Os rumores confirmaram-se: a empresa de telecomunicações norte-americana Verizon vai comprar a Yahoo. O negócio deverá estar totalmente concluído entre o final de 2016 e o início de 2017, altura que será um marco importante para a indústria tecnológica: de certa forma perde-se um gigante, mas poderemos ganhar um outro.

As intenções da Verizon neste negócio avaliado em 4,83 mil milhões de dólares, cerca de 4,39 mil milhões de euros, são claras: fundir o músculo que a Yahoo ainda tem no segmento da internet com a aquisição da AOL, feita em 2015, para criar uma empresa relevante na área dos conteúdos online. E quem domina os conteúdos tem depois uma palavra a dizer na área da publicidade – que o digam a Google e o Facebook.



As palavras do diretor da AOL, Tim Armstrong, no comunicado do negócio deixam poucas margens para dúvidas.

“Temos um grande respeito pelo que a Yahoo atingiu: esta transação é sobre libertar todo o potencial da Yahoo, construindo em cima das nossas sinergias coletivas e fortalecendo e acelerando esse crescimento. Combinar a Verizon, a AOL e a Yahoo vai criar um novo, poderoso e competitivo rival na área dos média mobile, e uma alternativa aberta e escalável para publicações e publicitários”.

A questão é que o negócio milionário da Verizon com a Yahoo só diz respeito aos segmento de internet da empresa: motor de busca, serviços de conteúdos, aplicações móveis e redes sociais.

Há muito mais Yahoo além desta parte. Agora as atenções vão certamente virar-se para esses segmentos.



Agora o que sobra da Yahoo será como uma empresa de investimento: tem uma posição de 15% na gigante do comércio eletrónico Alibaba, avaliada em 31,2 mil milhões de dólares. Detém 34% da Yahoo Japão, uma fatia que vale 8,6 mil milhões de dólares. E tem ainda uma divisão dedicada a patentes e propriedade intelectual, a Excalibur, que valerá mil milhões de dólares, escreve o Tech Crunch.

Esta parte que fica vai ao que tudo indica ser remodelada e transformada numa nova empresa com uma nova entidade.

Marissa Mayer Yahoo

Marissa Mayer, CEO da Yahoo, momentos antes da apresentação de resultados que foi feita na semana passada. #Crédito: Marissa Mayer Tumblr

O que vai acontecer a estes três segmentos ainda não é certo, mas fará sem dúvida parte da discussão ao longo dos próximos dias. No caso da Alibaba, que é a parte mais valiosa da Yahoo, existem rumores já com algum tempo que dizem que há interesse por parte da gigante chinesa em recomprar a percentagem detida pela Yahoo.

Outras empresas estarão interessadas nessa fatia pois a Alibaba tem crescido de forma significativa, querendo isto dizer que os tais 15% poderão acabar por valor muito mais do que valem atualmente. Mas 34 mil milhões de dólares não é um valor que muitas empresas consigam investir.

Atenções também sobre Marissa Mayer

A atual diretora executiva da Yahoo também vai ser um dos pontos de interesse ao longo das próximas semanas. Na carta enviada aos funcionários onde fala do negócio com a Verizon, Marissa Mayer diz expressamente que quer ficar na Yahoo para ver os seus próximos capítulos.

Mas como alguns podem considerar que a venda da Yahoo à Verizon é uma derrota – e a prometida reviravolta da Yahoo nunca chegou totalmente -, então nesse caso Mayer pode não ser bem vista por alguns investidores. Só o tempo o dirá.

Durante o ‘reinado’ de Marissa Mayer a Yahoo realizou mais de 50 aquisições

Certo é que a CEO desde que entrou na Yahoo em 2012 não tornou a empresa num rival digno da Google ou Facebook, mas conseguiu criar um maior foco nos produtos que realmente importavam, dando à Yahoo uma grande importância no ambiente mobile – 600 milhões de utilizadores mensais – e contribuindo no geral para uma imagem mais fresca e inovadora da empresa que até então parecia estar parada no tempo.

A aquisição do Tumblr por 1,1 mil milhões de dólares deverá ter sido um dos seus momentos altos e apesar de ser uma das maiores redes sociais do mundo, com mais de 500 milhões de utilizadores, nunca foi certo que valor trouxe de facto o Tumblr para a sua nova empresa-mãe.

Será igualmente interessante ver que lugar vai a rede social ocupar neste novo ecossistema – é que nem sequer foi referida na nota de imprensa da Verizon, ao contrário de outros serviços que serão herdados da Yahoo. Na apresentação dos resultados financeiros do segundo trimestre a Yahoo comunicou uma perda superior a 400 milhões de dólares com a rede social, o que deixa o seu futuro ainda mais em aberto.