A tecnológica sul-coreana anunciou que vai comprar a empresa norte-americana Harman, num negócio de oito mil milhões de dólares. Esta torna-se assim uma das aquisições mais valiosas do ano e passa a ser a maior compra feita nos estrangeiro por uma empresa sul-coreana.

A compra da Harman é o segundo negócio de alto perfil que a Samsung faz durante o ano de 2016. O primeiro foi a aquisição da Viv Labs, empresa responsável pelo desenvolvimento da assistente virtual Viv. A gigante asiática já confirmou que esta ferramenta de inteligência artificial vai integrar o Galaxy S8.




O valor deste negócio não foi revelado, mas ajuda a Samsung a endereçar de uma só vez várias tendências tecnológicas: assistentes virtuais, bots, integração de serviços e inteligência artificial.

Mas com a aquisição da Harman ficamos a saber que a Samsung está a olhar além dos dispositivos móveis. Sim, o smartphone muito provavelmente vai continuar a ser o equipamento tecnológico mais relevante da vida das pessoas, mas os automóveis estão a assumir-se igualmente como o gadget do futuro.

É nesta perspetiva que se enquadra a aquisição da Samsung. “A transação vai dar imediatamente à Samsung uma presença significativa no volumoso e em rápido crescimento mercado das tecnologias conectadas, principalmente eletrónica automóvel”, referiu a própria empresa em comunicado.

Existem 30 milhões de veículos equipados com tecnologias da Harman

A Samsung diz que com este negócio estão lançadas as bases para que a empresa possa fazer crescer uma plataforma automóvel. Os responsáveis acreditam que vai acontecer ao segmento automóvel o mesmo que aconteceu aos telemóveis, isto é, passamos de dispositivos básicos, os feature phones, para verdadeiros computadores de bolso, os smartphones.

Ao longo do comunicado da Samsung é visível que a empresa pretende seguir a estratégia que está a ser adotada pelas suas rivais norte-americanas Google e Apple: a empresa diz várias vezes que pretende continuar a ser um fornecedor parceiro das principais marcas de automóveis, o que parece deixar claro a não-vontade de a Samsung fazer o seu próprio veículo.

Samsung vai absorver 8.000 engenheiros e programadores da Harman

O negócio da Harman faz ainda mais sentido sabendo que a Samsung é uma das empresas que está a liderar os desenvolvimentos tecnológicos da próxima geração de redes móveis, o 5G. Os veículos do futuro vão necessitar de uma estrutura poderosa de telecomunicações para que possam estar sempre a comunicar e a receber dados ‘em direto’, algo que permitirá um mais rápido desenvolvimento dos veículos de condução autónoma.

Carros, mas não só

É percetível qual o verdadeiro intuito da Samsung com a aquisição da Harman. Mas a verdade é que ao comprar esta empresa, a tecnológica sul-coreana está na realidade a comprar mais de 20 submarcas. Algumas das quais são nomes bem conhecidos do mundo do áudio.

JBL, Harman Kardon, Mark Levinson, AKG, Lexicon, Infinity e Revel são algumas das marcas que passam agora para o domínio da Samsung.

Não será por isso difícil de imaginar que em breve a empresa sul-coreana queira criar um produto que seja concorrente da Amazon Echo e da Google Home, as duas colunas inteligentes com maior proeminência no mercado.

Além da qualidade reconhecida de algumas das suas novas marcas no segmento de consumo – como a Harman Kardon -, a Samsung pode juntar aqui o elemento Viv para criar toda uma nova geração de equipamentos.

Os fundadores da Viv Labs já confirmaram que a assistente digital foi pensada para poder ser integrada em qualquer equipamento de eletrónica.

Isto significa que a Samsung tem em sua posse alguns elementos tecnológicos muito interessantes que podem permitir à empresa não só atacar novos mercados, como fortalecer aqueles nos quais participa.

O crescimento não foi orgânico – basta lembrar que a divisão de automóveis da Samsung foi estreada em dezembro do ano passado -, mas as aquisições deixam a Samsung bem posicionada para o futuro que se avizinha.

Sem mais artigos