Os números não mentem: a Uber é um sucesso a nível global. A empresa fez a sua viagem dois mil milhões e apenas precisou de sete meses para duplicar um valor que lhe tinha demorado sete anos a atingir. É um sinal claro não só da força tecnológica da empresa, mas também do modelo disruptivo que veio imprimir no mercado da mobilidade. Mais: é um sinal claro que os consumidores valorizam o seu serviço. O crescimento da Uber deverá continuar nos próximos anos, mas a empresa terá desafios importantes para resolver: não só os de enquadramento legal, mas acima de tudo os concorrenciais. É que a Uber ‘arrepiou’ caminho e muitas empresas estão a seguir-lhe os passos – a China será um dos maiores desafios da gigante da mobilidade.

Boa terça-feira.

Uber faz a viagem dois mil milhões: A tecnológica norte-americana soma e segue a um grande ritmo. Se a viagem mil milhões foi feita no final de dezembro de 2015, tendo demorado sete anos a atingir essa marca, a Uber só precisou de mais sete meses para conseguir duplicá-la. O mercado chinês terá sido crucial para o crescimento acelerado, mas a expansão global também ajuda a justificar o valor.
Fonte: Uber Portugal (Twitter)

Browser Opera foi vendido a consórcio chinês por 600 milhões de dólares: É no mercado mobile que o Opera é mais forte e terá sido esse um dos grandes motores do negócio realizado com um consórcio chinês. A empresa norueguesa apenas está a vender a divisão relacionada com o navegador de internet, mantendo do seu lado a divisão de aplicações e também a Opera TV. O atual diretor executivo, Lars Boilesen, deverá manter-se à frente do projeto mesmo estando nas mãos de novos proprietários.
Fonte: TechCrunch



Alemanha prepara legislação para veículos autónomos: O Ministério dos Transportes alemão está a preparar legislação para o segmento dos veículos autónomos e de acordo com as primeiras informações vai exigir que os carros tenham uma ‘caixa negra’ onde será registada toda a telemetria do veículo, assim como será necessário os veículos terem um volante e os condutores estarem à frente do volante enquanto o carro está a deslocar-se.
Fonte: Reuters

Netflix com crescimento abaixo do esperado: A tecnológica esperava adicionar mais dois milhões de clientes à sua base de subscritores, mas ficou-se pelos 1,6 milhões. O motivo está ao que tudo indica relacionado com o aumento de preços que houve no mercado doméstico e que terá afastado alguns potenciais clientes do serviço. Na conferência com os investidores o diretor executivo da empresa, Reed Heistings, voltou a falar na possibilidade de haver um modo offline no serviço.
Fonte: Engadget

Este ano podem existir três novos iPhone: Não um, não dois, mas sim três iPhone 7. Pelo menos é essa a indicação que vem da última ‘fornada’ de rumores. O terceiro elemento terá alegadamente o nome de iPhone 7 Pro e terá como característica de destaque um duplo sensor fotográfico na parte traseira. A versão Pro terá ainda um conector que poderá servir para acoplar acessórios modulares, um pouco como acontece com o Motorola Moto Z.
Fonte: TechCrunch