Call of Duty Modern Warfare 2

Call of Duty Modern Warfare 2 – Análise

Começar com um ponto importante: o último lançamento de Call of Duty, de seu nome Vanguard, fez com que pela primeira vez pegasse num jogo e não o conseguisse jogar para escrever a análise. Senti-me mal nos dias seguintes e voltei a tentar, mas nunca deu. As animações quebradas, os problemas de desempenho uma história com um início sem inspiração fizeram com que pela primeira vez não tivesse energia suficiente para escrever uma análise.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Como é fácil de imaginar, entrei a medo para a análise deste Call of Duty Modern Warfare 2 de 2022. Medo que o sentimento passado uma ou outra hora de jogo fosse parecido. No entanto, aqui estou eu… a escrever a análise ao jogo que foi lançado no dia 28 de outubro para PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X | S e PC.


Com o modo campanha a ficar disponível uma semana antes de certeza que já leram, viram, jogaram tudo o que havia para jogar, ler e ver sobre tal modo. Mas, mesmo assim, é importante dizer-vos uma coisa: esqueçam Vanguard. Call of Duty (e as campanhas capazes de agarrar qualquer fã de ação ao ecrã) voltou. E de que forma.

A forma como olhei para cada uma destes pedaços de história foi exatamente a mesma com olho para uma série dos gigantes da indústria do entretenimento onde cada episódio tem a sua importância para o resultado final, mas, em simultâneo, conseguem sobreviver independentemente. Por exemplo, o episódio que nos leva até a um dia de sol nas ruas de Amesterdão é uma excelente demonstração técnica daquilo que os jogos, em 2022, conseguem fazer a nível visual sem nunca perder no desempenho.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Andei um pouco para a frente e estava ao comando de um avião a destruir tropas inimigas que avançavam em direção a parte do meu pelotão, na altura encurralados no topo de um edifício. Uma das missões onde mais me diverti durante o jogo e, provavelmente, também uma das missões e experiências de jogabilidade que mais gostei nos últimos tempos, isto em relação a jogos do género, claro.

Ao nível de desempenho, a jogar na PlayStation 5, este Call of Duty Modern Warfare 2 apresentou-se constante sem problemas de maior. Mesmo em momentos de maior ação as quebra de frame, se existiram, não foram notáveis e o rate apresentado foi sempre confortável ao olhar.

Call of Duty Modern Warfare 2 traz um modo online equilibrado, mas por vezes injusto

A verdade é que o matchmaking deste COD funciona bem. Os lobbies estão cheios de jogadores dentro dos mesmos níveis de habilidade e, até agora e tirando um ou outro exemplo, todos os jogos que fiz foram sempre equilibrados onde qualquer um dos lados poderia ganhar a partida até ao último momento.

E por que é que isto é importante para mim? Porque é que escolhi dar-lhe destaque? Porque sou um jogador medíocre que nem mesmo na consola e com o famoso aim assist tenho a capacidade de fazer mais do que 10 / 15 kiils por partida (e olhem que para chegar a este número é preciso estar inspirado). Sendo um jogador fraco Call of Duty sempre me deixou chateado ao fim de algumas partidas, porque sentia que não conseguia fazer nada. Agora, tirando naquele mapa em que podemos ser atropelados por carros, consigo divertir-me e sentir que estou, de alguma forma, a ajudar a equipa. Obrigado matchmaking.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Quase que é possível sentir o peso das armas no DualSense. E se jogar de comando pode fazer com que se seja mais lento a fazer mira e disparar, a verdade é que se ganha um nível de imersão impressionante. Por isso, caso estejam no mundo de Call of Duty apenas para se divertirem, jogar de comando é a melhor opção. Lamento puristas dos shooters.

O grande problema do online, que está bem destacado em alguns dos mapas, é o facto de, por vezes, o respawn acontecer na mesma zona muitas vezes seguidas. Isto faz com que os oponentes, com um mínimo de inteligência disponível, consigam perceber onde é que vão aparecer e, com isto, mal um passo se consegue dar porque uma granada vai cair, um tiro vai furar a cabeça… algo vai acontecer que vos vai fazer passar pelo mesmo processo de respawn. Quem sabe no mesmo sítio, e isto irrita.

Considerações Finais

Com Call of Duty Modern Warfare 2 voltei a divertir-me com um COD, e mal posso esperar para que o battle pass fique disponível para perceber o tipo de novidades que, com ele, podem aparecer. O novo jogo da Infinity Ward marca o início de uma nova geração para os shooters da Activision e será muito complicado competir com o título quando, quem sabe para o ano, o próximo jogo da série for lançado.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Call of Duty Modern Warfare 2 pode ter sido lançado em outubro, mas a verdade é que vai ganhar uma nova vida quando for lançado o modo Warzone. É certo que a Activision vai apostar toda as fichas para levar uma boa percentagem dos jogadores do modo gratuito para o online, e até para a campanha, do título principal da série. E digo-vos, se Warzone se apresentar com a mesma capacidade deste Warfare, será o regresso dos Battle Royale à ribalta.

nota 4 recomendado
Clica na imagem para mais informação sobre as nossas classificações

+ Modo campanha que mostra tudo o que os shooters podem ser
+ Desempenho constante sem grandes problemas
+ Matchmaking do modo online faz com que o jogo seja divertido mesmo para os jogadores menos bons

– Respawn no mesmo local é um problema em alguns mapas
– Como sempre, no tipo de jogo, a campanha é curta
– Campanha era perfeita para co-op, mas não existe

N.R.: A análise a Call of Duty Modern Warfare 2 foi realizada numa PlayStation 5

O Future Behind em "Dark Mode"