Move Mind FIFA
Crédito: Move Mind @ Facebook

FIFA 23 CUP – À conversa com Move Mind sobre relatos de futebol e FIFA

Durante os meses de outubro e novembro os centros comerciais geridos pela CBRE contaram com o torneio FIFA 23 CUP onde os jogadores podiam, ao participarem na vertente presencial, jogar com caras bem conhecidas do mundo dos videojogos. O último dos torneios acontece, no Loures Shopping, entre os dias 8 e 13 de novembro e no fim de semana de 10 a 13 do mesmo mês contará com a participação do YouTuber Ric Fazeres.

FIFA 23 CUP
Já está tudo pronto no LoureShopping

Durante o fim de semana passado o futebol virtual esteve no RioSul onde os jogadores presentes tiveram a oportunidade de jogar com um dos maiores streamers em Portugal. Diogo da Silva, ou Move Mind, streamer dos For The Win Esports Club, quanto está na Twitch, esteve presente e o Future Behind aproveitou para meter a conversa em dia. Falou-se sobre o evento, mas também sobre a sua carreira fora da Twitch e ainda sobre FIFA. Qual o melhor, qual o pior e como é que será o futuro do jogo que vai perder a ligação com a organização que lhe dá o nome.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

A conversa começou com o Diogo a explicar ao Future Behind que a sua verdadeira paixão era o mundo dos relatos de futebol, mas que foi devido à insistência do grupo de amigos que se transformou num dos maiores streamers de Portugal. No entanto, não foi chegar, ver e vencer… esteve um ano onde as streams eram feitas para poucas pessoas, às vezes apenas uma ou duas, mas que com o tempo foi criando a sua comunidade e foi recentemente destacado (com direito a prémio) como um dos streamers em maior ascensão.

Com o crescimento da comunidade e com cada vez mais pessoas a assistirem às suas streams, Move Mind não aponta para a responsabilidade que existe por ser alguém com influência ao dizer que “a comunidade é um reflexo daquilo que é o streamer” e conta-nos ainda que sempre quis fazer, e conseguiu, foi criar a sua própria identidade sem nunca deixar de ser ele próprio.

“Em FIFA 23 “a jogabilidade não está tanto à base das fintas, está mais baseada no futebol, tens que passar… está mais tático””

Depois do sucesso na Twitch foi altura de partir em direção sonho inicial. Um sonho que começou na Rádio da Universidade de Coimbra ao relatar jogos da Académica na altura da 2º Liga, mas se transformou em algo maior quando, recentemente, passou a relatar jogos para a Sport TV, meio com o qual vai continuar a trabalhar. Mas descansem, porque mesmo com o sonho a ser realizado, o Diogo conta que os fãs de Move Mind podem ficar descansados já que o canal será sempre o mais importante e diz ainda que não relata mais pois “não quis abdicar do canal”.

A conversa continuou e acabamos a falar sobre FIFA 23. Ao perguntarmos o que é que acha do jogo que o levou até ao RioSul a resposta não podia ser mais direta – “Eu adoro o jogo, para mim foi o melhor FIFA até hoje”, continuando a dizer que o jogo tem “novas funcionalidades “brutais”, como o powershot ou até a possibilidade de fazer remates em trivela”.

Diz ainda que em FIFA 23 “a jogabilidade não está tanto à base das fintas, está mais baseada no futebol, tens que passar… está mais tático”. Mas o medo, como também foi referido na nossa análise, está lá. Diz Move Mind que espera que “não façam um patch e que alterem a jogabilidade, porque todos os anos assistimos a isso”, sendo que isto é algo que faz com que ao fim de algum tempo “se deixe de gostar do jogo”.



A pergunta tinha que ser feita, afinal de contas qual é o FIFA favorito? A resposta não surpreendeu, diz Move Mind que gostou “muito do FIFA 2003 e mais recentemente do FIFA 17”. Ao referir FIFA 22 diz que ao início até gostou, mas depois “o jogo acabou por descambar“… provavelmente por causa dos patches.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Sobre a evolução da franquia fala do facto de FIFA 23 já ter uma jogabilidade mais lenta e de ser esse “o ponto que a malta mais reclama” e que, por isso mesmo, um pouco mais de velocidade não fazia mal ao jogo. Já sobre a mudança para EA SPORTS FC conta que vai continuar a jogar, mesmo sem se chamar FIFA porque os responsáveis pelo título vão ser os mesmos e ainda que o mais importante é que as competições existentes se mantenham e até que sejam criadas outras, para “acima de tudo é manter a qualidade do jogo e a comunidade unida”.  

Por fim, e também para ficarmos a perceber a importância deste tipo de competições, Move Mind explica que este FIFA 23 CUP acabou por puxar muitos jogadores de nível competitivo e que em Coimbra defrontou um jogador PRO. Com a boa adesão que o torneio organizado pela CBRE contou é importante que este tipo de competições continuem a existir, pois poderemos mesmo vir a descobrir um futuro campeão tal é a qualidade dos jogadores que se apresentaram até agora no FIFA 23 CUP.

O Future Behind em "Dark Mode"