Os livros ‘Para totós’ (For Dummies) são mundialmente conhecidos. T-êm ajudado as pessoas a entenderem melhor alguns temas para os quais não receberam formação ou gostavam de dominar melhor. Existem para diferentes áreas: reparação automóvel, informática, saúde, animais, exercício e também fotografia.

Não há o livro específico ‘Astrofotografia para totós’, mas é aí que entra a câmara fotográfica Tiny1. Na prática é um equipamento compacto, que cabe no bolso das calças ou do casaco, e que permite aos utilizadores obterem melhores resultados nas fotografias de astronomia sem grande dificuldade.



Se as explicações da TinyMOS, empresa sediada em Singapura e responsável por este projeto, estiverem corretas, então bastará a qualquer pessoa apontar e disparar para conseguir astrofotografias de qualidade. Mais simples não podia ser.

O segredo da Tiny1 está em três partes: no sensor retroiluminado que permite aumentar a quantidade de luz captada, o que resultará em maior fidelidade e maior detalhe sobretudo em ambientes sem grande luminosidade; tecnologia proprietária de cancelamento de ruído, que impede que as fotografias fiquem demasiado ‘poluídas’; e por fim um corpo metálico em alumínio que funciona como um dissipador de calor e que ajuda a reduzir o ruído termal das imagens.

A TinyMOS recorreu à plataforma de financiamento colaborativo Indiegogo para trazer o projeto para as massas e a campanha está a correr bem: quando faltam 18 horas para o final já conseguiram mais de 350 mil dólares, muito acima dos 100 mil dólares pedidos.



A estimativa é que as primeiras Tiny1 comecem a ser entregues em dezembro deste ano e que até fevereiro do próximo todos os apoiantes no Indiegogo tenham acesso ao equipamento.

Uma camada inteligente

Além da simplicidade com que permitirá captar fotografias do céu estrelado ou até de fazer um vídeo em timelapse, a Tiny1 está a ser desenvolvida para ser também uma câmara inteligente.

A TinyMOS vai colocar um software no equipamento que funcionará como uma camada de realidade aumentada. Isto permitirá que o utilizador consiga ver no ecrã da câmara informação sobre a posição dos astros e das constelações. Não sabe onde está a Lua? Este mapa ‘digital’ sobreposto à realidade vai ajudar a localizar o satélite natural.

Os utilizadores vão poder ainda ligar a câmara ao smartphone para partilha instantânea de fotografias nas redes sociais e também para que o dispositivo móvel possa ser usado como gatilho remoto para disparos de fotografia ou controlo dos tais timelapse.

Ainda que esteja direcionada para o segmento amador – o preço de 399 dólares também ajuda a definir este posicionamento -, a Tiny1 também poderá ser cativante para os astrofotógrafos profissionais como equipamento secundário e mais móvel. Será compatível com todas as objetivas de montagem CS e terá ainda suporte para alguns telescópios – com esta conjugação de equipamentos extra estará a aumentar as capacidades de origem da máquina.