Foi uma das principais novidades da Google durante o seu evento anual de programadores. O Google Duo foi apresentado como uma nova aplicação focada em videochamadas e incorpora algumas funcionalidades que chamaram a atenção da imprensa especializada.

Uma das que mais se destacou foi a que permite ao utilizador ter algum contexto pré-chamada, isto é, enquanto o smartphone toca vê quem está do outro lado e a fazer o quê. Este vídeo ajuda a perceber o conceito do Google Duo.

O lançamento da aplicação está iminente pois já é possível fazer um pré-registo na loja de aplicações do Android. Uma das grandes promessas do Google Duo é trazer mais vida às videochamadas, maior contexto e criar um sistema simples e rápido de videoconferência entre utilizadores.

Esta é por isso uma boa altura para falar da aplicação Vodafone Call+ que já foi lançada em setembro do ano passado. Isto para dizer que a aplicação desenvolvida pela gigante das telecomunicações já trouxe para o mercado alguns conceitos que agora marcam presença no Google Duo, ainda que num formato ligeiramente diferente.



Por exemplo, quando o João liga ao André pode enviar uma fotografia e dizer o motivo pelo qual está a ligar. Pode também definir a prioridade da chamada – se for muito importante, talvez não seja sensato ignorá-la. Estas informações vão aparecer no visor do telemóvel do André antes de ele atender a chamada, o que lhe dá mais contexto sobre a conversa que aí vem.

A Google preferiu fazer uma transmissão de vídeo em direto mesmo antes de a chamada ser atendida, o que torna o momento mais imediato, mas que de certa forma também vai obrigar os utilizadores a portarem-se um pouco como os jornalistas quando fazem diretos na televisão – alguns segundos antes da transmissão começar e depois de acabar têm de manter a posição para não serem apanhados em posições embaraçosas ou a dizerem o que não deve ser dito.

A aplicação Vodafone Call+ já teve mais de um milhão de downloads só na loja do Android

O conceito da Google assenta em videoconferência no seu estado mais puro, enquanto o da Vodafone assenta mais no conceito de chamada telefónica tradicional à qual pode ser acrescentado valor: seja partilha da localização, partilha de imagens ou também iniciar um modelo de videochamada.

O Vodafone Call+ tem ainda uma outra funcionalidade interessante. Quando a pessoa a quem queremos ligar não atendeu podemos deixar uma mensagem de voz ou de texto que será entregue no momento a seguir. Funciona um pouco como o sistema de voicemail ou de alerta de SMS, mas de forma integrada na aplicação.

 

Já a Google promete videochamadas de boa qualidade mesmo quando a ligação à internet não é a melhor. Uma outra vantagem clara que o sistema da Google tem relativamente ao da Vodafone é o facto de ser agnóstico: funciona independentemente da rede do utilizador. Já as funcionalidades do Vodafone Call+ só estão disponíveis para clientes da rede da operadora.

Isto acontece pois o Call+ é uma arma de defesa numa luta muito maior – e o Google Duo vai passar a ser um novo adversário nessa área. Os operadores de telecomunicações em Portugal já se queixaram que os serviços over the top, justamente como o Google Duo, são injustos. A utilização de serviços como o Messenger, WhatsApp ou Viber têm levado a uma quebra na realização de chamadas e envio de SMS, o que tem afetado o negócio.




A Vodafone percebeu que o caminho passaria por criar um serviço de comunicações com valor acrescentado – não no sentido do dinheiro, mas sim das funcionalidades. O Call+ é uma dessas tentativas, mas talvez devido à restrição de operador vá acabar por não ter uma utilização tão massificada como o Google Duo. Faz sentido pois dá aos clientes da operadora uma vantagem nos formatos de comunicação, mas ao mesmo tempo é restritivo para as boas ideias que a aplicação apresenta.

Apesar de diferentes são aplicações que partilham conceitos, sobretudo ao nível da contextualização da chamada e de trazerem uma maior riqueza visual ao simples ato de comunicação entre duas pessoas.