A plataforma de desenvolvimento SteamVR agora também está disponível para programadores da plataforma Linux. Isto significa que todos os interessados poderão desenvolver experiências de realidade virtual para os sistemas operativos que têm por base o software open source.

Esta iniciativa está por agora em fase beta e existem algumas restrições no que diz respeito às funcionalidades dos HTC Vive que já conhecemos do sistema operativo Windows. Por exemplo, não há suporte para o ‘modo em direto’, um no qual é possível ver através de um ecrã qual a experiência de realidade virtual que o utilizador está a ter.



Por agora os programadores terão de trabalhar com placas gráficas da Nvidia ou da AMD, visto que as unidades gráficas da Intel ainda não são suportadas. Também só é possível trabalhar com o motor de desenvolvimento Unity na sua versão 5.6 ou superior, revela o Engadget.

A Valve já tinha mostrado a plataforma SteamVR a funcionar em Linux há quatro meses, naquele que foi o primeiro grande indicador de que a plataforma também chegaria aos sistemas operativos de código aberto. Além disso a Steam é uma das plataformas de videojogos que mais suporta conteúdos para o ecossistema Linux. O próprio sistema operativo SteamOS, da Valve, é baseado em código do Linux.

Como salienta a publicação UploadVR, também já surgiram indícios de que o SteamVR pode em breve chegar ao sistema operativo da Apple, o macOS.

A versão da SteamVR agora disponibilizada tem como objetivo permitir que os programadores adaptem ou criem os seus jogos de realidade virtual para Linux, mas não foram adiantados pormenores sobre quando os primeiros títulos poderão ser disponibilizados.