Preço. Facilidade de utilização. Durabilidade. Câmara. Autonomia. Tamanho do ecrã. Processador. Armazenamento. Memória RAM. Suporte para redes 4G. Estes são muitos dos factores que os consumidores têm em conta na hora de comprar um smartphone.

Mas há outro elemento importante a ter em conta quando está a escolher um novo equipamento: o sistema operativo. Se o hardware está constantemente em evolução, com novos smartphones a chegarem ao mercado quase todos os meses, os utilizadores também podem esperar pelo menos uma grande atualização anual de software nos sistemas operativos móveis.



Recentemente a MEO e a NOS passaram a vender smartphones desbloqueados nas suas lojas físicas e online, o que faz com que os consumidores tenham mais uma razão para considerar as lojas dos operadores de telecomunicações quando querem um novo dispositivo móvel. Mas os smartphones lá vendidos, estarão atualizados? Trazem a última versão do software?

Para este artigo considerámos apenas os equipamentos Android. Em primeiro lugar por ser o sistema operativo mais popular e em seguida por ser aquele que sofre com uma maior fragmentação de software, querendo isto dizer que é no Android que a questão da atualização do sistema operativo pode ser mais importante para os consumidores.

Um smartphone vendido com uma versão antiga do Android é um smartphone que está, na esmagadora maioria dos casos, um passo atrás na lista de atualizações futuras. Se estiver já vários furos abaixo na cadeia de valor então é mesmo provável que nunca venha a experimentar a versão mais recente nesse equipamento.



Feita a análise às lojas online do MEO, NOS e Vodafone – e tendo em conta as informações disponibilizadas nos sites -, chegamos à conclusão que não, a maioria dos smartphones vendidos não estão atualizados. Por atualizados entendemos que devem trazer pelo menos a última grande versão do Android, isto é, a versão 6.0 ‘Marshmallow’.

Todos os anos a Google disponibiliza uma grande atualização ao seu sistema operativo móvel

Este ‘barómetro’ também é relevante pois estamos apenas a algumas semanas de lançamento da nova versão do sistema operativo móvel da Google, o Android 7.0 ‘Nougat’. Os que têm o Android 6.0 ‘Marshmallow’ são os que têm maior probabilidade de seguir a linha da evolução, os restantes nem tanto.

Dos 83 smartphones Android que os operadores de telecomunicações estão a vender [somando os modelos de cada loja e eliminando apenas as repetições dentro de cada operador], apenas 28 garantem de origem o Android 6.0 ‘Marshmallow’, o equivalente a 33,73% dos dispositivos.

Quer isto dizer que 66,27% dos smartphones vendidos nos operadores trazem de origem uma versão antiga do Android. Alguns destes equipamentos são atualizáveis – como o Galaxy S6 ou o BlackBerry Priv -, mas não deixam de contar como equipamentos vendidos de forma desatualizada.

Esta é a distribuição geral por versões do sistema operativo Android.

Quando olhamos especificamente para a lista de smartphones que cada operador disponibiliza concluímos que há quem tenha uma lista mais atualizada de smartphones do que outros. Esta é a distribuição por operadores  e tem em conta a percentagem de cada versão do Android de acordo com o total de equipamentos vendidos nas respetivas lojas. A Vodafone tem 24 smartphones na loja online, a NOS 33 e o MEO 26.

 

Destacamos o facto de ainda haver nos operadores de telecomunicações smartphones com Android na versão 4.1 – Xperia Z no MEO – e dois nas versões 4.2 – Alcatel Pop C1 Hello Kitty na NOS e LG G Flex no MEO. Os três casos representam versões do Android JellyBean, lançado originalmente no ano de 2012. Sim, já lá vão quatro anos.

É de destacar ainda o facto de existirem à venda nos operadores mais smartphones com Android 4.4 ‘KitKat’ [15] do que equipamentos com a versão superior, o Android 5.0 Lollipop [13].

Para o fim deixámos os aspetos positivos. A versão Android 6.0 é de todas a mais representada nas contas globais, o que acaba por contrastar com os números de utilização que são conhecidos. A segunda versão com maior oferta é também a segunda mais recente, o Android 5.1 Lollipop. Isto indica-nos que apesar de ainda existirem ‘dinossauros’ nas lojas online dos operadores de telecomunicações, tem sido feito um esforço para manter a oferta relativamente atualizada.

Mas 65% dos smartphones Android desatualizados de origem continua a ser um valor negativo, sabendo que o Android 7.0 ‘Nougat’ está ao virar da esquina.