A última grande atualização do Windows começou a ser distribuída no início de agosto, trouxe um conjunto de novidades discretas e que não foram projetadas para ter um grande impacto na experiência de utilização diária. Davam antes resposta a necessidades mais específicas. A Microsoft parece estar satisfeita neste momento com o Windows 10 como ferramenta de produtividade e por isso é que está a explorar novas áreas.

A tecnológica norte-americana vai fazer uma grande aposta na produção de conteúdos 3D e para isso vai transformar o Windows num sistema operativo extremamente amigável para este formato.

Esta transformação vai ser possível graças à atualização denominada de Windows 10 Creators.




A Microsoft quer, literalmente, transformar todas as pessoas em produtores de imagens tridimensionais. Para isso vai implementar várias funcionalidades de forma nativa no Windows e que muito provavelmente vão popularizar ainda mais os objetos 3D.

“O que pode o Windows fazer para libertar o criador 3D que existe dentro de nós?”, questionou o líder da divisão Windows, Terry Myerson, durante o evento de hoje.

O primeiro passo será a disponibilização de uma aplicação para smartphones que na prática vai permitir digitalizar a três dimensões qualquer objeto. A Microsoft ainda não deu nome a este sistema e mostrou-o a funcionar num HP Elite X3, mas disse que o objetivo é que venha a ficar disponível noutros sistemas operativos.

Ao utilizador basta apontar o smartphone para o objeto e ir rodando à sua volta. O software conseguirá não só fazer uma captação do seu formato, como também das suas cores, criando uma representação fiel, mas digital.

“Se queremos fazer com que o 3D seja mesmo para todos, a criação 3D tem de ser tão fácil como tirar uma fotografia”, defendeu a executiva Megan Saunders.

A partir deste ponto abre-se todo um novo mundo para os objetos 3D. Colocar um digitalizador 3D nas mãos de qualquer pessoa significa muitos conteúdos e muitos conteúdos significa uma grande oportunidade para aproveitar.

É por isso que a Microsoft está a preparar um ecossistema mais vasto em torno do conceito. O famoso programa Paint, por exemplo, vai ter uma nova versão que suportará conteúdos 3D.

Além de poder integrar os conteúdos produzidos com o smartphone, será possível recorrer a uma base de ficheiros que a Microsoft está a criar – Remix3D.com – e também será possível fazer desenhos em 2D, que o software encarrega-se de lhe dar uma terceira dimensão.

Um aspeto interessante e importante: a Microsoft vai permitir que os utilizadores partilhem no Facebook os ficheiros 3D criados no Paint. Desta forma os utilizadores poderão partilhar as suas criações com a sua rede de contactos na rede social, dando um maior propósito aos momentos criativos.

Neste aspeto a plataforma Remix3D será importante pois vai funcionar quase como o fio condutor para todas as restantes experiências. O objetivo é que a Remix3D seja um pouco como o armazenamento cloud dos ficheiros 3D, tornando-os acessíveis a partir de qualquer equipamento, em qualquer lugar.

Por exemplo, os utilizadores vão poder carregar para a Remix3D as criações tridimensionais que fazem no jogo Minecraft. Esta também será uma ajuda bastante importante para desenvolver o sentido de comunidade que a Microsoft pretende atingir com esta plataforma.

Também o Microsoft PowerPoint vai receber uma atualização que vai trazer suporte para conteúdos 3D. O objetivo é permitir a criação de apresentações mais dinâmicas, visualmente mais apelativas e que vão poder integrar transições dinâmicas entre os elementos 3D – será um pouco como fazer motion graphics, mas sem a necessidade de saber mexer em ferramentas mais complexas.

Com esta grande variedade de conteúdos 3D a Microsoft vai aproveitar para estimular novos ecossistemas. O Windows 10 vai ser a porta de entrada da Microsoft para a realidade virtual, ainda que a tecnológica pareça querer distanciar-se um pouco desta proposta.

Sabe que ao ter um grande conjunto de conteúdos 3D digitais pode criar cenários virtuais, mas está a passar a oportunidade da exploração a fabricantes parceiros como a Asus, Acer, Lenovo, HP e Dell. Todos eles estão a produzir óculos de realidade virtual que custam 300 dólares e que vão ser compatíveis com o sistema operativo.

A Microsoft está mais interessada em continuar a explorar o segmento da ‘realidade misturada’, isto é, o mundo dos HoloLens. Estes elementos 3D que vão ser produzidos em maior número também serão compatíveis com os óculos de realidade aumentada, dando ao dispositivo uma importante injeção de conteúdos para que possa tornar-se mais apelativo do ponto de vista do consumo.

A atualização Windows 10 Creators vai ser gratuita para todos os utilizadores do sistema operativo. Atualmente o Windows 10 já tem mais de 400 milhões de utilizadores.