Tem o nome de código BB-8 e mostrou no Consumer Electronic Show aquilo que o sistema de condução autónoma da Nvidia é capaz de fazer na estrada.

O segredo do BB-8 está num mini-computador integrado no veículo que dá pelo nome de Nvidia Drive PX 2. Este módulo tecnológico é composto por dois processadores móveis e por duas placas gráficas independentes. A tecnológica de Taiwan diz que o seu sistema é capaz de operar 24 biliões de operações por segundo, algo fundamental para alimentar o software de aprendizagem contínua.

No vídeo é possível ver que os diferentes sensores que existem no veículo detetam de forma automática não só os outros veículos que estão na estrada, assim como as próprias faixas de rodagem, sinais de trânsito e outros elementos que sejam importantes para a condução.




O hardware conjugado como a plataforma de inteligência artificial Nvidia AI permite que, a cada novo teste, o sistema fique mais inteligente e aumente a sua robustez no que diz respeito às técnicas de condução autónoma.

A Nvidia defende que graças ao resultado de 18 meses de testes o BB-8 já é capaz de conduzir em cenários complexos e com fluxos de mobilidade dinâmicos.

Por exemplo, a Nvidia preparou um teste específico para os visitantes do CES que implica a deslocação do veículo num percurso pré-definido, mas que apresenta diferentes obstáculos. Foram precisos apenas quatro dias para que o sistema de inteligência artificial aprendesse a dominar por completo o trajeto definido.

A Nvidia anunciou também no CES 2017 uma parceria com a Audi que vai resultar no lançamento de um veículo em 2020 e com uma capacidade de condução autónoma de nível 4 – isto é, já será capaz de conduzir completamente sozinho. Foram também anunciadas parcerias com os fabricantes de componentes automóveis ZF e Bosch.

CES 2017 FUTURE BEHIND BANNER