Colocar no título que a empresa portuguesa Sword Health é a ‘Uber da fisioterapia’ seria um lugar comum e algo arrojado ao mesmo tempo, mas quanto mais pensar no serviço que prestam, melhor vai encaixar a descrição. Na prática a empresa está a recorrer a sistemas tecnológicos que têm o potencial de alterar a forma como a fisioterapia é pensada e aplicada às pessoas que dela precisam.

A Sword Health estreou há poucas semanas o seu mais recente serviço, o Sword Arya. Esta é uma vertente que permite ao paciente fazer parte da recuperação em casa.




Isto é possível através de um sistema que conjuga sensores de movimentos com uma aplicação móvel. Cada um destes sensores é composto por um magnetómetro, por um acelerómetro e por um giroscópio, e todos têm capacidade de comunicação wireless com dispositivos móveis.

Colocando, por exemplo, alguns destes sensores à volta do tronco e do braço do utilizador, é possível medir com grande precisão os movimentos que são feitos pelo corpo.

A questão da ‘grande precisão’ ficou atestada quando nos encontrámos com o diretor de operações da Sword Health, André Santos, para uma entrevista sobre a empresa e os seus serviços. Experimentámos os sensores e a aplicação que permite aos utilizadores fazerem fisioterapia a partir de casa e não podíamos ter ficado mais convencidos. Qualquer desvio feito pelo corpo, qualquer movimento mal executado – por muito imperceptível que nos pareça – fica registado na aplicação.

Esta aplicação serve como ferramenta de apoio ao utilizador para perceber que exercícios deve fazer e como os deve fazer. Os dados são registados em tempo real e ficam disponíveis numa plataforma a que os fisioterapeutas têm acesso. É também através desta plataforma que são definidos os exercícios a serem praticados pelos pacientes.

Sword Health Sword Arya

À direita, no tablet, vemos a aplicação Sword Arya que os pacientes usam. À esquerda, no computador, a plataforma acedida através dos médicos para perceber a evolução dos tratamentos. #Crédito: Future Behind

Em termos de utilização do Sword Arya, existem duas modalidades: a pessoa pode requerer diretamente à Sword Health o serviço, quase num estilo on demand, ou pode ser prestado através das clínicas onde o paciente já é seguido. O objetivo é sempre fazer com que o Sword Arya seja um complemento ao tratamento principal.

“A maior parte do tempo a pessoa está em casa, está parada. Esse tempo em que está parada é um tempo essencial em que pode fazer reabilitação e em que pode trabalhar. (…) O que o Sword Arya permite é estender aquilo que é a pegada terapêutica da equipa clínica. A pessoa está em casa e consegue ter reabilitação sempre acompanhada e monitorizada pela prescrição clínica feita pela equipa clínica”, explicou o COO em entrevista ao FUTURE BEHIND.

A questão da reabilitação física em casa levanta algumas questões – como o empenho – mas é aqui que entra a tal precisão dos sensores do Sword Arya. O fisioterapeuta consegue saber quais os exercícios que foram feitos, quantas repetições foram feitas e em que exercícios houve dificuldades – o que por sua vez possibilita fazer uma chamada de atenção para a correção de algum exercício ou até ajustar o plano de tratamentos.

“Quando se pede a uma pessoa ‘pegue num saco de arroz e faça este exercício’, a pessoa não vai fazer porque sabe que no dia a seguir vai chegar à clínica e não vai existir ninguém que lhe diga ‘você fez ou não fez’. (…) Esta responsabilização por parte do paciente, que o obriga e o ajuda a ter mais horas de reabilitação, associada à qualidade – porque traz a monitorização que permite aos terapeutas saberem exatamente o que os pacientes estão a fazer – cria realmente este laço de maior reabilitação e de maior qualidade”, detalhou André Santos.

“O Sword Arya não substitui, complementa. O papel do terapeuta é sempre essencial, o terapeuta é que faz toda a avaliação do paciente e do processo dele e depois é que faz a componente da prescrição clínica. A tomada de decisão sobre o tipo de exercícios que o paciente tem de fazer, as repetições que tem de fazer e qual a amplitude do movimento que tem de fazer, tudo isto é tomada de decisão e a tomada de decisão é sempre da equipa clínica, do terapeuta ou do binómio terapeuta-fisiatra”.

Sword Health Sword Arya

A Sword Health atua diretamente em Lisboa e no Porto, mas já tem parceiros em cidades como Braga e Aveiro

O desenvolvimento deste sistema tecnológico foi feito, claro, com recurso a alguns engenheiros, mas desde o início do processo que a Sword Health teve o cuidado de incluir os elementos clínicos na criação dos seus serviços.

“Neste momento já somos cerca de 20 pessoas, uma equipa muito multidisciplinar. Estamos a falar desde engenheiros de eletrónica, engenheiros de software, designers, temos um médico neurologista, temos fisioterapeutas, temos uma pessoa dedicada à parte regulamentar e de certificação”.

A ideia para a criação do Sword Arya e do Sword Phoenix surgiu pelo facto de o diretor executivo da empresa, Virgílio Bento, ter acompanhado de perto um familiar durante um longo processo de recuperação de fisioterapia. “Na altura, o Virgílio pensou que não fazia muito sentido, no século XXI, não haver uma tecnologia que ajude nisso”, detalhou André Santos.

Virgílio Bento formou-se em Engenharia Eletromecânica e durante o doutoramento, juntamente com um neurologista, começou a desenvolver o que hoje são os principais serviços da Sword Health. “O projeto teve sempre o acompanhamento pelo Hospital de Santa Maria da Feira e do conceito desenvolveu-se um protótipo. Chegou-se no final do doutoramento com um protótipo interessante com o mercado a dizer ‘eu também gostava de ter acesso a esse tipo de tecnologia’.

“A empresa começou oficialmente em 2014, foi também quando tivemos a nossa primeira ronda de investimento, de business angels portugueses. A partir daí começaram as contratações e o produto passa daquilo que é um conceito académico para um produto comercial de dispositivo médico. Estamos a falar de um dispositivo médico, portanto, demora um ano ou pelo menos largos meses a certificar-se. Demorámos, por exemplo, nove meses só para a parte de certificação do dispositivo”, concluiu o COO.

Um mundo de oportunidades

O Sword Arya é a versão do sistema desenvolvido pela Sword Health que permite aos pacientes fazerem fisioterapia em casa. Mas também há uma solução que permite fazer este acompanhamento diretamente nas clínicas de fisioterapia e foi justamente por aqui que começou o negócio da empresa, com base num sistema tecnológico em tudo semelhante.

“Começámos pela componente clínica porque é um ambiente mais controlado, o paciente está mais junto à equipa clínica e só depois demos o salto para a casa. Demos o salto para a casa também mais rapidamente do que estávamos à espera, porque começámos a ter telefonemas de pessoas, de pacientes”.

Quando é a Sword Health a prestar diretamente o serviço, o custo por mês ronda os 100 euros. Inclui pelo menos duas visitas do terapeuta, o plano de recuperação e os equipamentos (sensores e tablet)

André Santos diz que muitas vezes os pacientes caem num espaço ‘vazio’ após uma operação ou após um AVC. O período de tempo que leva entre conseguir a indicação do médico para tratamento por fisioterapia, arranjar a clínica certa e começar de facto os tratamentos, pode chegar a algumas semanas. E é justamente neste período de tempo que o corpo já devia estar a ser trabalho rumo à reabilitação.

Isto também acontece porque o mercado da fisioterapia está “estrangulado” na opinião André Santos. Não há profissionais suficientes para acompanhar todas as pessoas e em alguns casos os pacientes acabam por fazer uma parte da recuperação sem a dedicação necessária.

Como acontece numa boa parte dos grandes negócios tecnológicos da atualidade, não é só a componente de gadgets e aplicações que entusiasma os investidores. A questão do modelo de negócio foi crítica para que a empresa chegasse a este ponto e é neste aspeto que a Sword Health também quer destacar-se.

Sword Health Sword Arya

André Santos é o diretor de operações da Sword Health. Aqui mostra os sensores e a aplicação que constituem o serviço Sword Arya. #Crédito: Future Behind

“Lançámos um programa de associados em que basicamente quem tem uma clínica ou quem presta serviços domiciliários enquanto terapeuta, nós disponibilizamos o sistema – em sistema de aluguer, tem um custo de 50 euros. Do lado das clínicas é uma forma de darem um serviço mais diferenciado e até de poderem fazer um upselling, poderem dar mais um serviço ao seu paciente fora da clínica”.

Deixar que as clínicas definam o preço a cobrar por uma reabilitação extra em casa é um elemento que teoricamente pode ser perigoso, justamente quando um dos objetivos dos serviços da Sword Health é baixar os valores gerais dos tratamentos. Para André Santos a lei da procura e da oferta vai ajudar a ‘regular’ o mercado.

“Sim, isso é o modelo de negócio que cada um faz. Se a pessoa tem acesso à reabilitação em casa, depois aquilo que o terapeuta ou que a clínica cobram, fica do lado deles. Nós já tivemos casos em que eles pagam este valor de aluguer e não cobram nada ao paciente, é uma opção e incluem isto como um serviço”.

Se a componente tecnológica permite estender e em certa medida facilitar o processo de recuperação física, acaba por ser a diferenciação do modelo de negócio que está a atrair a atenção dos investidores. A startup portuguesa já recebeu 1,7 milhões de euros de investimento público e privado, estando agora à beira de um auspicioso processo de expansão.

Sword Health Sword Arya

O segmento das seguradoras é um dos que tem mostrado grande interesse nas soluções da Sword Health

“Os investimentos ajudam a acelerar. A nossa visão é que o investimento serve para acelerar para que o produto chegue ao mercado mais robusto e mais capaz e se para isso precisarmos de contratar mais pessoas e mais valências dentro da nossa equipa, contratamos”.

“Preferimos durar menos tempo com um investimento que temos, preferimos durar só um ano, mas saber que durante um ano vamos criar muito mais valor porque o produto e as nossas operações vão estar num patamar muito maior”.

Como é o diretor de operações, esta é uma questão sobre a qual André Santos tem muito para dizer.

“Fomos acelerados nos Estados Unidos, em São Francisco, e já fomos também acelerados em Austin. Aí nós conseguimos uma parceria com o maior grupo a nível mundial de reabilitação e tem cerca de duas mil clínicas, grupo esse que está agora também a abrir clínicas na China, que tem a perspetiva de abrir 150 por ano”.

Durante o mês de novembro a empresa espera receber a aprovação da Food and Drug Administration (FDA), o organismo que regula serviços e produtos na área da alimentação e saúde. Em janeiro de 2017 a Sword Health vai começar em quatro clínicas nos EUA, sendo o objetivo escalar rapidamente.

“Na China também vamos estar em quatro unidades a partir do próximo ano, já lá estamos com pilotos porque a situação regulamentar é mais aberta, mas vamos começar a ter mesmo clientes, clínicas e hospitais a pagarem para ter o Sword Phoenix”.

“A nossa sede é cá, vamos abrir os nossos escritórios em novembro nos Estados Unidos e depois vamos abrir também na China”.

No próximo ano contam também lançar para o mercado o Sword Care, um produto que está especificamente direcionado para uma necessidade que existe no mercado norte-americano onde existem residências de idosos. Esta ferramenta, também na área da fisioterapia, terá uma maior componente de gamificação.

Esta aceleração relativamente ao mercado é explicada por André Santos com uma analogia peculiar: a de um sapo que morre em água quente. “Tens um sapo e uma panela. Se o colocas dentro da panela com água a ferver ele tenta logo sair, mas se o colocas lá dentro com uma panela com água morna ele habitua-se e fica lá, vai acabar por morrer a ser cozido”.

“O que nós fazemos é sempre a ferver”, concluiu.

Sem mais artigos