Esta semana viajamos para mundos fantásticos cheios de super-heróis e ainda damos um pulo até ao universo da ficção cientifica. Claro que não passamos sem esquecer que existiu apresentação Nintendo e que isso nos trouxe mais umas quantas horas de diversão. Neste Vocês Jogam, Nós também existiu ainda tempo para correr para longe do modo aventura de Ring Fit, mas sem nunca deixar de fazer exercício.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Entretanto, em nome da equipa, queremos dizer uma coisa – Ajudem o Paulo a encontrar o próximo jogo… nem que seja ao nos contarem o que andam a jogar.

Abracinho a todos. Bom domingo.

Paulo Tavares 

Depois de uma semana de interregno onde jogar foi simplesmente impossível, houve desta vez algum tempo para o fazer. Continuei a centrar-me em WRC 9 e no seu brilhante Modo Carreira. Há sempre muito para fazer para além de nos metermos no nosso carro e conduzir rumo ao estrelato automobilístico. Contratar pessoal, gerir as pausas, afinar o automóvel, investir no seu desenvolvimento… Enfim, tudo parece estar fiel à responsabilidade que é gerir uma equipa deste desporto tão competitivo e que continua a arrastar multidões por todo o mundo. Apesar de alguns problemas, a obra da Kylotonn Entertainment representa um fiel retrato deste mundo de quatro rodas, fazendo subir a adrenalina do jogador uma mudança de cada vez. Análise já no nosso FUTURE BEHIND!

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Como não tenho mais nada para jogar de momento, lanço aqui a campanha “O Paulo precisa de um jogo!”. Querem ajudar? Não se preocupem, não é nenhum Kickstarter ou Indiegogo para me ajudarem. Preciso sim de sugestões para a minha próxima aquisição. Que joia escondida está ainda por explorar na Nintendo Switch? Que jogo do caraças me escapuliu no universo PlayStation? Agradeço a vossa ajuda, pois não ter nada para jogar é deveras uma das sensações de vazio mais estranhas de sentir… E tu, como jogador que és, sei que sentes isto como eu. Espero pelas vossas sugestões!

Tiago Marafona

Foi uma semana de regresso às obrigações profissionais. As férias já lá vão, infelizmente, e não vale a pena continuar a pensar nisso.

Esta semana continuei o meu treino progressivo no Ring Fit Adventure, que curiosamente me tem feito lá voltar praticamente todos os dias, pelo menos durante meia hora. Bem sei que não é muito tempo de treino, mas convenhamos, não sou propriamente alguém rotinado nem fisicamente pronto para aguentar com mais de duas horas de treino.

A meia hora de treino intensiva tem servido bem para sentir os músculos a mexerem-se um pouco. A rotina diária afasta-me dos ginásios, e ainda por cima em pleno período Covid-19, a pouca motivação que restava para me deslocar até a um ginásio é ainda menor. Contudo, graças ao Ring Fit Adventure, que tem sido cada vez mais um amor à primeira vista com paixão ampla para se alongar durante os próximos longos meses, tem sido ouro sobre azul.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Admito que o modo Adventure continua a não me fascinar de todo, mas estou convencido que o clique ainda acontença. A ideia de juntar a alma de jogador aos exercícios e fazê-lo pensar que terá de se esforçar, tal como num RPG por turnos, para derrotar todos os oponentes que se cruzem pela frente, é muito boa. Ainda assim, continuo a gostar imenso de programar o tipo de exercícios que quero fazer, ora se me quero focar mais em braços, pernas ou simplesmente algo mais energético, puxando claramente mais pelo cardio.

Esta semana, graças ao anúncio da Nintendo Direct dedicada aos 35 anos de Super Mario, estive também de volta às plataformas de Super Mario Bros. 3, com Super Mario All Stars. Tenho intercalado com Super Mario World, que já tinha iniciado há semanas uma nova jornada rumo à paragem final. Não sei bem se Super Mario World é o jogo que mais vezes fui ao fim, mas estará seguramente entre os jogos mais terminados. Uma autêntica obra-prima.

André Santos

A semana começou com um fim. O fim da minha aventura em Tell Me Why, a aventura narrativa que nos leva a fazer escolhas atrás de escolhas, moldando assim o destino das personagens e a forma como aprendemos as suas histórias está construida de forma tão apelativa que acaba por nos prender sem grande esforço ao jogo. Dividido em três episódios, com o terceiro quase a chegar, merece sem dúvida alguma ser jogado. Até porque, no fim do dia, cativou-me mais que Life Is Strange, título que chega também através da DontNod Entertainment. Daqui a uns dias terão, a análise ao segundo e terceiro episódio disponível em FUTURE BEHIND.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Mais para o fim da semana tive a oportunidade de pegar em Marvel’s Avengers. O jogo da Crystal Dynamics não é perfeito, mas leva-nos para o mundo onde instituições como a S.H.I.E.L.D são reais, mundos onde os super-heróis saíram dos livros de banda-desenhada, mundos onde podemos vestir a capa e lutar contra as forças do mal. Sim sim, já tínhamos séries, filmes, e outros jogos sobre mundos fantásticos… O que faz com que tudo seja diferente neste Marvel’s Avengers é a forma como jogabilidade muda de herói para herói, levando-nos assim a pensar que somos nós naquela armadura do Iron Man ou que conseguimos pegar no martelo de Thor sem qualquer problema. 

Tal como em Tell Me Why, análise nos próximos dias aqui em FUTURE BEHIND.

Armando Sousa

Esta semana tenho estado agarrado à nova expansão de Control. AWE é a segunda, e ultima, expansão que a Remedy nos apresentou relativamente ao jogo base e continua a surpreender-nos com a sua narrativa. Entendemos que o plano da Remedy é juntar todo um universo sobrenatural e talvez presentear-nos com algo que ate tudo no fim. Análise em FUTURE BEHIND muito em breve.

Ao fim de algum tempo sem lhe tocar, voltei a Fortnite para experimentar esta nova season dedicada à Marvel. Surpreendeu-me pela positiva, já que não sou jogador assíduo do battle royale e o mapa antigo cheio de água tinha-me retirado ainda mais o interesse no jogo. Mas, esta parceria resultou em cheio. A quantidade de challenges e easter eggs presentes dá para irmos alterando a nossa estratégia e ao mesmo tempo explorar o mapa com mais satisfação. A Epic tem aqui algo muito forte com esta parceria.

Siga o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

No meio destes dois títulos tenho jogado Fall Guys que dispensa apresentações, devido à forma como conquistou grande parte dos jogadores, mesmo os que, como eu, ainda não consquistaram coroa alguma. E, por fim, Spelunky, um dos meus jogos preferidos de sempre, estando-me a preparar para Spelunky 2 que não tarda em sair.

Vocês Jogam Nós Também

Sem mais artigos