comandos videojogos jogadores

Sugestões da semana – Videojogos #31


Estamos de volta para mais uma semana de sugestões no mundo dos videojogos. Neste espaço, parte da equipa do Future Behind partilha convosco o que andamos a jogar, mas acima de tudo, o que acreditamos que não devem perder.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

rating recomendado

Armando Sousa

Ainda estou a tentar jogar Aliens: Fireteam Elite e gostava de vos sugerir este jogo, mas honestamente não sei se consigo. Sei que há pessoas que estão a gostar imenso, outras nem tanto, e eu enquadro-me neste último grupo.

Tive imensos problemas com crashes no jogo, não conseguir arranjar pessoal para ir passando as missões é do mais ridiculo, forçando-nos a jogar com bots, que só disparam a não ser que disparemos primeiro, a história não é nada de jeito, contextualizando com o material de alta qualidade de onde se podem basear, enfim, mais uma oportunidade perdida a meu ver, no uso da franchise Alien.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Quis continuar Hades no Xbox Game Pass, mas a minha Xbox One faleceu. Com muita pena minha, que gostava imenso de explorar o serviço da Microsoft de vez em quando. Ela ainda liga, há esperança, mas tenho de analisar melhor o problema e talvez tenha de fazer o upgrade, mas deixo de novo esta sugestão do Xbox Game Pass para quem tem as consolas da Microsoft. Se pensam que é caro, enganem-se, para o serviço que podem usufruir, é bastante leve na vossa carteira.

Enquanto isso, e como estava virado para os rogue like, voltei para Spelunky 2 e parece que desaprendi… o jogo peha em nós e quase que nos atira pela janela com todos os obstáculos que nos põe na frente. Mas quem gosta de rogue likes nasceu para sofrer.

Até para a semana

.

Francisco Schai

Foi em 2019 que os fãs de Star Wars tiveram finalmente direito a um jogo singleplayer de grande qualidade, após o cancelamento de Star Wars 1313, bem como o projeto encabeçado por Amy Hennig. Mas se a diretora criativa da trilogia Uncharted não teve tanta sorte, o director de God of War 3, Stig Asmussen, conseguiu que a sua interpretação do universo visse a luz do dia, através de Star Wars Jedi: Fallen Order.

O jogo pediu emprestado vários elementos de diversos géneros: a filosofia do combate metódico e desafiante de Dark Souls, a exploração de Metroid ou Legend of Zelda, em que o jogador é incentivado a explorar áreas prévias ao adquirir novas ferramentas ou habilidades e os feitos acrobáticos lembram as mecânicas de movimento de Uncharted ou Prince of Persia. Os controlos são fluídos e o jogo atira-nos, de forma incremental, pormenores que enriquecem a aventura. Desde as reacções hilariantes dos stormtroopers ao imenso poder da nossa personagem até ao icónico som do sabre de luz, o jogo apresenta detalhes deliciosos.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

No geral, o jogo está muito bem feito e a narrativa, bem como a enciclopédia dos detalhes deste universo (informação sobre criaturas, planetas etc) surpreenderam-me, demonstrando a pesquisa minuciosa ao legado rico da épica saga intergaláctica. Mesmo para quem não tenha qualquer afinidade com a saga, Fallen Order é um jogo de ação e aventura que vale muito a pena.

.

André Santos

Depois de uma semana de férias onde nada joguei voltei ao mundo dos videojogos para pegar em coisas que tenho em atraso para análises que já deviam ter saído antes das tais férias. Mas antes de mergulhar de cabeça nas análises e conteúdo que tenho para lançar decidi continuar a relaxar e peguei em algo, que honestamente nem sei se já aqui falei, Final Fantasy VII Remake Intergrade.

Olho para este jogo como um remastered de um remake, algo que resume muito bem os lançamentos do último par de anos, onde muito jogos são, na verdade, versões de jogos que já tinham sido lançados no passado. Este Final Fantasy VII Remake Intergrade acrescenta um pedaço mais de história, algo que é sempre bem-vindo, mas traz também outra coisa que os videojogos têm vindo a apostar: modo de fotografia.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

O problema é que o modo de fotografia desde Final Fantasy é pouco mais que a possibilidade de tirar screenshots e sempre com a frase de copyright presente, por isso, num texto curto deixo um dica à Square Enix: se é para fazer algo assim, mais vale ficarem quietos.

Sim, tirando isto adorei a adição que fizeram à história e o facto de terem deixado um jogo lindo ainda mais bonito.

O Future Behind em "Dark Mode"