Aspire: Ina’s Tale

Aspire: Ina’s Tale – Análise

Lançado pela Untold Tales que tem publicado vários indies de qualidade como Golf Club: Wasteland e Arise: A Simple Story. A Wondernaut Studio, um estúdio brasileiro formado em 2020, Aspire: Ina’s Tale é um jogo de puzzle e plataformas em 2D um pouco ao estilo de Limbo e jogos semelhantes. Com o seu estilo muito próprio e muito charme, seguimos Ina numa aventura de autodescoberta.

.

Escapar da torre

Controlamos Ina, uma jovem rapariga que acorda numa estranha torre, procura a saída e rapidamente descobre que a própria torre se alimenta dos sonhos dos seus habitantes. Temos assim, de nos aventurar na complexidade da torre, resolver puzzles ambientais e fugir de monstros que nos perseguem na escuridão.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Nem tudo é assustador porque Ina conhece personagens bastante interessantes no caminho para além de entender a razão porque ela está na torre para começar. Se estão habituados a jogos como Limbo, Inside e Unravel, já sabem que tipo de jogo narrativo e cinemático terão em Aspire: Ina’s Tale.

Decisão critica? Nem por isso

Ao contrário destes jogos que falei, em Ina’s Tale adiciona um pouco mais de narrativa, por caixas de texto para dar mais enquadramento à história em vez de estarmos a tentar adivinhar o que se passa. Inclusive oferece escolhas múltiplas de diálogo ao jogador, mas as nossas decisões não aparentam ter impacto significativo no que vai acontecendo. Serve para incluir o jogador nas decisões. É um jogo com sentimento, em que o final pode agradar ou não dependendo da mensagem que o jogador retira, mas definitivamente nos deixa a pensar.

Ambiente é tudo

O que me chamou logo a atenção é o estilo gráfico que o jogo apresenta. Simples, mas muito bonito, apresenta-se quase como que uma pintura digital em 2D e tem cenários variados o suficiente que misturam a serenidade da natureza com um design mecânico de outros cenários. Existem bons pormenores na iluminação em algumas seções, e mostra o cuidado que o estúdio teve neste aspeto.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

A banda sonora é muito boa, adequando-se ao tema. A melancolia e um estado por vezes meditativo enquanto estamos a resolver os puzzles ajuda a perdermo-nos no mundo, ficando sempre a pensar no que virá a seguir. Quando estamos em fuga, tudo muda para sons mais rápidos, espelhando a tensão que se deve sentir.

Puzzles e jogabilidade

Um jogo de plataformas que se preze tem de ter boa jogabilidade. Mesmo que Aspire: Ina’s Tale não seja muito exigente, há uma mistura interessante destas duas mecânicas. As secções de puzzles leva-nos maioritariamente a empurrar blocos ou ativar plataformas com uns orbs cintilantes que encontramos. A dificuldade não é muito alta, mas houve uma ou outra situação que fiquei estagnado no jogo sem saber o que fazer, mas experimentando várias coisas chegamos á conclusão. Por vezes pode ser um pouco obtuso, mas nada que seja realmente mau.

Em certas situações que temos de fugir de uma ameaça, são-nos testadas as nossas capacidades de salto e progressão. Mais perto do final do jogo, estas duas mecânicas andam muito de mãos dadas e foi onde me diverti mais, e fiquei com vontade de mais.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

A parte má da jogabilidade é que nem sempre o salto parece que sai bem. Existe um input lag terrível e isso condiciona algumas vezes a nossa movimentação. O timing de salto para certas plataformas é ao milímetro e podemos falhar algumas vezes. Saltar para cordas também é esquisito e mais complicado do que deveria ser. O jogo sofre de quebras de frame rate, que para um jogo desta natureza é um pouco inadmissível.

Considerações finais

Consegui terminar Aspire em 6 horas, e é uma viagem interessante. Estes jogos têm um preço acessível e é sem um bom pretexto para experimentar. Tem alguns segredos para descobrir, bem como lore interessante e tem checkpoints regulares que nos permite jogar em intervalos pequenos.

Segue o Future Behind: Facebook | Twitter | Instagram

Aspire: Ina’s Tale tem todas as qualidades de um bom jogo de puzzle e plataformas. O seu estilo gráfico, a banda sonora e história deixa no ar um mistério que me fez tentar chegar sempre além e descobrir mais sobre Ina e a torre.

Falha um pouco na jogabilidade e tem alguns problemas de performance, mas nada que seja muito gritante e que vos faça desligar a consola.

Clica na imagem para mais informação sobre as nossas classificações

+ Arte gráfica
+ Mundo misterioso e o lore
+ Banda sonora

– Por vezes a jogabilidade não é muito boa
– Input lag

N.R.: A análise a Aspire: Ina’s Tale foi realizada numa Nintendo Switch com acesso a uma cópia do jogo cedida pela Wire Tap Media

O Future Behind em "Dark Mode"