais crítico para os consumidores. Havendo um smartphone que até pode ter menos memória e menos armazenamento, mas que garanta uma melhor câmara fotográfica, e a BQ pode logo perder aqui potenciais clientes.

Há no entanto um elemento no qual a BQ pode convencer os consumidores: está prometida atualização para Android 7.0 ‘Nougat’, algo que não vai acontecer à esmagadora maioria dos dispositivos Android de gama média.

Como nota final diríamos que vale a pena ter o Aquaris U Plus debaixo de olho agora na época natalícia. Certamente que será um dos dispositivos mais populares justamente pelo nível de preço onde joga e pelo desempenho regular que proporciona.

Do nosso lado fica essa confirmação: sim, o BQ Aquarius U Plus é um smartphone com elementos interessantes e com uma qualidade geral que justifica o preço. Se procurar um dispositivo a rondar os 200, 250 euros, então este é um modelo a considerar.

BQ Aquaris U Plus
Android quase puroLeitor de impressões digitaisEcrã cumpridor
Posição da entrada microUSBÁudio de pouca qualidadeDesign generalista
7.2EM 10
Design e construção7
Ecrã7
Fotografia7
Performance7
Autonomia7
Software8
Votação do Leitor 3 Votos
3.6
Sem mais artigos