comandos videojogos jogadores

Sugestões da semana – Videojogos #44

A entrada em fevereiro marca a chegada de alguns dos jogos mais antecipados para 2022, falamos de Horizon Forbidden West, Elden Ring ou até mesmo Sifu. Mas enquanto estes títulos não chegam vai-se jogando outras coisas. Entre Spongebob ou o nada recente GTA II muitos foram os jogos que passaram pela equipa do Future Behind. E por aí, o que é que se jogou?

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

O ano de 2022 estará carregado de bons videojogos, isso sem dúvida alguma. Mas contem-nos, de todos os jogos que vão aparecer em 2022 qual é o que mais querem jogar?

rating recomendado

Francisco Schai

Há qualquer coisa de especial nas produções B-Grade, que hoje em dia se poderiam situar na posição intermédia entre os jogos independentes e os projetos de alto orçamento. Creio que um bom exemplo é o título que hoje vos trago, Spongebob Squarepants Battle for Bikini Bottom: Rehydrated. Este é um remake do original lançado em 2003, que agraciou a Playstation 2, Gamecube e Xbox.

A génese do jogo surgiu do casamento ideal entre o género de plataformas em 3D e o humor juvenil da série que continua a produzir uma avalanche de memes, que todos, de uma forma ou outra, conseguimos identificar-nos. Podemos jogar com três personagens: Spongebob, a esponja de cozinha; Patrick, a estrela-do-mar e Sandy, a esquilo-fêmea com sotaque do Texas. Cada uma possui certas habilidades únicas, que nos permitem avançar de formas distintas. A minha preferida é a Sandy, e francamente, é a personagem OP do jogo. Os seus ataques de chicote despacham os robôs como se fossem folhas e podemos planar de forma a atingirmos distâncias consideráveis.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Gostam de colectathon`s? Aqui, recolhem-se cuecas para recuperar vida, meias perdidas e até as espátulas douradas têm tanta importância quanto as estrelas em Mario. Não estando muito familiarizado com a série de animação, diverti-me imenso com este jogo. É o tipo de jogo que simplesmente funciona, encontrando na simplicidade o seu maior triunfo. Os fãs da série têm ainda mais razões para mergulharem até Bikini Bottom.

.

Paulo Tavares

Depois de uma semana em que se confirmou finalmente que a próxima interação do mundo Grand Theft Auto está em desenvolvimento, está na hora de voltar ao passado do futuro.

Sim, isso mesmo que leram. GTA II tratava disso mesmo. Anywhere City é uma suposta representação de uma cidade futurista. O recém libertado da prisão e amnésico Claude Speed (que nome!) é o protagonista de missões que tem o objetivo básico de conseguir dinheiro para ter acesso a novas missões ainda mais complexas e violentas. Atropelar, assassinar, roubar, trabalhar para organizações perigosas, não há limite para o nível de missões que foram tão polémicas aquando do lançamento essencialmente dos primeiros jogos GTA. Entretanto houve uma normalização da violência e tudo hoje parece ser aceite. Mas na altura dos lançamentos originais, a Rockstar Games sofre represálias de quase todos os quadrantes da sociedade e só mesmo uma empresa confiante, com gente louca no comando e com uma certeza inabalável que aquele era o caminho do futuro para aquela que é hoje uma das mais bem conseguidas produtoras de videojogos.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

GTA II apresenta já sinais da fina ironia que sempre marcou a saga, mantendo-a atual: podemos salvar o jogo apenas numa igreja, pagando uma quantia em dinheiro; uma das facções criminosas é uma grande farmacêutica… pequenos toques de futurologia!

Para se perceber bem este fenómeno que dura há várias gerações de consolas, há que voltar atrás e perceber que estes primeiros GTA ‘s abriram as portas para que a liberdade de conceção no mundo dos videojogos seja hoje algo completamente normal, onde a liberdade criativa supera credos e crenças. E ainda bem que assim é.

.

Armando Sousa

Esta semana vou-me debruçar sobre o grande mês de jogos que fevereiro nos oferece. Aliás, vão ser uns próximos meses muito fortes, parece que se lembraram de despachar tudo para esta altura.

Como dissemos aqui, muitos jogos irão ser lançados, mas quero evidenciar alguns que me chamaram mais a atenção.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Sifu é um título muito particular que anda a ter muita atenção desde que foi mostrado pela primeira vez. Produzido pela Sloclap, bebe alguma inspiração do jogo anterior da equipa, Absolver, que se destacava pelo seu combate dinâmico. Não fui fã de Absolver, que até teve críticas favoráveis, mas as previews de Sifu evidenciam uma aprendizagem na abordagem ao combate em relação ao jogo anterior. É de manter este Sifu debaixo de olho e é lançado já no dia 8 de fevereiro.

.

Um dos meus jogos preferidos da geração passada foi uma surpresa, nunca pensei que a fórmula resultasse tão bem e me agarrasse durante quase cem horas. Falo de Dying Light e a sequela que teve vários anos em produção finalmente chegou às lojas.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

O fator surpresa não será o mesmo que o original, mas a Techland pode-se orgulhar do grande que fez e o segundo deve ter o mesmo valor de diversão ou seja, um mundo aberto cheio de zombies para dilacerar. Na altura do primeiro, eu já estava cansado de zombies ou variantes de mortos vivos espalhados por esses mercado de videojogos. A Techland teve algum sucesso com Dead Island, mas ao introduzir o parkour numa nova franchise mudou tudo. E foi essa mecânica que achei primordial para o sucesso de Dying Light. Esperemos que o segundo seja tão divertido também.

.

Por fim, o jogo que mais aguardo este mês, Elden Ring. Miyazaki é um ícone da indústria desde que criou a série Souls e Bloodborne e Sekiro. Para os fãs, cada vez que há um rumor de um novo título da FromSoftware, os nossos olhos brilham, elevamos os nossos braços e murmuramos “praise the sun”. E finalmente, a dia 24 deste mês, Elden Ring será lançado. Pelo que já vimos, a inspiração é total e semelhantes aos universos já criados anteriormente, mas em mundo aberto. Bom ou mau, eu estarei a jogar. Estes jogos mesmo com algumas falhas, mexem connosco, os fãs. Serão meses a explorar e a morrer das mais variadas formas e sempre com um sorriso nos lábios, seguramente. Venha ele.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

.
O Future Behind em "Dark Mode"