O mais recente sistema operativo da Microsoft completa o primeiro aniversário daqui a alguns meses, mas quem recebe a prenda são os 270 milhões de utilizadores que o usam atualmente.

A tecnológica norte-americana já tinha revelado a intenção de o Windows 10 ser a ‘última e definitiva’ versão do sistema operativo. Claro que isso não significa que os utilizadores vão ficar com o mesmo software para sempre, o objetivo é que evolua de forma gradual e que chegue a todos os seus utilizadores de maneira igual.




Não só nos computadores, mas também em tablets, smartphones, Xbox One e em equipamentos mais futuristas como os HoloLens – mas cada um com as suas novidades e características. O que os une, no fundo, é a possibilidade de partilharem as mesmas aplicações.

O Windows 10 recebeu a primeira grande atualização em novembro do ano passado. A próxima já tem janela de tempo definida: verão de 2016. A Microsoft não avançou uma data específica e apesar de chamar-lhe ‘Edição de Aniversário’ não é certo que venha a ficar disponível a 29 de julho, dia em que celebra um ano no mercado.

Os utilizadores de testes do programa Windows Insider vão receber as novidades em primeira mão para que possam dar o seu feedback sobre o futuro do sistema operativo. Para os que gostam de jogar pelo seguro, eis o que o Windows 10 vai trazer de novo ao seu computador.

Windows Hello dos computadores para a Web

O sistema de autenticação biométrico da Microsoft vai poder ser integrado em serviços online. Quer isto dizer que da mesma forma que faz login no seu PC através da tecnologia de reconhecimento facial ou de impressão digital, poderá autenticar-se num site usando o mesmo sistema.

A expansão desta ferramenta dependerá muito da adoção por parte dos programadores, mas sabendo que há várias empresas que estão desejosas de acabar com as típicas passwords, este pode ser um dos caminhos escolhidos.

O único senão é o facto de o Windows Hello ser compatível apenas com o Microsoft Edge – no final de fevereiro o browser representava 3% de quota do mercado mundial, ainda muito longe dos 23% do ‘velhinho’ Internet Explorer.

Windows Ink, a tinta inteligente da Microsoft

A tecnológica de Redmond acredita que parte do futuro da interação dos utilizadores com os computadores passa pelo uso de canetas eletrónicas. Basta olhar para a aposta que é feita desde o início na gama Surface, a extensão ao Surface Book e ao seguimento da mesma estratégia por parte de outras tecnológicas.

Mas como nem sempre os utilizadores sabem o que fazer com a caneta, a Microsoft decidiu que o Windows Ink seria a solução.

Em primeiro lugar há uma maior facilidade em descobrir com programas com os quais a caneta eletrónica pode ser usada. Para isso basta dar um duplo toque na parte superior do periférico para que surjam todos os programas compatíveis.

O Windows vai ter uma maior capacidade de reconhecimento de palavras – pelo menos em inglês. Se escrever ‘amanhã’ nas notas, as letras vão ficar a azul, como se fosse uma hiperligação. Clique em cima e será possível criar um lembrete.

O reconhecimento estende-se também a outras aplicações. Se desenhar um traço entre dois pontos na aplicação de Mapas o sistema operativo vai calcular a distância que os separa e vai sugerir a rota mais próxima para esse caminho. O Windows 10 tem ainda capacidade para transformar estas anotações em objetos tridimensionais e que acompanham a profundidade que, neste caso, a aplicação de mapas tem.

Outra novidade que a empresa vai incluir no Windows 10 é a possibilidade de o utilizador chamar uma régua virtual. Desta forma terá um objeto de apoio para criar traços mais precisos.

Além dos programas próprios da Microsoft, também a Adobe já fez saber que o Photoshop vai ser compatível com o Windows Ink.

Cortana omnipresente

A assistente virtual está a assumir uma grande importância na estratégia da tecnológica – basta pensar que está a ser transformada em Super Cortana.

Além de ter criado uma seção especial na Windows Store para a Cortana, na qual os utilizadores podem encontrar de forma mais simples quais as aplicações que já são compatíveis com a assistente, a ferramenta vai ficar mais pró-ativa.

O objetivo é a Cortana faça sugestões e recomendações ao utilizador durante o dia, tentando adivinhar as suas necessidades. A assistente virtual vai também ficar acessível diretamente do ecrã de bloqueio, para que possa interagir mal o computador passe a fase de inicialização.

Por agora só fala português do Brasil, mas já uma alternativa para todos os falantes de língua portuguesa que queiram olhar para o futuro da assistente digital.

Consola e PC cada vez mais parecidos, e vice-versa

Quando o novo Windows 10 chegar à Xbox One a Microsoft estará mais perto de criar uma plateia unificada de jogadores em dois sistemas de jogo distintos. O sistema operativo na consola doméstica vai permitir a instalação das chamadas aplicações universais e vai finalmente desbloquear o modo de programador – na prática permitirá o desenvolvimento de ferramentas e videojogos in loco, sobretudo na perspetiva de testes e ajustamentos.

Sem mais artigos