Lisboa Games Week

O Lisboa Games Week 2022 foi assim

Terminou no passado domingo a edição deste ano da Lisboa Games Week. Teve os seus altos e baixos, mas o mais marcante é o regresso do evento, que por força da pandemia, não existiu nos últimos dois anos.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Noutras edições, o evento ocupava dois e por vezes três pavilhões da FIL em Lisboa e este ano foi relegado a apenas um e uma zona de restauração exterior, ficando tudo e todos um pouco mais apertados, principalmente no fim de semana, onde se registaram mais visitas do público.

Lisboa Games week 2022 1

A Nintendo, sempre com uma presença forte no certame, apresentou dois palcos e um torneio de Splatoon 3, e também fez o lançamento de Pokémon Scarlet e Violet dando um pouco mais de brilho aos olhos dos fãs que esperam sempre ansiosamente algo vindo desta franquia.

Outros pontos fortes foram os stands mais virados para o hardware, como a Lenovo, Omen e AGON/Phillips, sempre muito concorridos e com participantes nos vários torneios existentes, sendo o palco Inygon o mais concorrido, o palco principal onde decorreram partidas profissionais de League of Legends e de Valorant.

Espaços interessantes como o de retrogaming, pejada de árcades que me fizeram recuar no tempo, com máquinas vintage originais e o Museu Load ZX Spectrum, e no espetro totalmente contrário, o espaço VR Experience com bons simuladores e boas experiências para os visitantes.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Mas onde fiquei mais tempo e que fascinou bastante foi a zona Indie, onde encontrei o espaço mais diversificado, tanto em jogos como ideias criativas, muitas delas de estudantes universitários, um bom sinal para o desenvolvimento de jogos em Portugal.

Lisboa Games week 2022 2

A Universidade Lusófona tem uns projetos muito interessantes em mãos, um deles chamado Xisto, com um conceito muito diferente, mas principalmente tradicional português. Este está disponível no itch.io, mas em conversa com Ivan Barroso, professor e mentor destes projetos, mais jogos com inspiração em regiões portuguesas poderão estar a caminho, abrindo a mente criativa dos alunos e inspirando-os na sua zona.

Mas no reverso da moeda, nem tudo foi perfeito no evento deste ano. Haver só um pavilhão reduziu não só o espaço total, mas o espaço entre expositores era escasso. Tão escasso que tornava complicado e chato o tráfego de pessoas e difícil de ouvir claramente o que vinha de cada stand. Em alguns deles haviam conversas muito interessantes que não se perceberam claramente por causa de todo o barulho circundante.

Um dos maiores nomes da indústria não compareceu e muitos visitantes perguntavam porquê. A Sony PlayStation não teve presença no evento e em outras edições o seu espaço é considerável e provavelmente terá sido por isso que a feira ficou só num dos pavilhões da FIL.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

A Microsoft estava representada, mas estranhamente apenas com o PC Game Pass, num espaço demasiado descontraído e com poucas atividades ao contrário do da Nintendo, por exemplo.

Mas um evento como a Lisboa Games Week é mais que isto. É rever amigos e travar novas amizades e conhecimentos, ver o cosplay e participar nesses concursos, estarmos juntos a aplaudir as nossas equipas de Esports, tudo em comunidade. E isso mais uma vez aconteceu… por isso, espero que o evento regresse para o ano, para que isso aconteça de novo.

O Future Behind em "Dark Mode"